Tribuna Expresso

Perfil

Liga dos Campeões

Porto ganha força para acolher final da Liga dos Campeões

Associated Press diz que Londres é a opção preferida pela UEFA, mas reunião com o governo britânico sobre a possibilidade de levantar período de quarentena para quem não chegue de países que estão na lista verde poderá impossibilitar que Manchester City e Chelsea joguem em Wembley. Porto é um plano B que poderá tornar-se plano principal

Tribuna Expresso

DAVID RAMOS/Getty

Partilhar

A situação pandémica na Turquia deverá inviabilizar que a final da Liga dos Campeões entre Manchester City e Chelsea se jogue no estádio Ataturk e a UEFA está agora em contrarrelógio para encontrar uma nova solução para o jogo de 29 de maio. E essa solução pode passar novamente por Portugal, que há um ano recebeu a final 8 da prova, em Lisboa.

Depois do “New York Times” ter avançado no domingo que Londres era o local favorito para receber a final, com o Porto como plano B, esta segunda-feira a Associated Press diz que a hipótese Porto está a ganhar força, depois de uma reunião entre a UEFA e o governo britânico ter deixado a decisão num impasse.

Tudo por causa de questões relacionadas com a quarentena. Neste momento, qualquer viajante vindo de um país que não esteja na lista verde do Reino Unido é obrigado a isolar-se e esta segunda-feira a UEFA terá pedido aos responsáveis britânicos para levantar o período de quarentena para membros do staff, convidados, patrocinadores e imprensa que estarão presentes no jogo, algo que não terá sido atendido.

De acordo com a AP, a UEFA deu até terça-feira ao governo britânico para decidir se abre exceções em específico para a final da Liga dos Campeões e caso a resposta seja negativa a final poderá mesmo jogar-se no Porto. Portugal, para lá de estar na lista verde do Reino Unido, o que facilitaria a chegada das comitivas dos clubes, também não tem regras de quarentena para viajantes chegados do estrangeiro.

No domingo, o "New York Times" tinha também informado que as garantias portuguesas de que era possível organizar o evento mesmo com uma janela de tempo reduzida era outra das razões para deixar o Porto bem colocado na corrida.