Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Liga dos Campeões

Nagelsmann, um seguidor de Jorge Jesus: "É uma das pessoas que acompanho no futebol e estou entusiasmado por encontrá-lo"

O jovem treinador do Bayern Munique assumiu em conferência de imprensa que Jorge Jesus é um dos treinadores que costuma seguir e acredita que o Benfica não vai ter medo de entrar em campo frente aos alemães na 3.ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões

Lusa

SASCHA STEINBACH/EPA

Partilhar

O treinador Julian Nagelsmann afirmou esta terça-feira que, frente ao Benfica, espera que o Bayern Munique mantenha o nível apresentado com o Bayer Leverkusen (vitória por 5-1) e que imponha o seu futebol no Estádio da Luz, na Liga dos Campeões.

“Há sempre espaço para melhorar, mas seria bom manter o nível que apresentámos no último jogo da Liga alemã. Queremos manter em Lisboa a estabilidade que mostrámos com o Leverkusen. Temos de nos impor como temos feito até aqui. Temos de dar continuidade a esse trabalho. Essa é a prioridade”, afirmou Julian Nagelsmann.

O técnico de 34 anos falava aos jornalistas no centro de treinos do clube, nos arredores de Munique, na conferência de antevisão do duelo de quarta-feira da terceira jornada do Grupo E da Champions.

Nesse encontro com o Bayer Leverkusen, da oitava jornada da Bundesliga, os campeões germanicos 'arrasaram' o rival na primeira parte (5-0), acabando por poupar forças na segunda.

“O Benfica é uma grande equipa de Portugal e tem tudo para amanhã [quarta-feira] jogar bom futebol e causar-nos problemas. Não penso que o Benfica tenha medo de nós. Vai atuar num estádio cheio com os seus adeptos. Além disso, o Benfica tem jogadores com experiência e um treinador com muita experiência”, disse.

Trinta e três anos mais novo, Nagelsmann assumiu que acompanha a carreira de Jorge Jesus e enalteceu a “paixão” do técnico português.

“Tem um futebol atrativo. Não é jovem como eu, tem mais experiência. É interessante ver como continua a viver esta profissão com toda a sua paixão. É uma das pessoas que acompanho no futebol e estou entusiasmado por encontrá-lo”, referiu o germânico, referindo-se a treinador luso, de 67 anos.

Nagelsmann anunciou ainda que Alphonso Davies e Goretzka não estão em condições de jogar e vão falhar o jogo em Lisboa.

Na mesma conferência de imprensa, o defesa francês Dayot Upamecano assumiu o objetivo de não sofrer golos no Estádio da Luz e destacou a experiência dos jogadores do Benfica.

“É equipa com experiência, joga em casa e vai querer ganhar. Temos de estar preparados. Não queremos sofrer golos e essa é a nossa maior preocupação. O Benfica é uma equipa habituada à Liga dos Campeões, mas queremos ganhar e aumentar a vantagem no grupo”, disse o central de 22 anos.

O Bayern Munique lidera o Grupo E com seis pontos, enquanto o Benfica é segundo classificado, com quatro. Dinamo Kiev é terceiro, com um, e FC Barcelona continua com zero.

O encontro da terceira jornada do Grupo E da Liga dos Campeões está agendado para as 20:00, no Estádio da Luz, em Lisboa, com arbitragem do romeno Ovidiu Hategan.

  • Julian Nagelsmann: “Jogar ao primeiro toque não é a minha coisa preferida. Gosto de jogar a dois toques. Os meus jogadores não são o Messi”
    Entrevistas Tribuna

    Começou a treinar aos 28 anos, aos 31 recebeu um telefonema do Real Madrid e agora, com 33, está a três jogos da final da Liga dos Campeões em Lisboa. Defronta, esta quinta-feira, o Atlético de Madrid (20h, E1) com o seu RB Leipzig, que é talvez a equipa mais versátil e difícil de decifrar da prova, porque tanto começa o jogo em 4-4-2, como o acaba em 3-5-2, tendo mudado a meio para um 3-4-3. Mas, para Julian Nagelsmann, “os sistemas ou as formações táticas não contam” e “são apenas números”, porque ele pode mudá-los “10 vezes durante o jogo, que isso não vai alterar a nossa forma de jogar de futebol”. Em entrevista exclusiva à Tribuna Expresso, o treinador mais novo da competição defende como, durante a semana, tenta que haja um dia em que os jogadores possam jogar “sem regras, sem pensarem em futebol, apenas para se divertirem”, como se estivessem com “os amigos no parque”