Tribuna Expresso

Perfil

Liga Europa

The boys from Seixal brilham na vitória do Benfica. Com uma ajudinha do novo Seferovic

Foi um Benfica em versão Youth League que saiu vitorioso do terreno do Galatasaray na 1ª mão dos 16 avos de final da Liga Europa. O avançado suíço continua a dar cartas improváveis e fez o 16º golo da época, enquanto o regressado Salvio esteve ao nível habitual dos últimos tempos: golo e lesão. Tentos de uma vitória por 2-1 que coloca os encarnados com pé e meio na fase seguinte

Tiago Oliveira

Seferovic fez o golo da vitória do Benfica

Getty

Partilhar

Um, dois, três, quatro, cinco, seis. É a conta que Lage fez (com a dívida licença artística de um bom provérbio) e que vai fazendo com os meninos do Seixal, que continuam a jogar como se estivessem no centro de treinos enquanto se estreiam nas competições europeias. Sem desprimor pela margem sul, claro. Seis produtos da formação e seis alterações na equipa do Benfica que manteve o estado de graça e somou mais uma vitória na era do antigo técnico dos Bês. Sem goleada, desta feita, mas com um marcador de 2-1 na casa do Galatasaray que dá aos encarnados o primeiro triunfo na Turquia.

Os números são como o algodão, não enganam e mostram bem o que tem sido o percurso recente do Benfica.16 golos marcados nos últimos três jogos a que se juntam os dois averbados esta noite no Ali Sami Yen, que deixam as portas dos oitavos de final escancaradas e que são mais uma prova de força de uma equipa que nem precisou de jogar a alta rotação frente a um adversário sempre complicado.

Sim, é sempre muito repetido que jogar na Turquia é complicado, com as equipas adversárias a terem que enfrentar ambientes infernais e adeptos fervorosos por detrás de clubes que vendem cara a derrota. E é repetido pela simples razão que é verdade, como o comprovam os sete jogos que os encarnados já tinham feito no país sem uma vitória. Estatística, mais uma, que Bruno Lage encarregou-se de superar.

Com um onze que pareceu sempre relativamente à vontade em campo, apesar dos naturais períodos de pressão turca. Com Gedson e Florentino (em estreia nas competições europeias) a fazer o duo do meio-campo, o Benfica começou dividir as operações com o Galatasaray, sem que nenhuma equipa tivesse claro ascendente de jogo.

Caberia aos homens da casa a primeira (meia) oportunidade da partida, com Vlachodimos a afastar uma bola perigosa dentro da grande área aos 18 minutos e, logo a seguir, Onyekuru a rematar ao lado após cruzamento do lado ocupado pelo também estreante Yuri Ribeiro. O lateral made in Seixal esteve no pior e no melhor do Benfica, ao acusar algumas dificuldades defensivas mas também a somar uma ou outra incursão interessante pelo meio-campo adversário. Numa delas, esteve mesmo na origem do primeiro golo do jogo. Dos seus pés saiu uma bola para a área que acabou no braço de Marcão (a quem havemos de voltar, para seu infortúnio) e depois na marca da grande penalidade. Aí coube ao regressado Salvio a responsabilidade, com o argentino a não acusar a pressão e a a colocar os encarnados em vantagem aos 27 minutos de jogo.

O tento surgiu numa fase de maior ascendente dos turcos, que acusaram a desvantagem e permitiram ao Benfica um controlo mais efetivo da partida, com algumas transições falhadas que podiam ter dado mais perigo. Nesse campo Salvio (apesar do golo) e Cervi foram de menos para as intenções encarnadas que ainda assim não saíram goradas com a vantagem garantida para a segunda parte.

Perdido entre Chaves e Istambul

Os segundos 45 minutos trouxeram um Galatasaray com vontade renovada e a criar mais perigo junto da defensiva encarnada. Belhanda e Feghouli não davam descanso, sobretudo o último, muitas vezes no raio de ação e a incomodar Yuri Ribeiro. Foi por isso sem surpresa que o empate foi restabelecido aos 54 minutos, com Luyindama a saltar sem a devida oposição do muito em jogo Yuri e a dar nova esperança aos adeptos turcos.

Assalto turco que acabou por não se intensificar da forma esperada, até porque uma mudança forçada operada por Bruno Lage pouco antes do golo do Galatasaray acabou por ser benéfica a longo prazo para o jogo encarnado. Salvio lesionou-se, a braçadeira passou para Rúben Dias (capitão em todos os escalões do futebol do Benfica) e para o seu lugar entrou Gabriel, que ajudou a controlar o jogo na fase mais complicada. Com a boa fortuna do golo da vitória ter surgido não muito depois, quando pouco o fazia prever.

Foi dos pés do novo capitão que saiu o lançamento longo para a corrida de Seferovic, que aproveitou nova falha de Marcão para se isolar e rematar sem hipóteses para o fundo das redes aos 64 minutos. Entre Chaves e Istambul, o antigo atleta do Desportivo ainda estava perdido nas marcações e contribuiu para um golpe nas aspirações da sua equipa que acabou por revelar-se decisivo.

Galatasaray que, sem grande convicção, ainda foi à procura pelo menos do golo do empate, que Vlachodimos fez questão de impedir, com uma grande intervenção, aquele que seria o bis de Luyindama aos 85 minutos. Não mais se mexeu o marcador que acabou com uma vantagem de 2-1 para o Benfica e um pé e meio nos oitavos de final da Liga Europa. Com o contributo cada vez mais presente dos Boys from Seixal.