Tribuna Expresso

Perfil

Liga Europa

Dotados tecnicamente e apreciadores de um futebol apoiado: eis os croatas que o Benfica vai defrontar

O Benfica disputa esta quinta-feira, na Croácia, a 1ª mão dos oitavos de final da Liga Europa, frente ao Dinamo de Zagreb (17h55, SIC). O analista Tiago Teixeira explica-nos o que devemos esperar da equipa de Nenad Bjelica, que lidera confortavelmente o campeonato local

Tiago Teixeira (analista de futebol)

JASPER JACOBS

Partilhar

O Dinamo Zagreb de Nenad Bjelica lidera confortavelmente o campeonato croata – 14 pontos de avanço relativamente ao segundo classificado Rijeka –, preparando-se assim para conquistar o seu 13º campeonato nos últimos 14 anos.

Na Liga Europa, depois passarem em primeiro lugar e sem qualquer derrota (4 vitórias e 2 empates) num grupo com Fenerbahçe, Anderlecht e Spartak Trnava, eliminaram o Plzen nos 16 avos de final (derrota por 2-1 na primeira mão e vitória por 3-0 na segunda).

O que pode o Benfica esperar deste Dínamo Zagreb?

O conjunto croata organiza-se preferencialmente no sistema de jogo 4-2-3-1 e tem como ideia de jogo um futebol apoiado, que é executado por jogadores com muita qualidade técnica, como por exemplo o médio ofensivo Dani Olmo, o extremo Mislav Orsic, o médio Nikola Moro e o avançado Petkovic.

Habitualmente, os croatas procuram construir de forma apoiada e utilizam os três corredores para ligar a fase de construção com a de criação.

Pontos fracos

Apesar de ser uma equipa com poucos golos sofridos, o Dinamo Zagreb tem na sua organização defensiva alguns pontos fracos que o Benfica pode explorar.

O controlo de cruzamentos nem sempre é feito da maneira mais correta, uma vez que os três defesas que protegem a baliza (os dois centrais e o defesa lateral do lado contrário ao da bola), se posicionam, por vezes, muito afastados uns dos outros.

As combinações nos corredores laterais, por parte do Benfica, podem causar desequilíbrios na estrutura defensiva do Dinamo Zagreb, uma vez que o espaço entre lateral e central nem sempre está ocupado ou é bem vigiado, o que facilita os movimentos de rutura adversários nessa zona.

As marcações individuais que os jogadores do conjunto croata fazem nas bolas paradas (principalmente nos cantos e livres laterais), podem também ser exploradas pelo Benfica de modo a criar situações de finalização, uma vez que com este tipo de marcação é mais provável que apareçam espaços vazios (pelos movimentos que arrastam jogadores).

Pontos fortes

Os movimentos de aproximação de Petkovic são uma das principais armas ofensivas do Dinamo Zagreb. Quando o avançado croata recua uns metros, permite dois tipos de soluções ofensivas:

1- Receber a bola de costas para a baliza e tocar num médio ou extremo que se encontre de frente para a baliza adversária ou ele próprio enquadrar;

2- Criar espaço na linha defensiva adversária (isto se o central adversário acompanhar o seu movimento) para os movimentos de rutura dos médios ou extremos.

Dínamo Zagreb: Petkovic a recuar

Outro ponto forte do Dinamo Zagreb é as combinações nos corredores laterais, que tanto permitem chegar à linha de fundo para cruzar (os cruzamentos atrasados são muitas vezes utilizados) ou ligar com o corredor central, onde Dani Olmo surge como principal recetor e desequilibrador.

Principal figura

Dani Olmo (20 anos)

Anadolu Agency

O médio ofensivo espanhol – joga nas costas do ponta de lança no 4-2-3-1 - é a principal figura em temos ofensivos do Dinamo Zagreb. Dotado de muita qualidade técnica (exímio no último passe e muito forte em condução), inteligência e criatividade, Dani Olmo é o jogador do conjunto croata mais capaz de criar pelo corredor central, no espaço entre a linha defensiva e a linha média adversária, sendo também um médio que aparece com muita qualidade em zonas de finalização. Esta época já leva seis golos (dois na Liga Europa) e sete assistências (três na Liga Europa) nos 31 jogos realizados.

Outros destaques

Bruno Petkovic (24 anos)

O avançado croata é muito mais do que aparenta à primeira vista. Apesar de ser bastante alto (1.93m), é um avançado que oferece muita qualidade em zonas de criação, uma vez que é evoluído tecnicamente, e bastante inteligente na maneira como se associa com os colegas (percebe muito bem os timings para soltar a bola e servir os movimentos de rutura). Em zonas de finalização dispõe de muitos recursos, sendo um avançado que finaliza bem de cabeça e com os pés. Esta época leva 10 golos (um na Liga Europa) e nove assistências (quatro na Liga Europa) em 26 jogos.

Mislav Orsic (26 anos)

O extremo croata é uma verdadeira dor de cabeça para os defesas adversários. Atua preferencialmente no corredor lateral esquerdo, onde, sendo destro, tem mais facilidade em realizar os movimentos de fora para dentro, ou seja, em direção ao corredor central. Destaca-se pela capacidade de desequilíbrio que oferece ofensivamente – muito forte no 1x1 e em condução – e pela qualidade com que finaliza (muito perigoso nos remates de fora da área). Esta época leva 11 golos (três na Liga Europa) e três assistências (uma na Liga Europa) nos 33 jogos em que participou.

Nikola Moro (20 anos)

O médio croata é um dos jogadores com mais potencial do Dinamo Zagreb e um dos mais talentosos da sua geração. A sua inteligência, critério e qualidade técnica permitem-lhe jogar em todas as posições do meio-campo. Destaca-se ao nível do passe (curto e longo), sendo também um médio muito capaz na condução de bola, no remate e com excelente visão de jogo. Esta época já realizou 13 jogos, tendo feito uma assistência para golo.