Tribuna Expresso

Perfil

Liga Europa

Chelsea e Arsenal vão ter de viajar 4.586 km para se defrontarem: “Não sei o que os tipos que decidem estas coisas tomam ao pequeno-almoço”

Os adeptos ingleses discordam com o local da final da Liga Europa entre Chelsea e Arsenal, no Azerbaijão, a 29 de maio e, particularmente, com o número reduzido de bilhetes que vão receber: apenas seis mil. Mas há mais problemas, como as viagens para Baku, que até motivaram Jürgen Klopp a dizer isto: "Não sei o que os tipos que decidem estas coisas tomam ao pequeno-almoço"

Inês Gastão Alexandre

Alex Grimm

Partilhar

Depois da supremacia inglesa nas competições europeias, os já apurados finalistas da Liga Europa, Arsenal e Chelsea, vão defrontar-se no Estádio Olímpico de Baku, no Azerbaijão, a 29 de maio. No entanto, a maior parte dos adeptos das duas equipas vai ficar por Londres, a ver o jogo pelo ecrã. É que, num estádio com capacidade para 68.700 pessoas, tanto o Arsenal como o Chelsea já disseram que vão ter direito a apenas seis mil bilhetes para os adeptos.

“Discussão com a UEFA para que haja mais ingressos para os adeptos (…). É inevitável que, com uma quantia de apenas 6 mil bilhetes para a final, haja milhares de adeptos apoiantes do clube há anos, e que fizeram parte de nossa jornada pela Liga Europa nesta temporada, que não poderá comparecer a este jogo. Esta é uma situação dececionante”, escreveu o Arsenal no seu site oficial. Do lado do Chelsea, a conversa é semelhante: os blues confirmaram na página do clube que terão os mesmos ingressos... e querem mais.

Comparativamente à final da Liga dos Campeões, entre Tottenham e Liverpool, os adeptos destes dois clubes vão ter direito a 16.613 bilhetes. A partida vai ter como palco o Estádio Wanda Metropolitano. em Madrid, que tem capacidade para 68 mil pessoas, praticamente os mesmos lugares que o Estádio de Baku.

Para além da questão do número reduzido de bilhetes, há outros fatores que estão a deixar os adeptos ingleses furiosos. É que, apesar da final da Liga dos Campeões ser a um sábado, a da Liga Europa vai ser a uma quarta-feira, 29 de maio. Ora, quem quiser ir ver o jogo, terá de tirar uns dias de férias para ir apoiar a equipa.

Além disso, nem sempre há voos diretos, ou sequer todos os dias, entre Londres e a capital do Azerbaijão, Baku. Quem se quiser deslocar de Londres até ao país terá de fazer escala em locais como Istambul, na Turquia, Kiev, na Ucrânia, Riade, na Arábia Saudita, ou até mesmo Bagdade, no Iraque. Mais: é preciso visto para entrar no Azerbaijão, o que, a 19 dias do jogo, se torna um pouco difícil. Os ingleses queixam-se ainda do preço das passagens aéreas, e dos hotéis na cidade, que foram inflacionados devido à final.

O Chelsea disponibilizou um ‘pacote’ especial destinado exclusivamente a sócios, que custa 979 libras – 1113 euros – que tem apenas os voos de ida e volta, no próprio dia. Os adeptos têm de enfrentar uma viagem de cerca de cinco horas e meia e há, ainda, que juntar o preço do bilhete do jogo, que vai desde as 24 às 121 libras, ou seja, dos 30 aos 140 euros.

As criticas de Klopp: "Não sei o que os tipos que decidem estas coisas tomam ao pequeno-almoço"

Até o treinador do Liverpool, Jürgen Klopp, decidiu manifestar-se sobre esta decisão da UEFA: “Ser em Madrid [a final da Liga dos Campeões] deve sair caro, mas pelo menos não é do outro lado do mundo. Ir a Baku para jogar uma final da Liga Europa é engraçado. Não sei o que os tipos que decidem estas coisas tomam ao pequeno-almoço. Baku... Nem sei como se vai para lá, ou se existem sequer voos regulares. Estas decisões têm de ser mais razoáveis. Parece-me uma irresponsabilidade”.

O técnico dos Reds mencionou também a inflação nos preços na cidade nessa altura: “Não sei como é que fazem isso. Devia haver um acordo nessas cidades para um limite nos preços. Ouvi dizer que um quarto que normalmente custa 100 libras está agora a 2700. É de loucos".

Em fevereiro, a UEFA chegou a disponibilizar 37.500 bilhetes para o público geral, isto numa tentativa de se ter mais habitantes locais para o jogo, o que perfaz um total de 58% da capacidade do estádio, com os restantes a serem comercializados pela UEFA ou destinados a convites. A UEFA ainda não se pronunciou relativamente ao escasso número de bilhetes para os adeptos dos clubes finalistas.

Cerca de 13 km é o que separa o Estádio Emirates, do Arsenal, do Estádio de Stamford Bridge, do Chelsea, mas as equipas e os (poucos) adeptos vão ter de fazer uma viagem de cerca de 4.586 km para marcarem presença na final da Liga Europa. Adepto sofre...