Tribuna Expresso

Perfil

Liga Europa

Bem prega mister Sérgio, façam o que ele diz e não o que ele(s) faz(em)

O FC Porto criou inúmeras oportunidades de golo na Holanda mas teve uma exibição desastrosa em termos defensivos, que resultou em dois golos sofridos de forma surpreendente - e numa derrota

Tribuna Expresso

Soccrates Images

Partilhar

O futebol tem destas ironias: depois de, na conferência de imprensa de antevisão do Feyenoord-FC Porto, Sérgio Conceição salientar a importância da organização defensiva - "eu quero que os meus jogadores saibam que há uma baliza para atacar mas que também há uma para defender" -, os portistas acabaram por fazer exatamente o contrário, esta noite, na Holanda.

É verdade que o FC Porto criou mais do que oportunidades suficientes para marcar e até para sair vencedor, mas, lá mais atrás, o descalabro foi evidente, particularmente no segundo golo sofrido, em que estava aberta uma autêntica autoestrada para a baliza de Marchesin.

Não foi uma boa exibição do FC Porto, ainda que os primeiros sinais de perigo tenham sido dos visitantes. Com mais bola, a equipa de Sérgio Conceição deu o alerta com um livre estudado de Telles para Nakajima, mas o médio japonês rematou por cima.

Pouco depois, Alex Telles voltou a servir um companheiro, desta vez Zé Luís, na área, mas a bola voltou a sair por cima da baliza holandesa. Já em cima do intervalo, foi a vez de Pepe cabecear para excelente defesa de Vermeer.

Praticamente com o mesmo onze que defrontou o Rio Ave na 7ª jornada da Liga portuguesa - a única exceção foi Manafá, que entrou para o lugar do lesionado Corona -, o FC Porto, no habitual 4-4-2, ia chegando várias vezes à área adversária, mas acabou por descuidar a própria área.

Já depois de um aviso em que Marcano quase introduzia a bola na própria baliza, o Feyenood chegou mesmo ao golo, já na 2ª parte. Logo aos 49', com muita passividade da linha defensiva portista, particularmente de Manafá e Pepe, Sam Larsson entrou na área e rematou para defesa de Marchesin, mas, na insistência, a bola acaba por ser cruzada para Jens Toornstra, que faz o 1-0.

Em desvantagem, Sérgio Conceição tirou Nakajima e fez entrar Diaz, mas foi o Feyenoord, mais motivado, a estar muito perto do segundo golo, por intermédio de Toornstra, mas Marchesin evitou-o.

Novamente num livre estudado, o FC Porto voltou a criar perigo: Uribe lançou a bola por cima da barreira e Otávio recebeu-a e... atirou à barra. Já com Soares em campo por troca com Zé Luís, nova barra: desta vez foi Diaz a acertar no sítio errado. Antes, também Marega já tinha falhado de forma escandalosa, rematando por cima da baliza, praticamente à entrada da pequena área.

Com várias oportunidades consecutivas, o FC Porto atravessava claramente o melhor momento no jogo, mas nova desatenção defensiva ia dar em golo. Danilo perde a boal para Rick Karsdor e o lateral direito do Feyenoord, praticamente em cima do meio-campo, vai por ali fora, aproveitando uma aberta gigantesca no corredor central - onde ia Pepe? - para rematar para o 2-0.

O FC Porto ainda iria ter nova oportunidade - agora foi Soares a enviar a bola ao ferro -, mas o resultado iria manter-se até final. E Sérgio Conceição já sabe que terá trabalho defensivo pela frente nesta semana de treinos.