Tribuna Expresso

Perfil

Mercado

O guia completo do mercado de inverno: o músculo portista, a gordura benfiquista e o futuro sportinguista

O FC Porto a ganhar músculo, o Benfica a queimar gorduras e o Sporting entre a profundidade e o futuro. Em Braga, seguraram-se pérolas e também se olhou para lá do amanhã. Lá fora, França e Espanha animaram os últimos dias, com Inglaterra mais comedida (com o Tottenham a cumprir um ciclo de um ano inteiro sem contratar), e Alemanha a inspirar-se no futebolista britânico na altura de escolher reforços. Venha daí, voltamos a abrir o mercado só para si

Luís Mateus

Loum foi para o FC Porto; Castillo abandonou o Benfica; Plata chegou ao Sporting

DR

Partilhar

Visto durante a era Sérgio Conceição como tendo um plantel curto, o FC Porto ganhou músculo neste mercado de inverno, deixando as surpresas para o último dia. Loum chegou por empréstimo, com obrigação de compra, do Sp. Braga, deixando o Moreirense, clube que representou na primeira metade da época e que agora assegurou Ibrahima Camará em troca. Kelvin, o miúdo brasileiro que valeu o título vai para seis anos, acabou inscrito nos últimos minutos.

O médio defensivo, para o qual muitos olham como uma cópia a papel químico de Danilo, tinha sido contratado pelos arsenalistas com o aval de Conceição, na altura treinador da equipa principal. Já o avançado que fez ajoelhar Jorge Jesus no Dragão entrará na rotação e acrescentará imprevisibilidade ao ataque.

Sem grande investimento, os portistas, que além do bicampeonato quererão certamente ultrapassar a Roma nos oitavos da Liga dos Campeões e chegar à final da Taça de Portugal, ficam com várias opções por posição, com destaque para o setor defensivo, agora com 10 unidades: se necessário, Militão e Manafá podem alargar o número de laterais direitos para 4, juntando-se a Maxi e João Pedro. De resto, depois da entrada de Pepe há cinco centrais, além de três laterais esquerdos. Também nas alas há agora mais soluções, com Fernando Andrade e Kelvin.

Em sentido contrário, Rui Pedro, Sérgio Oliveira e Chidozie foram cedidos a Varzim, PAOK (Grécia) e Rizespor (Turquia), respetivamente. Bazoer acabou devolvido ao Wolfsburgo, que o enviou para o Utrecht. Já Bueno rescindiu e assinou pelo Boavista. Fernando Fonseca, que esperava sair para rodar, fica-se, para já, pela equipa B.

Magreza na Luz, ou espaço para a formação?

Os jovens Zlobin, Ferro, FLorentino e Jota

Os jovens Zlobin, Ferro, FLorentino e Jota

SLB

O Benfica apostou sobretudo no futuro quando pensou em contratar e decidiu-se por emagrecer bastante um plantel que ainda tem campeonato, Taça e Liga Europa à sua frente.

Vários foram os nomes que chegaram para as formações secundárias: o avançado Vasco Paciência, filho de Domingos (ex-Boavista); o guarda-redes japonês Leo Kokubo (ex-Kashiwa Reysol), o central lituano Vilius Armalas (ex-Stumbras), o médio venezuelano Matías Lacava (ex-Academia Puerto Cabello) e o avançado sérvio Aleksandar Isailovic (ex-Valladolid). A estes juntaram-se o médio Bernardo Martins e o avançado Pedro Henrique (ambos ex-Leixões), que até deixaram um rasto de polémica com o Sporting de Braga.

No que diz respeito à equipa principal, foi precisamente na cidade dos arcebispos que os encarnados tentaram garantir o único reforço, mas António Salvador recusou a proposta por Dyego Sousa.

Sem a Liga dos Campeões, e perante a fraca utilização com Rui Vitória e agora com Bruno Lage, Castillo foi vendido ao América por 7 milhões, Ferreyra e Alfa Semedo emprestados ao Espanhol, tal como Bruno Varela ao Ajax. Lisandro reforçou o Boca Juniors e Mesaque Djú assinou pelo West Ham. Lema estará de saída, aparentemente para o Uruguai. Já Taarabt recusou propostas e por lá continua, sem solução.

Os encarnados dão-se ao luxo de ter jogadores como Raúl Jiménez, Jovic e Ferreyra cedidos, tendo ficado com Seferovic, aquele que menos argumentos técnicos apresenta apesar de registar a melhor época de sempre a nível individual, um Jonas muito instável fisicamente e em final de carreira, e um ainda muito jovem João Félix em crescendo.

A magreza nota-se precisamente num ataque que voltou a ter duas unidades centrais com o 4-4-2. A duração do empréstimo de Ferreyra (época e meia) parece desproporcionado, uma vez que a promoção definitiva de Jota não parece resolver a posição 9, sendo mais um avançado a partir da linha para terrenos interiores

Além Jota, sobem já à primeira equipa Zlobin (guarda-redes), Ferro (central) e Florentino Luís (médio-defensivo), garantindo aparentemente que o emagrecimento não seja extremo.

A profundidade e o futuro em Alvalade

Cristián Borja, novo lateral esquerdo do Sporting

Cristián Borja, novo lateral esquerdo do Sporting

DR

Sem ter aparentemente resolvido a questão dos laterais – Bruno Gaspar e Ristovski continuam na direita, e junta-se apenas o desconhecido Borja a Jefferson e, até ver, a Acuña – o Zenit estará interessado e o mercado russo fica aberto até dia 22 –, o Sporting andou com os pensamentos divididos entre a profundidade e o futuro.

Assinaram Luiz Phellype (ex-P. Ferreira), Idrissa Doumbia (Akhmat Grozny), Tiago Ilori (Reading) e Borja (Toluca) para cumprir essa primeira ideia. Gonzalo Plata (Independiente), Matheus Nunes (Estoril) e Ronaldo Souza (Alverca) vieram de acordo com a segunda perspetiva. Neto (Zenit) está seguro, mas só para a próxima época.

Entretanto, dois centrais deixaram o clube. O internacional turco Demiral foi comprado pelo Alanyaspor, e logo emprestado ao Sassuolo. Tiago Djaló deixou a equipa sub-23 e foi contratado pelo Milan.

Adversários europeus

Se o Benfica se apresenta magro, o Galatasaray, adversário dos encarnados na Liga Europa, assegurou o concurso de vários futebolistas, entre os quais Kostas Mitroglou. O internacional grego, que representou o emblema da Luz de 2015 a 2017, chega por empréstimo do Marselha. Também para o ataque, recrutou Mbaye Diagne, melhor marcador do campeonato (20 golos e 2 assistências em 17 jogos), por 10 milhões, ao Kasimpasa.

Os centrais Marcão (ex- Desp. Chaves, 4 milhões), Christian Luyindama (Standard Liège, empréstimo) e Semih Kaya (Sparta Praga, empréstimo); e o lateral Emre Tasdemir (Bursaspor, custo zero) acrescentam mais soluções à defesa.

Na Roma, rival do FC Porto na Champions, e apesar da humilhação recente frente à Fiorentina na Taça de Itália, pouco há mais a registar além da cedência do lateral-esquerdo Luca Pellegrini ao Cagliari. Já o Villarreal, que enfrenta muitas dificuldades na liga espanhola e terá o Sporting pela frente, apostou tudo em Iborra, pelo qual pagou 10 milhões ao Leicester. O ex-portista Layún foi vendido ao Monterrey, Roberto Soriano e Nicola Sansone emprestados.

O Sp. Braga e os outros

O mercado de inverno foi discreto na Pedreira. O Sp. Braga resistiu ao Benfica por Dyego Sousa, rescindiu contrato com Muric, e Stojiljkovic, Lukic e Rosic foram cedidos. Dois jovens chegaram, entretanto: Pedro Martelo (Deportivo) e Soleri (Roma).

Já o Belenenses perdeu Fredy, um dos melhores da Liga de acordo com o treinador Silas, para o Antalyaspor, tal como o Portimonense deixou sair Nakajima para o Al-Duhail de Rui Faria. O Rio Ave viu-se sem Carlos Vinicius, agora no Monaco.

Novidades ainda em Setúbal com as chegadas do guarda-redes Makaridze e do internacional sub-21 Tiago Castro, e em Vila da Conde, com Rúben Semedo e Filipe Augusto a reforçarem o Rio Ave. O Tondela apresentou João Pedro, antigo jogador do V. Guimarães, enquanto os minhotos pescaram Rochinha no Bessa e emprestaram Francisco Ramos ao Santa Clara.

França e Espanha animados pelos aflitos, e por PSG e Barcelona

O Monaco, novamente treinado por Leonardo Jardim, investiu forte para fugir à despromoção. Os portugueses Adrien Silva (Leicester) e Gelson Martins (Atletico Madrid) chegaram por empréstimo, tal como os franceses Vainqueur (Antalyaspor) e N’Koudou (Tottenham) e o brasileiro Carlos Vinicius (Nápoles, ex-Rio Ave). Foram ainda garantidos em definitivo o espanhol Fàbregas (ex-Chelsea), o gaulês Ballo-Touré (Lille) e o defesa veterano canarinho Naldo (Schalke). Em sentido contrário, os portugueses Gil Dias e Pelé foram cedidos respetivamente a Olympiakos e Nottingham Forest, e o belga Tielemans ocupará a vaga de Adrien nos «Foxes».

Já o Nantes, depois do desaparecimento de Emiliano Sala, optou por três empréstimos, um deles o do defesa luso Edgar Ié. Antonio Mance, chega do Trencin e irá ocupar a vaga do avançado argentino. Eysseric também é reforço, proveniente da Fiorentina.

Entretanto, Lille colmatou a saída de Ballo-Touré com o empréstimo do defesa moçambicano Reinildo, que tem o passe dividido por Belenenses e Benfica.

Não foi um mercado fácil para o PSG, líder destacadíssimo da liga, mas com aspirações europeias. Pagou 40 milhões pelo centrocampista argentino Leandro Paredes – a quarta transferência mais cara do período, tabela liderada por De Jong –, mas terá falhado com Idrissa Gueyé (Everton) e Luciano Acosta (DC United), este visto como substituto de Neymar durante os dois meses e meio de paragem que o craque enfrenta.

Em Espanha, também os aflitos Celta e Rayo atacaram em força. Às ordens de Miguel Cardoso ficam até ao final da época Boudebouz (Betis), Olaza (Boca Juniors), Hoedt (Southampton), e o ponta de lança Gabriel Fernández (Peñarol) em definitivo. Roncaglia saiu para o Valencia, que também garantiu Sobrino (Alavés) e emprestou o português Rúben Vezo (Levante). Batshuayi regressou a Inglaterra, para o Crystal Palace, cedido novamente pelo Chelsea depois de não convencer as bancadas do Mestalla.

Em Vallecas, novos nomes e pouco investimento. Mário Suárez (GZ Hengfeng), Franco di Santo (Schalke), Alejandro Catena (Reus) chegam com o passe na mão, e Uche vem cedido pelo Standard Liège. O 17º lugar preocupa. Já o lanterna-vermelha Huesca vê o venezuelano Juanpi juntar-se a Enric Gallego e Yangel Herrera para uma luta titânica pela permanência.

Com o Real e Atlético Madrid satisfeitos respetivamente com Brahim Diaz (Manchester City) e Morata (Chelsea), e o Sevilha a apostar forte em Munir (Barcelona), Wöber (Ajax) e Marco Rog (Nápoles), o Barcelona continua pensar bem mais à frente, preparando-se para estender a hegemonia internamente. Antecipou Todibo (Toulouse), visto como um «novo Varane», e contratou Emerson para a próxima temporada, podendo vê-lo bem perto, uma vez que o lateral-direito fica emprestado pelo Atletico Mineiro ao Betis, e Frenkie De Jong (Ajax) por 75 milhões à cabeça. Antes já tinha garantido Murillo e Kevin-Prince Boateng por empréstimo.

Além de Emerson, o Betis recebeu também Jesé, antigo avançado do Real Madrid sem espaço no PSG, e apostou no jovem mexicano Diego Lainez.

Higuaín e Denis Suárez, e o exemplo Tottenham

Dois empréstimos e uma transferência agendada marcaram o mercado inglês. O jovem norte-americano Pulisic chegará ao Chelsea na próxima temporada por 64 milhões, e entretanto os «Blues» garantiram para a atual Gonzalo Higuaín, por empréstimo da Juventus. Por sua vez, Lucas Piazón voltou a ser cedido pelos londrinos, que chegam assim aos 42 futebolistas espalhados por outros clubes. Quase duas novas equipas (!).

O Arsenal acordou a cedência de Denis Suárez por parte do Barcelona. Já o médio criativo paraguaio Miguel Almirón, uma das grandes figuras da MLS, chega a troco de 24 milhões ao Newcastle. Curiosamente, a liga norte-americana ficou sem outra das suas referências, o italiano Giovinco, que reforçou o Al-Hilal, até há dias de Jorge Jesus. Nuno Espírito Santo pagou ainda mais de 20 milhões para garantir o lateral-esquerdo Jonny em definitivo para o Wolves.

Aos 38 anos, Peter Crouch deixou o Stoke e regressou à Premier League para o Burnley, com a esperança de mais celebrações robóticas. O Liverpool emprestou Markovic, ex- Benfica e Sporting, ao Fulham.

O Tottenham cumpriu um ciclo de um ano inteiro sem contratar um único jogador. Depois das críticas de Mauricio Pochettino por falta de opções sobretudo de nacionalidade inglesa, o técnico argentino não deverá ter ficado muito satisfeito com novo impasse.

Alemanha a descobrir filão inglês?

A culpa será provavelmente das exibições memoráveis de Jadon Sancho pelo Dortmund, que terão levado ao interesse consumado do RB Leipzig em Smith Dowe (Arsenal), do Schalke em Rabbi Matondo (Manchester City) e do Augsburgo em Reece Oxford (West Ham).

O líder da Bundesliga foi mesmo um dos emblemas mais ativos, sobretudo na colocação de jogadores. O central Balerdi chegou do Boca Juniors a troco de 15 milhões, mas «despachou» Kagawa (Besiktas), Rode (Eintracht), Burnic (Dínamo Dresden), Isak (Willem II) e Toljan (Celtic).

A terceira vez de Cáceres, Cédric a fazer de Cancelo

Uma das surpresas em Itália foi a contratação de Martin Cáceres, pela terceira vez, pela Juventus.

Entretanto, o internacional português Cédric deixou a Premier League e o Southampton, e assinou pelo Inter para tentar fazer esquecer João Cancelo, que agora brilha intensamente em Turim.

O rival Milan gastou mais 70 milhões (35 com cada) com Piatek, o substituto de Higuaín assegurado em Génova, e Lucas Paquetá, médio criativo brasileiro, ex-Flamengo. O investimento já vai em 185 milhões. Sobrou pouco espaço para o croata Alen Halilovic, cedido ao Standard Liège.

Dois regressos de peso ao Brasil

Se Paquetá tem tudo para afirmar-se fora do Brasil, ao campeonato local voltam dois nomes de peso. Paulo Henrique Ganso rescindiu com o Sevilha e assinou pelo Fluminense. Já Vágner Love abandonou o Besiktas e juntou-se ao Corinthians.