Tribuna Expresso

Perfil

Mercado

Gonçalo Paciência troca Eintracht Frankfurt por Schalke 04

O internacional português de 26 anos foi emprestado pelo Eintracht ao Schalke, por uma época

Lusa

Gonçalo Paciência amparado por alguém que o futebol português também conhece relativamente bem

Alex Grimm

Partilhar

O futebolista internacional português Gonçalo Paciência vai atuar na próxima temporada no Schalke 04, por empréstimo de um ano do Eintracht Frankfurt, anunciou esta terça-feira o emblema de Gelsenkirchen no sítio oficial na Internet.

Gonçalo Paciência, de 26 anos, passou as duas últimas épocas na formação de Frankfurt, tendo apontado 15 golos em 61 jogos, em todas as competições.

O Schalke 04 vai contar com o internacional português (dois jogos e um golo pela seleção nacional) durante uma temporada, tendo ficado com opção de compra do jogador. De acordo com a imprensa germânica, o valor ficou estabelecido em 11 milhões de euros.

Formado no FC Porto, Gonçalo Paciência esteve sempre ligado aos 'dragões' até 2017/18, época em que transferiu para o Eintracht Frankfurt. Nesse período, o avançado somou também empréstimos à Académica, Rio Ave, Vitória de Setúbal e Olympiacos.

O Schalke 04 terminou a última edição da 'Bundesliga' na 12.ª posição.

“Não gosto que engenheiros, advogados, padres e surfistas falem de futebol. Também não mando postas sobre surf ou bodyboard”

Em miúdo, perguntavam-lhe na rua se ia marcar tantos golos quanto o pai. Sempre lidou bem com as comparações, mesmo que "um bocado chatas". Cresceu, sempre jogou a avançado e aprendeu como "o futebol acaba por ser a rejeição e trabalhar para a aceitação". Há duas épocas, Gonçalo Paciência foi para o Eintracht Frankfurt, reconheceu que estava uns degraus abaixo dos restantes e que lhe faltava "aquela intensidade, o fazer coisas boas mais vezes". Começou a marcar muitos golos, regressou à seleção nacional e, em entrevista à <strong>Tribuna Expresso</strong>, explica como se devia ter mais paciência com quem é miúdo e avançado, porque "muito dificilmente tens uma estabilidade emocional grande para conviveres com o facto de, todos os dias, teres de marcar golos, em todos os jogos"
  • “Não gosto que engenheiros, advogados, padres e surfistas falem de futebol. Também não mando postas sobre surf ou bodyboard”

    Entrevistas Tribuna

    Em miúdo, perguntavam-lhe na rua se ia marcar tantos golos quanto o pai. Sempre lidou bem com as comparações, mesmo que "um bocado chatas". Cresceu, sempre jogou a avançado e aprendeu como "o futebol acaba por ser a rejeição e trabalhar para a aceitação". Há duas épocas, Gonçalo Paciência foi para o Eintracht Frankfurt, reconheceu que estava uns degraus abaixo dos restantes e que lhe faltava "aquela intensidade, o fazer coisas boas mais vezes". Começou a marcar muitos golos, regressou à seleção nacional e, em entrevista à Tribuna Expresso, explica como se devia ter mais paciência com quem é miúdo e avançado, porque "muito dificilmente tens uma estabilidade emocional grande para conviveres com o facto de, todos os dias, teres de marcar golos, em todos os jogos"