Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Kansas City Chiefs, os reis das cambalhotas, são campeões do Super Bowl. Meio século depois

Pelo terceiro jogo da post season seguido, os Kansas City Chiefs viraram uma desvantagem de 10 pontos ou mais para com uns minutos finais arrasadores baterem os San Francisco 49ers na finalíssima da NFL, por 31-20. É o segundo Super Bowl para a equipa do Missouri, 50 anos depois da vitória no Super Bowl IV. E é o primeiro Super Bowl para aquela que será a próxima grande estrela do futebol americano, o quarterback Patrick Mahomes

Lídia Paralta Gomes

Jamie Squire/Getty

Partilhar

Se há lição que este Super Bowl - a bem dizer, de toda a post season da NFL - nos pode dar é que não há montanha grande o suficiente ou desvantagem aparentemente impossível que os Kansas City Chiefs não possam ultrapassar. Tinham sido duas as cambalhotas que os Chiefs tinham operado para chegar ao jogo decisivo e no Super Bowl, frente aos San Francisco 49ers, aplicaram mais uma para se tornarem campeões da NFL pela 2.ª vez na sua história, 50 anos depois do primeiro triunfo, no longínquo Super Bowl IV.

Depois de terem começado o jogo da ronda divisional a perder por 24-0 frente aos Texans e por 10-0 na final da AFC frente aos Titans, os Chiefs viram-se no 4.º e último período do Super Bowl, que este ano se jogou em Miami, a perder por 20-10. Se até aí o quarterback Patrick Mahomes, que aos 24 anos chegou ao Missouri para se tornar no grande revolucionário do jogo da equipa de Kansas City, estava a ter uma atuação intermitente, com um touchdown mas também com uma custosa intercepção, nos últimos minutos da final mostrou o porquê de ser muito provavelmente, e se não acontecerem azares de maior, a próxima grande estrela da NFL.

JOHN G. MABANGLO/EPA

Depois de mais uma incaracterística intercepção logo no arranque do 4.º período, Mahomes aproveitou o súbito apagamento do quarterback rival, Jimmy Garoppolo, para chamar a si as decisões do Super Bowl, desbloqueando o jogo dos Chiefs com um passe de mais de 40 jardas para Tyreek Hill, num drive que acabou concluído com um touchdown de Travis Kelce a 6 minutos do fim, relançando a final numa altura em que a balança parecia pender mais para o lado da equipa californiana, que havia festejado a segunda intercepção como se de uma vitória se tratasse.

Foi demasiado cedo.

Com os 49ers a desperdiçarem a posse de bola seguinte, três minutos depois novo passe de Mahomes acabou na endzone, nas mãos de Damien Williams, e estava assim feita a reviravolta, mais uma dos Chiefs. O descalabro dos 49ers não terminaria por aí e Damien Williams ainda teria tempo para mais um touchdown que colocaria o resultado final em 31-20.

Aos 24 anos, Mahomes, formado na Universidade de Texas Tech, tornou-se no segundo mais jovem quarterback a liderar uma equipa na vitória do Super Bowl e o mais jovem de sempre a ser considerado o MVP da finalíssima da NFL. Nunca nenhum jogador conseguiu também tão cedo juntar o título no Super Bowl à distinção de MVP da temporada regular, algo que Mahomes conseguiu na época passada, que era apenas a sua segunda na liga. E apesar de não ter feito um jogo perfeito, o seu toque de génio foi mais uma vez decisivo neste Super Bowl, para o qual os San Francisco 49ers partiam até com um ligeiro favoritismo, por serem uma equipa mais equilibrada, com uma das melhores defesas da liga.

A vitória dos Kansas City Chiefs significa ainda que Andy Reid, um dos decanos da NFL, vence finalmente o seu primeiro Super Bowl como treinador principal, aos 61 anos. E já há quem garanta que a dupla Reid/Mahomes não vai ficar por aqui. Virá aí nova dinastia?