Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Modalidades

Tom Brady, o único norte-americano que não foi para a Flórida para se reformar

Os Tampa Bay Buccaneers bateram os Kansas City Chiefs por 31-9 no Super Bowl LV, dando assim a Tom Brady o seu 7.º título na NFL, batendo um recorde que já era seu. Depois de seis anéis conquistados com os New England Patriots, o quarentão Brady baixou até à Flórida e o impacto foi imediato. Com mais este triunfo, Brady tem agora mais títulos no Super Bowl do que qualquer equipa da NFL

Lídia Paralta Gomes

Mike Ehrmann/Getty

Partilhar

É possível que aquilo que ateste a grandeza de um atleta possa ser a quantidade de vezes que este bate os seus próprios recordes. Quando Tom Brady chegou ao seu 10.º Super Bowl, já estava a bater um recorde que era seu. Quando chegou ao Super Bowl com 43 anos, também já estava a ultrapassar um marco que lhe pertencia, depois de chegar ao jogo decisivo aos 41. E quando liderou este domingo os Tampa Bay Buccaneers na vitória por 31-9 frente aos Kansas City Chiefs, deitou a mão ao 7.º título na NFL, ele que já tinha o recorde de seis.

Mas a estatística mais impressionante que sai do jogo deste domingo é esta: Tom Brady tem neste momento mais vitórias no Super Bowl do que qualquer equipa da NFL.

Perante isto, pouco haverá a argumentar: numa temporada em que deixou a sua equipa de sempre para baixar até à Flórida, Tom Brady voltou a escrever uma impressionante página na história do futebol americano, transformando uma equipa interessante, mas sem cultura de vitória, numa máquina que foi sendo oleada durante a época para aparecer afinada quando mais interessa, nos playoffs. E no Super Bowl, que é verdadeiramente o jogo que interessa, é possível que os Buccaneers tenham atingido um qualquer estado de graça, impedindo qualquer reação a Patrick Mahomes e aos Chiefs, campeões em título e que até pareciam chegar ao Super Bowl com algum favoritismo.

Irascíveis na defesa, não permitindo qualquer touchdown a Mahomes, os Buccaneers, a jogar em casa, nem precisaram de um Tom Brady em modo transcendental no ataque, embora não tenha sido exatamente business as usual para o quarterback de Tampa Bay, que terminou jogo com três touchdowns, sem qualquer intercepção e com 201 jardas lançadas.

Patrick Smith/Getty

Pelo caminho, Tom Brady, o único norte-americano que não foi para a Flórida para se reformar, mas sim para continuar a fazer história, ainda reabilitou Rob Gronkowski: as duas visitas à endzone do tight end colocam-no em segundo lugar na lista de jogadores com mais TD em Super Bowls, num total de cinco. Os restantes três também tinham sido marcados com passes de Brady, mas quando os dois ainda eram jogadores dos New England Patriots. Gronkowski que, aliás, deixou a reforma para se juntar a Brady em Tampa Bay, tal como Antonio Brown, também ele agraciado com um passe de Tom Brady este domingo.

Perante 22 mil pessoas, 7500 da quais profissionais de saúde já vacinados, Tom Brady começou, como habitualmente, a meio-gás e nos dois primeiros drives os Bucs foram obrigados a seguir para punt. Mas um touchdown a fechar o primeiro quarto daria o mote para o que seria o resto do jogo. Ajudaram também durante a 1.ª parte as penalidades da defesa dos Chiefs, que os Bucs capitalizaram em pontos. Ao intervalo, já Tom Brady e companhia venciam por 21-6.

Na 2.ª parte continuou o calvário de Patrick Mahomes, que esperava tornar-se este domingo no único jogador com dois títulos aos 25 anos. Só que a linha defensiva dos Bucs foi um quebra-cabeças para o jovem quarterback, que ainda assim está longe de ser o único culpado do desmoronar dos Chiefs: tudo o que poderia correr mal à equipa de Kansas City, correu mal. Mahomes, no seu estilo habitual, sempre que nem enguia no pocket, ainda conseguiu alguns passes impossíveis, mas nos momentos decisivos não teve colaboração dos seus receivers. E pela primeira vez desde que é titular nos Chiefs, ficou a zeros na estatística de touchdowns, terminando ainda o jogo com duas custosas interceções.

Terá tempo Mahomes, ele que é visto como o herdeiro dos recordes de Brady, o quarentão que ainda juntou este domingo mais uma distinção de MVP do Super Bowl, a 4.ª, ao seu currículo. Terá tempo para lá chegar Mahomes, mas enquanto Brady cá andar, e ele não parece com muita vontade de meter os papéis para a reforma, esses recordes serão cada vez mais complicados de superar.