Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Modalidades

Depois do bronze em Tóquio, o ouro em Copenhaga: Fernando Pimenta sagra-se campeão do mundo de K1 1.000 metros

Nos Mundiais de canoagem que se estão a disputar na Dinamarca, o atleta de Ponte de Lima reconquistou o título que tinha vencido em 2018, continuando a realizar um 2021 glorioso, dado que já tinha sido vice-campeão da Europa e 3.º lugar nos Jogos Olímpicos

Lusa e Tribuna Expresso

Scoop Dyga/Getty

Partilhar

Fernando Pimenta é o novo campeão do mundo de K1 1.000 metros, após ter vencido a prova que se disputou nos Mundiais de canoagem em Copenhaga. O canoísta português derrotou o húngaro Balint Kopasz, justamente o atleta que, em agosto, havia ficado à sua frente nos Jogos Olímpicos, arrecadando o ouro em Tóquio. Agora, Pimenta foi o mais forte.

O português realizou a prova em 3.25,82 minutos, superando o campeão olímpico por 67 centésimos. O bielorrusso Aleh Yurenia conquistou o bronze, gastando mais 4,65 segundos do que o português.

DeFodi Images

Este continua, assim, a ser um ano cheio de êxitos para Fernando Pimenta. O atleta de Ponte de Lima, de 32 anos, junta este título mundial à medalha de bronze conquistada nos Jogos Olímpicos e ao vice-campeonato europeu conseguido em junho, na Polónia.

Em Mundiais, em K1 1.000 metros, o canoísta foi campeão do mundo em 2018, em Montemor-o-Velho, segundo classificado em 2017 na República Checa e bronze em 2015 em Itália e 2019 na Hungria. No total das várias distâncias, Fernando Pimenta somou o seu sexto título mundial, num global de 17 medalhas em campeonatos do mundo.

Logo após a vitória, Fernando Pimenta reagiu à conquista, dizendo que se tratou de "uma prova rápida", na qual houve "atletas muito bons, que deram um grande espectáculo". O português assumiu que era "importante terminar este ciclo olímpico com este resultado", voltando a lamentar não ter ficado com o 1.º lugar em Tóquio: "Gostava de também ter vencido a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos, mas agora consegui esta conquista", disse.

Este é o segundo pódio de Portugal nos Mundiais, depois do bronze conquistado na canoagem adaptada, em VL2 200, por Norberto Mourão, que foi igualmente bronze nos Jogos Paralímpicos Tóquio2020.