Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Modalidades

Morreu Tom Morey, inventor do bodyboard: “Com a minha criação conseguia sentir tudo”

Engenheiro, músico e surfista, Tom Morey inventou a primeira prancha para se fazer às ondas deitado, no Havai, em 1971. O pai do bodyboard morreu cerca de dois meses após chegar aos 86 anos e na mesma volta ao sol em que a modalidade celebra o meio século de existência

Diogo Pombo

Robert Lachman/Getty

Partilhar

Nascera na operária cidade de Detroit e cedo se mudara para Laguna, no lado costeiro da Califórnia, onde, entre um curso de matemática ao qual se dedicou ao invés de aperfeiçoar, academicamente, os dotes musicais, aprendeu a surfar na vertical e bípede ascensão da palavra. Tom Morey remava, punha as palmas das mãos na tábua, punha-se de pé e deslizava à boleia de massas de água salgada.

Aos 15 anos apanhou essa primeira onda e, com 18, era um profícuo praticante de longboard. Nas décadas de 50 e 60, enquanto se entretinha com pautas musicais e concertos de jazz, já se dedicava também a produzir pranchas de surf, conta o perfil que a "Surfer Today" lhe dedicou. Ter trabalhado numa fábrica de aeronaves ajudou a limar-lhe a costela experimentadora com materiais.

Mudar-se-ia para o Havai a meio dos sessentas e organizou o primeiro campeonato de surf da história que atribuiu um prize money ao vencedor. Eram 1.500 dólares e aconteceu em 1965. Nesse ano, fundaria também a Morey Surfboards e fixou-se, de vez, no arquipélago perdido no Pacífico. "É o sítio das baterias [drums] e da herança do surf", justificaria, mais tarde.

A 7 de julho de 1971, Tom Morey saiu a correr da garagem de casa. Finalmente executara o que lhe inundava a cabeça, cortara um material mais mole com dimensões mais pequenas, dos pés à cintura, e atravessou a estrada para chegar à praia e atirar-se ao mar. "Numa prancha de surf, não sentes cada nuance da onda, mas, com a minha criação, conseguia sentir tudo. Pensei: 'Ela vira, é duradoura, pode ser feita de forma barata, é leve, é segura. Meu Deus, isto pode mesmo ser algo muito grande", disse.

Tom Morey inventara o bodyboard. E a segunda pessoa a apanhar uma onda com prancha acabada de inventar foi a sua mulher, então grávida de oito meses.

Instagram

O primeiro nome técnico que deu à prancha foi SNAKE, acrónimo para "Side Navel Arm Knee and Elbow", qualquer coisa como "Umbigo Braço Joelho e Cotovelo". Comercialmente, seria um imbróglio enraizar o que fosse com este palavreado, por isso, Tom Morey inspirou-se no jazz que lhe ia no coração — boogie era um género de blues que lhe entrava pelos ouvidos. O termo ficou e dele viria a, e o bodyboard.

No final da década, a empresa vendia já produzia de 80 mil pranchas ao ano, mas, em 1977, Morey vendeu-a. A modalidade explodiria nos anos 80 a partir do Havai, com praticantes a atirarem-se a ondas cada vez mais pesadas e descolando delas manobras aéreas, desafiando a gravidade que, à época, o surf não se atrevia a enfrentar. Mike Stewart, natural do Havai, seria o primeiro ícone e campeão dos campeões do bodyboard, recolhendo nove títulos mundiais.

A saúde de Tom Morey começara a falir nos últimos anos, em paralelo com a sua situação financeira. Em 2018, foi organizada uma angariação de fundos para o ajudar a pagar uma cirurgia aos olhos e arranjar dinheiro para necessidades do dia a dia. O americano chegara aos 86 anos em agosto, na mesma volta ao sol em que o bodyboard celebrava meio século de vida. A criação viverá para manter vivo o seu criador.

Instagram
  • Tristan Roberts, o campeão mundial de bodyboard que ficou preso em Portugal: “Estamos à espera de quem faça um duplo mortal para trás”
    H2O

    Tristan Roberts é o campeão mundial de bodyboard, só que já conquistou esse título em 2019 e só o poderá defender, na melhor das hipóteses, em 2022. O sul-africano, já um pouco aborrecido com a falta de competição, ficará durante quase três anos com esse prémio na cabeça e, na Praia Grande, onde até domingo decorre o Sintra Pro, conversou com a Tribuna Expresso sobre "o trabalho nos bastidores" para o corpo aguentar tantas aterragens de aéreos, a parte mental de estar tanto tempo sem competição e os quase cinco meses que acabou por ficar em Portugal, durante o primeiro confinamento

  • O bicampeão mundial, Pierre-Louis Costes: “O surf fez tudo para deitar abaixo o bodyboard quando percebeu que poderia ser ultrapassado”
    H2O

    Tem 31 anos e já foi duas vezes campeão mundial de bodyboard. Pierre-Louis Costes vive em Portugal há muito, mas nasceu em França e aprendeu a surfar em Marrocos, onde a família tentou seguir com um negócio do avô. Num português com sotaque, falou com a Tribuna Expresso durante o Sintra Pro e deu os seus quinhões sobre os porquês de o bodyboard estar atrás do surf em termos de visibilidade e mediatização, além de acreditar que "a porta está aberta" para que venha, em breve, também a ser uma modalidade olímpica

  • Mike Stewart: “Não interessa o tamanho da onda, basta a água salgada para te sentires melhor. É a única garantia que tenho na vida”
    H2O

    Faltou à própria cerimónia de graduation do liceu, algo que desaconselha a fazerem, para ir à primeira competição em que participou deitado numa prancha. Garante que está em melhor forma hoje, aos 55 anos, do que nessa altura. Chamam a Mike Stewart, nove vezes campeão do mundo, o padrinho do bodyboard, que teve “a sorte” de muito cedo ter começado a trabalhar com Tom Morey, o pai da modalidade, que se levantou da cadeira durante o seu casamento. Há Kelly Slater no surf e há Mike Stewart no bodyboard, a lenda viva que esteve em Viana do Castelo, na etapa do circuito mundial, e explicou à Tribuna Expresso como a animosidade entre as duas modalidades apareceu quando "a perceção de ser cool" começou a ser associada ao surf

  • Joana Schenker, a campeã do mundo: “Agora vou estar mais tranquila, já mostrei a mim mesma que é possível”
    Entrevistas Tribuna

    Ser tetracampeã nacional, depois europeia, e a primeira portuguesa campeã mundial. Quem tiver um mês como Joana Schenker teve ponha o braço no ar. Ela conseguiu a proeza este domingo, na Nazaré, onde chegou nervosa e ansiosa pela pressão do momento de poder garantir o título, e de onde saiu surpresa com ela própria: "Não por achar que não era capaz, mas por não pensar que as coisas se iam compor tão rapidamente"