Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Modalidades

Um 2022 garantido para Pichardo: está qualificado para todas as grandes provas de atletismo

Face aos resultados que teve este ano, o atleta português já garantiu a presença nas principais competições de 2022, incluindo os Mundiais absolutos e de pista coberta e os Europeus. Nélson Évora também poderá já ter a sua presença assegurada

Lusa

Cameron Spencer/Getty

Partilhar

O português Pedro Pichardo, campeão olímpico de triplo salto em Tóquio2020, já está qualificado para as grandes competições de atletismo de 2022, os Campeonatos do Mundo e da Europa absolutos e o Campeonato do Mundo de pista coberta.

Para o Mundial de Oregon, que se disputa de 15 a 24 de julho, recebe um convite por ser o campeão da Liga Diamante, sendo que, para as duas outras competições, tem mínimos por ampla margem e está dispensado de os confirmar em 2021, por ter terminado no top-8 dos Jogos Olímpicos.

Pichardo não será o único português a beneficiar de um wild card internacional — Nelson Évora está em condições regulamentares de competir no Mundial de Eugene (Oregon, Estados Unidos) e no Europeu de Munique (15 a 21 de agosto), recebendo convites por ser o campeão europeu em título no triplo, título conquistado em 2018.

O 2022 dos portugueses

Pela mesma exceção, Inês Henriques também poderá defender o seu título europeu de 35/50 km marcha, se assim o entender, sem necessidade de obtenção de mínimos.

Para a primeira grande competição do ano, os Mundias indoor de Belgrado, de 18 a 20 de março, os três atletas campeões europeus em 2021 já estão qualificados por marca: Auriol Dongmo (peso), Patrícia Mamona (triplo) e Pedro Pichardo (triplo).

A eles se juntam, desde já, Tiago Pereira (triplo), Carlos Nascimento (60 metros), Rosalina Santos e Lorene Bazolo (60 metros), Cátia Azevedo (400 metros) e Francisco Belo (peso).

A lista poderá aumentar até 7 de março, último dia de obtenção de mínimos, e em 9 de março, quando se completarem as listas de atletas para as provas de Belgrado, atendendo ao número alvo a atingir.

O processo é idêntico ao que já foi utilizado para os Jogos Olímpicos, recorrendo-se à posição no 'ranking' mundial para chegar ao número desejado.

Depois, no Mundial de Eugene, Pichardo, Mamona, Dongmo, Lorene Bazolo (em 100 e 200 metros) e Cátia Azevedo repetem o lugar, juntando-se também Marta Pen, nos 1.500 metros, e Liliana Cá, no lançamento do disco.

O apuramento só fecha em 26 de junho, para os mínimos e para as vagas remanescentes, através do ranking.

Há vários casos de atletas que estão muito perto do apuramento, como Tiago Pereira, que está a três centímetros do mínimo de 17,14 no triplo, sendo por outro lado o sétimo do ranking de uma prova em que o alvo são 32 participantes.

Mais facilitado é o acesso ao Europeu, que conta já com o nome de 12 lusos.

Pedro Pichardo, Nelson Évora, Tiago Pereira (triplo), João Vieira (35 km marcha), Lorene Bazolo (100 e 200 metros), Cátia Azevedo (400 metros), Marta Pen (1.500 metros), Patrícia Mamona (triplo), Auriol Dongmo (peso), Liliana Cá e Irina Rodrigues (disco) e Inês Henriques (35 km marcha) são os atletas já qualificados.

A Federação Portuguesa de Atletismo também já divulgou os critérios de seleção para as outras competições internacionais da época, destacando-se o Europeu de corta-mato, já em 12 de dezembro em Dublin, em que a novidade é o não haver provas de seleção.

Haverá, sim, um período de observação de quase um mês (01 a 28 de novembro) e a obrigatoriedade de presença nos Nacionais de corta-mato, em Vale de Cambra (Aveiro), dia 28.

Depois, serão selecionados até seis atletas por escalão e género, para formar equipas sub-20, sub-23, absolutos e ainda uma estafeta mista.