Tribuna Expresso

Perfil

Mourinho

Dois jogadores do Tottenham pegaram-se ao intervalo. Para Mourinho, “houve algumas palavras feias, mas foi lindo de se ver”

O Tottenham ganhou ao Everton por 1-0, José Mourinho chegou à vitória 200 na Premier League, mas a história da noite foi o incidente entre Lloris e Son. O treinador português gostou do que viu, porque gosta de futebolistas com personalidade forte e elaborou: "O capitão achou que o rapaz, que é um bom rapaz, jogador de equipa, não estava a fazer o suficiente"

Tribuna Expresso

Partilhar

O Tottenham bateu o Everton por 1-0, José Mourinho chegou à vitória número 200 na Premier League, quebrando o protocolo da Premier League com um grande abraço ao adversário/amigo Carlo Ancelotti, e cada um destes três episódios seriam por si suficientes para a história do jogo.

Mas houve um outro incidente que os ofuscou: quando o árbitro apitou para o intervalo e os jogadores recolheram ao balneário, o guarda-redes do Tottenham Hugo Lloris apressou-se para confrontar o colega Son e os dois quase chegaram ao confronto físico, não fosse a rápida intervenção de outros futebolistas.

No início da segunda-parte, entraram ambos aos abraços, sob a supervisão de Lucas Moura, e a coisa ficou por ali até ao final do jogo. Foi então que José Mourinho teve de ser confrontado: "O que achei? Foi lindo, e se há alguém a culpar por isto, então sou eu. Porque eu sou bastante crítico com eles e digo-lhes que eles próprios têm de ser críticos com os seus colegas. Peço-lhe que sejam mais exigentes".

Depois, Mourinho elaborou um bocado mais: "Toda a gente gosta do Son, é um excelente rapaz, um jogador de equipa, mas o capitão [Hugo Lloris] achou que o Son tinha de dar mais pelos colegas. Houve algumas palavras feias, não sei se houve empurrões ou não, mas eu fiquei realmente satisfeito porque para uma equipa crescer, tem de exigir mais. Preciso de jogadores com personalidade forte".