Tribuna Expresso

Perfil

França

Muito prazer em conhecer, eu sou o fenómeno Mbappé Nazário dos Campos

A melhor coisa dos Mundiais são as memórias e um quase adolescente francês deu-nos uma para recordarmos este, para sempre, como o dia em que Kylian Mbappé marcou dois golos, desmontou adversários em corrida e foi, literalmente, imparável na vitória (4-3) da França contra a Argentina. A seleção de Lionel Messi, sabe-se lá bem como, foi-se mantendo viva enquanto sofria um atropelamento com fuga de um fenomenal jogador que tem muitas coisas do Fenómeno que conhecemos em tempos

Diogo Pombo, enviado ao Euro 2020

Anthony Dibon

Partilhar

E se o mundo é uma bola, a gente tem que entrar de sola pra ganhar o campo
Eu não me intimido e parto pra cima

Não avisto o brasileiro nascido magro e explosivo, que os fustigados joelhos e um tiroidismo crónico tornam gorducho, com os anos. Não vislumbro, sequer, uma terceira baliza no campo entre os seus espaçados dentes da frente, tão pouco o tufo de cabelo impecavelmente rapado, sobre a testa, cenário extravagante que o tipo inigualável, enquanto futebolista, escolhia para se distanciar, ainda mais, das pessoas comuns.

Ronaldo Luís Nazário de Lima, mais conhecido como Ronaldo, ainda mais reputado como “O Fenómeno” e musicado como tal, não não está em campo, nem tinha idade ou nacionalidade para estar. Mas, se nos deixarmos levar por crenças mais esotéricas e fantabolásticas, umas quantas virtudes que faziam dele fenomenal estão ali a acontecer, à nossa frente, velozes, furiosas e inalcançáveis.

E não é por acaso, quero acreditar, ser em Kylian Mbappé que se veem as arrancadas com a bola em que cada toque serve para se distanciar, mais ainda, de quem o persegue, que há a explosão de movimentos e que se vê tanta força bruta a mostrar-se ao mundo com mudanças de direção tão repentinas, e sucessivas.

Ele é francês, nascido uns meses depois de Ronaldo, em França, se estrear - e maravilhar, fintar, marcar e ser espetacular - no seu primeiro Mundial. Era imberbe, uma ascendente estrela em potência, uma explosão fenomenal de talento com um descarado quê de estou-me nas tintas para quem tenho à frente, quero é jogar, que transformou adversários em simples pinos como Mbappé também mascara os argentinos.

Quando embala com a bola, largado antes da linha do meio campo, faz a gravidade parecer mais pesada nas pernas de Di María, Enzo e Mascherano, fugindo-lhes com a mesma facilidade com que se deteta a aflição desajeitada de Rojo em derrubá-lo na área. Ele inventa a jogada, desencanta a corrida e força o penálti que Griezmann marca, aos 13 minutos.

Mbappé passa todos os minutos e jogadas seguintes a usufruir, velozmente, da esperta e matreira estratégia francesa: esperar atrás, com as linhas juntas, dar de bom grado a bola e posicionar as peças com paciência para os momentos, que certamente viriam, em que os argentinos fizessem porcaria. O matulão Girou deixava-se estar perto de Otamendi, o melhor central, para o fixar e deixar Rojo a lidar com as corridas desenfreadas e técnicas do petit attacant, lançado por Pogba ou Griezmann nas transições para a frente da França.

Um plano formidável, mais do que matreiro e esperto, porque a Argentina deixava a linha defensiva subida no campo e com uma alarvidade de espaço para Mbappé atacar na profundidade. E eu juro que muitas coisas do Fenómeno Ronaldo estavam no corpo deste fenomenal e revivalista adolescente.

Lars Baron - FIFA

A primeira parte é um colecionar de contra-ataques gauleses em que ele corre até rematar, cruzar ou ser parada em falta, no limiar da área, onde Griezmann até rematou um livre à barra. E um acumular de ferrugem no conjunto de indivíduos que começa sem avançados e despida de gente para tabelar e fazer paredes para Lionel Messi, que recebia a bola, olhava e ninguém via à sua frente.

Era um falso nove sem que alguém que se fizesse passar por um verdadeiro nove.

Mas os argentinos, até nem se podia saber bem como, mas sabe-se porque vemos os franceses a defenderem um lançamento lateral que nem infantis, vão vivos para a segunda parte devido um bombástico pontapé de Di María, o canhoto que só marca em oitavos-de-final de Mundiais (neste, e no de há quatro anos). E mais vivaços ficam quando a ressaca de um canto é apanhada por Messi, ele rodopia e vira-se para improvisar um frouxo remate e a bola bate em Mercado para o rocambolesco 1-2.

Não que a justiça, o merecimento e as leis do karma importem no futebol, mas a melhor equipa, com os melhores jogadores, com o mais fenomenal tipo no campo - em que também estava Messi -, via-se, de repente, a perder.

Os franceses andaram um pouco à deriva, abalados pela imprevisibilidade das circunstâncias, cedidos à maneira desordeira de a Argentina estar em campo. Até que um cruzamento quase desesperado de Lucas Hernández atravessar a área para Pavard, um miúdo central adaptado a lateral, cortar a bola com o pé direito e fazê-la ir, em crescendo para o ângulo da baliza. O resultado ganhava fidelidade ao jogo, de forma espetacular.

E aí o jogo voltou a ser de Mbappé. O miúdo genial que captou um passe na área, ludibriou o cerco de três adversários até uma nesga de relva lhe bastar para marcar. O fenomenal cavalo elegante de corrida que esteve no fim de uma jogadas que é o porquê de gostarmos deste jogo, começada em Lloris e explicada em quatro passes até Giroud lançar a próxima grande coisa do futebol.

Os 20 minutos que restavam foram uma diligência para os franceses demonstrarem o poderio, a organização e a calma coletiva que os argentinos nunca tiveram nesta competição. Pogba, finalmente, deixou de jogar à bola para executar futebol. Kanté encurralava Messi tanto quanto é humanamente possível. Mbappé assustava transeuntes só por correr. Griezmann dava a classe com a bola a tudo quanto era jogada. E Messi aparecia, apenas, nos descontos, para picar um passe na corrida do infrutífero 3-4 cabeceado por Agüero.

O jogo foi, como só podia ser, de Kylian Mbappé, o futebolista em quem alguns pedaços da alma do Ronaldo Fenómeno encarnaram, enquanto ambos vivem. E caso ele prossiga esta sua demanda fenomenal de ser tão superior a quem o tente limitar dentro do campo, este Mundial também se arrisca a ser da estrela imberbe que fez a eliminação precoce de Lionel Messi parecer coisa menor.

De Kylian Mbappé, o fenómeno Mbappé que me obriga a voltar ao início e sugerir que se faça uma outra versão desta canção:

Muito prazer em conhecer
Eu sou Fenômeno
Mbappé Nazário dos Campos

  • Em direto: França 4-3 Argentina (fim)
    Mundial 2018

    O primeiro jogo dos oitavos-de-final do Mundial joga-se entre os gauleses liderados pelo talento de Griezmann e Mbappé, contra os argentinos que, hoje, têm Lionel Messi a jogar como avançado (ou falso nove). Acompanhe aqui o jogo ao minuto