Tribuna Expresso

Perfil

NBA

Morreu o génio Kobe Bryant

O ex-jogador norte-americano foi uma das vítimas de um acidente de helicóptero este domingo, na Califórnia. Kobe, 41 anos, viajava com mais oito pessoas, uma delas a sua filha Gianna, de 13 anos

Tribuna Expresso

Harry How/Getty

Partilhar

Kobe Bryant, antiga estrela da NBA, quarto melhor marcador da história da competição, cinco vezes campeão, duplo campeão olímpico, herdeiro natural de Michael Jordan, morreu este domingo, vítima de um acidente de aviação.

A morte, que está a ser amplamente difundida nos meios de comunicação dos EUA, já confirmada pela ESPN e pelo LA Times, terá sucedido num acidente de helicóptero em Calabasas, nos subúrbios de Los Angeles, pelas 10h da manhã locais, numa zona de muito nevoeiro. Outras oito pessoas iam no helicóptero, uma delas a filha Gianna, de 13 anos. De acordo com o jornalista Adrian Wojnarowski, um dos maiores especialistas da ESPN em NBA, Kobe deslocava-se precisamente para um jogo da sua filha e no helicóptero seguiam ainda uma colega de equipa de Gianna e um dos pais.

Kobe Bryant tinha 41 anos e quatro filhas, Natalia, Gianna, que também ia no helicóptero, Bianca e Capri, a mais nova de apenas 7 meses.

Uma carreira de recordes

O base foi um dos mais impactantes jogadores da história da NBA e a sua lenda começou desde logo no ensino secundário, de onde saltou diretamente para o basquetebol profissional, inscrevendo-se no draft da NBA de 1996.

Escolhido no lugar 13 pelos Charlotte Hornets, Kobe, na altura com apenas 17 anos, foi trocado para os Lakers, depois de impressionar os responsáveis da equipa de Los Angeles nos testes pré-draft.

Depois de uma primeira temporada algo discreta, paulatinamente Kobe veio a confirmar tudo aquilo que dele se falava quando ainda era um miúdo: a capacidade anotadora, o carisma, a personalidade e mentalidade de campeão.

Com a chegada de Shaquille O'Neal e do treinador Phil Jackson ao Staples Centre, os Lakers tornaram-se uma força imparável na NBA, vencendo três títulos seguidos entre 2000 e 2002.

Depois da saída de O'Neal, com quem Kobe tinha química dentro de campo mas não particularmente fora dele, os Lakers passaram uma travessia no deserto em termos de títulos, ainda que Kobe tenha feito alguns dos seus melhores números em meados da década de 2000.

Em janeiro de 2006 marcou 81 pontos num encontro com os Toronto Raptors, ainda hoje a segunda melhor marca da história da NBA, apenas atrás dos 100 pontos de Wilt Chamberlain em 1962. Seria considerado MVP da liga em 2008.

Com a chegada de Pau Gasol aos Lakers em 2008, Bryant voltou a ter uma equipa capaz de regressar aos títulos: assim aconteceu em 2009 e 2010, com Bryant a ser considerado MVP nas duas finais.

Os últimos anos foram marcados por problemas físicos nos joelhos e uma lesão grave no tendão de Aquiles. Em 2016 fez o seu último jogo, marcando 60 pontos frente aos Utah Jazz, retirando-se na altura como o terceiro jogador com mais pontos na história da NBA - foi esta semana ultrapassado por LeBron James.

Depois de deixar a NBA, Kobe Bryant continuou a ser presença assídua nos jogos dos Lakers e dedicou-se também ao cinema: em 2018 venceu um Óscar pela animação "Dear Basketball", que colocou no ecrã a carta que Bryant escreveu no dia em que anunciou a sua retirada.