Tribuna Expresso

Perfil

NBA

Rudy Gobert redime-se dos erros com uma doação de 500 mil dólares. E não é o único a ajudar

Jogador francês, diagnosticado com a covid-19 e que inicialmente gozou com as precauções a tomar com o vírus, vai ajudar os trabalhadores do pavilhão dos Utah Jazz, que ficaram sem redimentos depois da suspensão da temporada da NBA. Kevin Love, o primeiro a tomar a iniciativa, Giannis Antetokoumpo, Zion Williamson e Blake Griffin são outros dos atletas que estão a ajudar os trabalhadores das suas equipas

Lídia Paralta Gomes

Abbie Parr/Getty

Partilhar

Rudy Gobert, o gigante francês que é um dos melhores defensores da NBA, cometeu um erro. Como tantos de nós, Gobert não acreditava que a Covid-19 fosse assim tão perigosa. Mas terá ido um pouco mais longe que outros céticos: no final de conferência de imprensa já vista e revista, o gaulês fez questão de mexer e remexer em todos os microfones e gravadores dos jornalistas, comportamento que terá repetido no balneário dos Utah Jazz com objetos de colegas de equipa.

A punição chegou rapidamente: Gobert foi o primeiro caso confirmado de covid-19 na NBA e entretanto já outros casos foram conhecidos.

Dias depois, Gobert pediu desculpa e revelou sentir-se "envergonhado" pelo seu comportamento. "Na altura não tinha ideia de que estava infectado. Fui descuidado e não vou arranjar desculpas", escreveu ainda nas suas redes sociais.

Agora, Gobert foi além das palavras e com atos redimiu-se um pouco do seu comportamento, ao fazer uma doação de 500 mil dólares (cerca de 450 mil euros). Uma parte será entregue aos trabalhadores da Vivian Smart Home Arena, a casa dos Utah Jazz. Outra parte será para doar a famílias afetadas pelo novo coronavírus.

Estrelas dão a mão aos trabalhadores afectados

Boa parte da mão de obra que trabalha nos pavilhões da NBA fá-lo à hora e por jogo, pelo que a suspensão da temporada, que se seguiu ao positivo de Gobert, deixou muitos trabalhadores sem esse rendimento. Sem jogos, não há salários.

E num país como os Estados Unidos, em que os apoios sociais para este tipo de situações são escassos, têm sido alguns jogadores a fazer esse papel.

O primeiro passo foi dado por Kevin Love, dos Cleveland Cavaliers, que doou 100 mil dólares (cerca de 90 mil euros), para ajudar no pagamento dos salários do pavilhão da equipa do Ohio. A própria equipa acabou por anunciar um plano de compensação para os funcionários.

Outros acabaram por seguir Kevin Love. Giannis Antetokoumpo, atual MVP da liga e estrela dos Milwaukee Bucks, doou também 100 mil dólares para os funcionários do pavilhão da sua equipa, tal como Blake Griffin, dos Detroit Pistons. O rookie Zion Williamson anunciou que vai pagar os salários "de todos os trabalhadores da Smoothie King Arena [casa dos New Orleans Pelicans] nos próximos 30 dias".

Já os Golden State Warriors fizeram uma doação em conjunto, entre proprietários, jogadores e treinadores, no valor de 1 milhão de dólares (cerca de 900 mil euros), para os cerca de mil funcionários da Chase Arena de São Francisco.