Tribuna Expresso

Perfil

NBA

Entrada de Kobe Bryant no Hall of Fame foi adiada

A cerimónia, que estava prevista para agosto, vai ser adiada devido à pandemia de covid-19, pelo que Kobe Bryant só entrará no Hall of Fame em 2021

lusa

USA Today Sports

Partilhar

A entrada a título póstumo de Kobe Bryant no 'Hall of Fame' da NBA (Liga norte-americana de basquetebol) vai ocorrer em 2021, uma vez que a cerimónia prevista para agosto vai ser adiada devido à pandemia de covid-19.

O antigo basquetebolista, que morreu em janeiro num acidente de helicóptero, iria entrar este ano no 'Hall of Fame', numa cerimónia que estava prevista para o dia 29 de agosto."Vamos cancelar, sem dúvida.

A cerimónia terá de ocorrer no primeiro trimestre do próximo ano", afirmou Jerry Colangelo, presidente do conselho de administração do 'Hall of Fame', acrescentando que nas próximas semanas será decidida a data em que se irá realizar.

Kobe Bryant estava entre os nove nomes da classe de 2020 que iria entrar no 'Hall of Fame', juntamente com Tim Duncan, cinco vezes campeão da NBA com os San Antonio Spurs, e Kevin Garnett, campeão em 2008 ao serviço dos Boston Celtics.

O norte-americano Kobe Bryant, considerado um dos maiores jogadores de sempre da NBA, morreu em 26 de janeiro, aos 41 anos, na sequência de um acidente de helicóptero em Calabasas, que vitimou outras oito pessoas, entre elas a sua filha Gianna, de 13 anos.

Conhecido como 'Black Mamba' (cobra mamba negra), chegou à NBA aos 17 anos e jogou durante 20 anos nos Los Angeles Lakers, tendo conquistado cinco títulos da NBA e duas medalhas de ouro olímpicas (Pequim2008 e Londres2012).

É um dos sete basquetebolistas que ultrapassaram a marca dos 30.000 pontos na carreira.

Carlos Barroca: "Fui ao balneário dos Bulls. Estavam lá 50 jornalistas, todos em cima do Michael Jordan, só via a careca dele a brilhar"

Ainda enquanto comentador televisivo, Carlos Barroca narrou as três despedidas de Michael Jordan do basquetebol. Hoje vice-presidente das operações da NBA na Ásia, está agora em Portugal, a trabalhar com fusos horários de Nova Iorque e Xangai, mas arranjou tempo para assistir à série documental "The Last Dance", que conta a carreira e a última época do ex-jogador com os Chicago Bulls, cujos últimos episódios estrearam esta semana. O português achou-a "fabulosa", explicou os porquês à <strong>Tribuna Expresso</strong> e resumiu a admiração que tem pela "excelência" de Michael Jordan: "Numa altura em que não havia redes sociais, se alguém vendeu a NBA para o mundo inteiro, foi claramente ele"