Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
NBA

Do Vale da Amoreira para a NBA? Vem aí o Draft e a possível chegada de Neemias Queta à liga norte-americana

A primeira escolha parece certa, a segunda e a terceira ainda causam discórdia e Neemias Queta será, ao que tudo indica, escolhido na segunda ronda. Caso este cenário se confirme, Neemias esteve sempre certo quando disse que iria chegar à NBA. E ainda consegue fazer história por Portugal pelo caminho

Rita Meireles

David Becker

Partilhar

O Euro 2020 e os Jogos Olímpicos de Tóquio são os maiores eventos desportivos deste verão, mas há um outro a decorrer esta semana que tem o potencial de se tornar um dos mais importantes da história do basquetebol português.

Na madrugada de quinta-feira, dia 29, para sexta-feira, 30, a NBA realiza o draft de 2021, um evento onde as equipas da principal liga norte-americana de basquetebol masculino escolhem os próximos integrantes das suas equipas, entre um grupo de jogadores provenientes do campeonato universitário e jogadores internacionais que se declararam como elegíveis.

Ao todo, são escolhidos 60 jogadores e a ordem pela qual as equipas fazem as suas escolhas já foi previamente definida. O top 3 ficará com os Detroit Pistons, Houston Rockets e Cleveland Cavaliers, respetivamente. Durante o evento ou posteriormente, por norma são realizadas trocas entre os clubes, principalmente no que toca aos jogadores escolhidos na segunda metade.

Entre esse grupo de 60 jogadores está Neemias Queta, com a possibilidade de escrever uma nova página na história do basquetebol em Portugal, caso se torne o primeiro português a chegar à NBA.

Depois de ser uma das surpresas do Draft Combine, evento onde os clubes avaliam os jogadores elegíveis que passam por uma série de entrevistas, jogos de cinco contra cinco, exercícios, medições e exames médicos, Neemias viu as suas chances melhorarem. Chad Ford, fundador da newsletter e podcast "Chad Ford's NBA Big Board", chegou mesmo a considerar que o jogador “tem hipóteses na primeira ronda”.

A verdade é que depois disso foram vários os clubes que o convidaram para alguns treinos antes do draft. Segundo avançou o jornalista Ricardo Brito Reis, na sua conta do Twitter, as equipas interessadas foram os Milwaukee Bucks, Phoenix Suns, New York Knicks, Toronto Raptors, Sacramento Kings, Philadelphia 76ers, Charlotte Hornets, Los Angeles Lakers e Oklahoma City Thunder.

Recorde-se que, até ao combine, foram os Raptors e os Knicks os principais clubes apontados como os mais prováveis para escolherem Neemias.

No total, estes nove clubes têm 23 escolhas no draft deste ano. Os Bucks, Suns e Lakers têm apenas uma cada um. São as escolhas número 31, 29 e 22, respetivamente. Seguem-se os Kings (9, 39) e os 76ers (28, 50) com duas, Raptors (4, 46, 47) e Hornets (11, 56, 57) com três, Knicks (19, 21, 32, 58) com quatro e os Thunder (6, 16, 18, 34, 36, 55) com seis.

Ao website "Lakers Nation", depois do treino com a equipa de Los Angeles, Neemias mostrou-se confiante: “Antes de mais, o treino correu bastante bem. Sinto que fiz tudo o que me pediram para fazer, fiz a minha parte”.

Quando questionado sobre o feedback que tem recebido nos treinos, aos meios de comunicação dos Hornets, Neemias garantiu que é algo benéfico: “Aproveito todas as opiniões que as pessoas têm sobre mim, sobre o meu jogo e aquilo em que preciso de trabalhar; depois disso, vou para o ginásio e trabalho”.

Além destes indicadores, há ainda os Mock Draft lançados por diversos jornalistas e analistas especializados na modalidade.

A boa notícia é que Neemias continua a ser presença assídua nessas escolhas, até mesmo naqueles onde antes não era opção. Como é o caso das escolhas de Jonathan Givony, analista da "ESPN". O português aparece agora como último selecionado, pelos Indiana Pacers.

No geral, com base nessas previsões, a tendência continua a ser para que Neemias seja escolhido na segunda ronda. Como, aliás, já tinham avançado à Tribuna Expresso John Hollinger, colunista no The Athletic, e Bryan Kalbrosky, jornalista nos websites HoopsHype e For The Win.

Turma de 2021

Entre muito talento e 60 escolhas possíveis, há um jogador que reúne consenso nos Estados Unidos: Cade Cunningham, que representou os Oklahoma State Cowboys no campeonato universitário, é apontado como a primeira escolha da ‘Class of 2021’.

Andy Lyons

O jogador pode estar já com um pé nos Pistons, com quem já se reuniu em Detroit. Mas existe sempre a possibilidade de os clubes efetuarem trocas e outra equipa acabar com a primeira escolha, como pode acontecer entre as duas primeiras equipas, uma vez que Jalen Green, apontado por muitos como a segunda escolha do draft, também treinou na casa dos Pistons.

Ainda assim, especialistas como Chad Ford, Jonathan Givony ou Kevin O’Connor, do website "The Ringer", colocam Cade Cunningham em Detroit e Jalen Green ao serviço dos Rockets.

Mas, ao contrário da primeira, as segunda e terceira posições não reúnem consenso. Bryan Kalbrosky, por exemplo, coloca Evan Mobley nos Rockets e Green a caminho de Cleveland, como terceira escolha. Ao que tudo indica o “pódio” será preenchido pelos três jogadores, mas a ordem só será certa na noite do draft.

David Becker/Getty

Quando se mudou para os EUA, Neemias foi jogar no campeonato universitário ao serviço dos Utah State Aggies, onde foi treinado por Eric Peterson, treinador-adjunto da equipa. “O seu tamanho, habilidade, QI e presença na defesa são as principais razões que levam as equipas da NBA a acompanhar o seu desenvolvimento”, afirmou em entrevista à Tribuna Expresso, no final de 2020. E garantiu: “Se ele se mantiver saudável este ano, o céu é o limite”.

Do Vale da Amoreira até à noite do Draft da NBA 2021, no Barclays Center em Brooklyn, na madrugada desta quinta para sexta-feira, o céu é o limite para o jogador português.