Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
NBA

Sacramento Kings: que equipa é esta e o que podemos esperar do "extraordinário defensor" Neemias Queta?

Barreirense, Benfica, Utah State e Sacramento Kings. Encaixam como as peças de um puzzle, mas exigiram muito trabalho a Neemias Queta. Já na NBA, espera-se que o português seja uma peça chave na defesa dos Kings, que procuram regressar aos tempos de glória do final dos anos 90 e década de 2000

Rita Meireles e Hugo Tavares da Silva

Ethan Miller

Partilhar

Em português diz-se “com a 39.ª escolha no draft da NBA 2021, os Sacramento Kings escolhem Neemias Queta, do Barreiro, Portugal, e da Universidade do Estado de Utah”. Que é como quem fiz: dia histórico para Portugal, um jogador português chegou, pela primeira vez, à NBA.

Neemias Queta já sabia e nunca escondeu a confiança que tinha no seu trabalho. Em entrevista à Tribuna Expresso, no final do ano passado, chegou a afirmar que “mais cedo ou mais tarde irá acontecer [a chegada à NBA]”. E assim foi.

O que ninguém esperava é que estivesse tudo tão alinhado. A noite de 30 de julho fica marcada por aquela em que o primeiro jogador português chegou à NBA, mas é também a noite em que a história se repetiu. Em 1998, Ticha Penicheiro tornou-se a primeira jogadora portuguesa a chegar à WNBA. De Portugal, Ticha aterrou em Sacramento, na capital do estado norte-americano da Califórnia, para representar as Sacramento Monarchs. Em 2021, do lado masculino, Neemias faz agora o mesmo caminho. Desta feita para o Golden 1 Center, casa dos Sacramento Kings.

O percurso de Neemias começou no país de origem. Passou primeiro pelo Barreirense e em seguida pelo Benfica. A insistência dos treinadores norte-americanos, que já conheciam o basquetebol português através de Diogo Brito, outro jogador da equipa, levaram Neemias a fazer as malas e atravessar o Atlântico até Utah.

Durante os três anos que jogou em Logan, Utah, Neemias e a restante equipa conseguiram sempre o apuramento para a “March Madness”, fase final do campeonato da National Collegiate Athletic Association (NCAA), mas, devido à pandemia causada pela covid-19, a equipa só foi a jogo por duas vezes.

David Becker/Getty

A nível individual deixou a sua marca na universidade e na conferência Mountain West, à qual pertence a região. Foi eleito rookie do ano, em 2019, e melhor jogador defensivo da temporada na conferência Mountain West em 2019 e 2021. Além disso, é o detentor do recorde de bloqueios (219), registo que alcançou ao longo dos três anos.

Segundo se lê no comunicado de imprensa do clube de Sacramento, Neemias chega à equipa com o objetivo de levar a sua “proeza defensiva” para os Kings. Essa presença na defesa é, segundo o antigo treinador Eric Peterson, uma das principais razões que levou as equipas da NBA a acompanharem o seu desenvolvimento.

Os Kings já foram os “Royals” e foi nessa altura que, em 1951, conseguiram vencer o campeonato da NBA. Bob Davies, Bobby Wanzer e Arnie Risen eram as estrelas da equipa, que acabou por derrotar os New York Knicks. Depois disso, já como “Kings”, a equipa, que compete na Conferência Oeste, voltou a ter momentos de glória apenas no final dos anos 90. Entre 1998 e 2006, o grupo chegou aos play-offs todas as temporadas, a série mais longa da sua história, e venceram por cinco vezes.

Os Kings terminaram a temporada 2020/21 na 12.ª posição. Ao longo de 72 jogos, a equipa registou 31 vitórias e 41 derrotas. Neemias vai jogar ao lado de nomes como De'Aaron Fox, Harrison Barnes ou Buddy Hield.

Instagram

"É um contexto muito bom em Sacramento"

Para Ricardo Brito Reis, comentador de basquetebol na SportTV, os Kings estão numa fase inicial do "processo de reconstrução", mas há já várias peças interessantes para as posições de base e extremo. Há outra boa notícia para o basquetebolista português.

"Na posição de poste, a posição de Neemias, acaba por ser uma equipa que tem um défice muito grande de jogadores altos. Os três postes da equipa deverão sair. Pode haver uma oportunidade para o Neemias entrar numa equipa que é jovem. Mesmo que recrutem um ou dois postes na free agency, há uma séria possibilidade de o Neemias ter minutos já nesta época de estreia na NBA, era uma coisa que ia depender muito de onde caísse. E de ter minutos com alguma tolerância para erros. Sendo uma equipa jovem, há mais tolerância para erros do que se caísse numa equipa que é candidata ao título. É um contexto muito bom em Sacramento", explica.

O ex-basquetebolista Kendrick Perkins, um dos comentadores da segunda ronda do draft, era da mesma opinião e confessou até que não o surpreenderia se, até ao final da temporada, Neemias assumisse um papel de protagonista e já fosse titular: “Para mim, ele é assim tão bom”.

Brito Reis, que acompanhou o draft para a televisão e que apostou numa direta gloriosa, considera Queta "um extraordinário defensor". Mais: "Havia quem o considerasse o melhor poste defensor deste draft, melhor até que o Evan Mobley, que foi escolhido na terceira posição do draft". O comentador destaca o perfil defensivo do atleta, mas garante que Neemias tem qualidades para atacar.

"Por exemplo, em Utah State, ele era a principal referência da equipa, acabou por ter muito mais a bola na mão e ser forçado a tomar decisões. Isso fez com que ele acabasse por desenvolver e refinasse cada vez mais a técnica de passe e a tomada de decisão. Normalmente os postes não têm isso, pelo menos numa idade tão jovem", vai descascando Brito Reis.

Por outro lado, terá necessariamente de trabalhar dois momentos do jogo: o lançamento de longa distância e o deslocamento lateral defensivo. "Na NBA, hoje em dia onde a versatilidade é a chave para ter sucesso, no meio-campo defensivo exige-se aos jogadores grandes que sejam versáteis quando são obrigados a trocar defensivamente com jogadores mais pequenos". Ou seja, que "aguentem a defender adversários pequenos, os bases das outras equipas, longe do cesto".

Noite histórica

Os Sacramento Kings foram uma das equipas que convidou Neemias para realizar treinos no seu pavilhão antes do draft. Em declarações à Sport TV na noite desta sexta-feira, Neemias contou que, entre todos os treinos que realizou a convite de clubes, esse foi um dos melhores.

“Senti que foi um bom treino, um dos melhores que tinha feito, e o feedback que recebi mostrou-me que precisavam de um jogador com as minhas características. A partir daí era só esperar e ver se se concretizava”, disse.

O draft deste ano voltou ao seu formato habitual, após um ano em que a pandemia obrigou ao recurso ao virtual. Desta vez foram convidados 20 jogadores, entre os quais Cade Cunningham, a primeira escolha que coube aos Detroit Pistons. Jalen Green e Evan Mobley também estavam entre os convidados e, depois das dúvidas em relação a qual dos dois seria escolhido primeiro, a decisão acabou por ser: Green como segunda escolha para os Houston Rockets e em terceiro Mobley, que vai para os Cleveland Cavaliers.

Neemias assistiu a tudo a partir das instalações da sua agência, em Los Angeles, ao lado da mãe, Mica Queta. No final não escondeu o entusiasmo: “Estou muito contente, foi lindo. Esperava por isto há muito e finalmente chegou o dia”, disse à Sport TV.

Ricardo Brito Reis ainda vai tentando compreender o que isto poderá representar para este desporto em Portugal. "Nem consigo perceber bem o alcance disto. Há de significar uma oportunidade única para federação, associações e clubes portugueses, para fazerem deste momento um momento de promoção da modalidade. É uma oportunidade de ouro."