Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
NBA

Nova época, o mesmo Chris Paul: depois da primeira final da carreira, chega a uma marca histórica de pontos e assistências

Esta temporada, o base dos Suns tornou-se no primeiro jogador a atingir a marca dos 20 mil pontos e 10 mil assistências. E agora, frente aos New Orleans Pelicans, chegou às 10,346 assistências, colocando-se em terceiro lugar na lista dos melhores de sempre nesta estatística

Rita Meireles

Christian Petersen/Getty

Partilhar

A época 2020/21 foi boa para Chris Paul, ou não fosse essa a época em que o jogador, ao serviço dos Phoenix Suns, chegou pela primeira vez na carreira à final da NBA. Mas a derrota na final frente aos Milwaukee Bucks fez com que não chegasse a ser perfeita. Ainda assim, esse 'percalço' pelo caminho não atrapalhou o veterano, que regressou de férias pronto para bater qualquer recorde.

Ou pelo menos é o que parece.

Começou logo no jogo frente aos Los Angeles Lakers, que os Suns venceram por 115-105, quando Paul se tornou o primeiro jogador a atingir a marca dos 20 mil pontos e 10 mil assistências. Nesse jogo contribuiu com 23 pontos e 14 assistências.

Paul juntou-se a um grupo de jogadores que conseguiu ultrapassar essa marca de assistências, constituído por Jason Kidd, John Stockton, Magic Johnson, Mark Jackson e Steve Nash, mas destacou-se porque nenhum destes nomes conseguiu chegar à marca dos pontos.

Se já foi bom? Foi, mas Chris Paul conseguiu ainda melhor no último jogo dos Suns, frente aos New Orleans Pelicans.

Faltavam 1.34 minutos para o final do segundo quarto quando o jogador carimbou a assistência número 10.336, o que o coloca na frente de Steve Nash, antiga lenda dos Suns e atual treinador dos Brooklyn Nets, em terceiro lugar na lista de jogadores com mais assistências.

Com 10,346 assistências, Paul tem apenas John Stockton (15,806) e Jason Kidd (12,091) pela frente.

Christian Petersen

"Estou grato e agradeço a Deus por esta oportunidade", afirmou Paul aos jornalistas após o jogo frente aos Pelicans. "Estou sempre a dizê-lo, não só por estar numa equipa e ainda estar na liga, mas por ainda estar a jogar. Não se toma isso como garantido".

Quando questionado sobre a possibilidade de chegar ao primeiro lugar da lista, o jogador de 36 anos considerou ser pouco provável, ainda que esse tivesse sido o seu objetivo quando chegou à liga.

Também Devin Booker foi questionado sobre as conquistas do colega de equipas e confessou que no balneário olham para isso “como se fosse normal”, não escondendo a felicidade que sente por ter a oportunidade de fazer parte da história escrita por Paul.

Já Steve Nash, que ficou para trás no livro de recordes, reagiu com um “damn it!” em tom de brincadeira. Para o treinador, a conquista de Paul é merecida e garante que “tem sido incrível ver a sua carreira”.

Os Suns entraram em campo seis vezes desde o início da época, sendo que venceram três jogos e perderam os outros três. O próximo jogo está marcado para a madrugada da próxima sexta-feira, às 2h, e será contra os Houston Rockets.