Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
NBA

A NBA está a investigar Robert Sarver, proprietário dos Phoenix Suns, acusado de racismo e misoginia

Foram mais de 70 pessoas entrevistadas e as conclusões não foram as melhores. O comportamento de Robert Sarver será agora investigado pela NBA. Enquanto isso a equipa continua com apenas um foco: o jogo

Rita Meireles

Harry How/Getty

Partilhar

Os Phoenix Suns venceram os Houston Rockets por 123-111 na madrugada desta sexta-feira, mas, no final do jogo, o assunto não era a vitória, os pontos ou as jogadas mais importantes da partida. O que roubou as atenções foi a investigação a Robert Sarver, proprietário do clube, aberta pela NBA.

Sarver, que é também o dono da equipa Phoenix Mercury, da WNBA, e do Mallorca, da liga espanhola, é acusado de fazer comentários racistas e de ter um comportamento misógino. A denúncia foi feita através da "ESPN", que conduziu mais de 70 entrevistas com funcionários e ex-funcionários do clube que lidaram com a situação durante os 17 anos de mandato de Sarver.

“Não há literalmente nada que me possam dizer sobre ele de um ponto de vista misógino ou racial que me possa surpreender”, disse um dos entrevistados, à cadeia de televisão norte-americana.

Outra das acusações está ligada à forma como o proprietário do clube lidou com os treinadores ao longo dos anos, chegando mesmo a elaborar as jogadas. Antes da chegada de Monty Williams, que parece ter trazido consigo alguma estabilidade, passaram pela equipa nove treinadores. Sete deles entraram e saíram num espaço de oito anos.

Williams foi um dos que foi questionado sobre a situação e deixou claro: “Se alguma dessas coisas tivesse acontecido enquanto aqui estive, eu não estaria neste lugar”.

"É muito para processar. São tantas coisas. E para mim ainda não está claro no que diz respeito aos factos", disse Williams. "Como alguém que zela pelo programa, considero as coisas que estão a ser ditas sérias e estas alegações são... sensíveis é um eufemismo. Mas, ao mesmo tempo, ainda não está claro".

Da parte dos jogadores, o foco continua no jogo.

Devin Booker chegou à NBA pelas mãos dos Suns e é lá que permanece até hoje, o que faz dele o jogador mais antigo da equipa, e garante que nunca presenciou este tipo de comportamento por parte de Sarver.

"Nos meus sete anos aqui, não me apercebi disso, mas isso não me torna insensível ao assunto", disse Booker. "Penso que a NBA abriu uma investigação e vão fazer a devida diligência em trazer à tona os factos em vez de 'ele disse, ela disse'. Tenho a certeza de que a NBA tem [a investigação] em boas mãos e investigará de forma adequada para descobrir a verdade".

Chris Paul partilhou da opinião do colega de equipa: “Não somos insensíveis a tudo o que foi dito ou não, mas não conhecemos todos os detalhes. Assim, a NBA fará a sua investigação e nesse tempo todos nós continuaremos a jogar e a fazer o que fazemos". Para o veterano, o mais importante é que a equipa se mantenha unida e evite ser apanhada no meio da polémica.

Robert Sarver já respondeu a estas acusações e mostrou-se “chocado” pelas “falsas” acusações.

"Neste momento, apoiaria totalmente uma investigação imparcial da NBA que pode provar ser a nossa única saída para limpar o meu nome e a reputação de uma organização de que tanto me orgulho", garantiu Sarver em comunicado.