Tribuna Expresso

Perfil

Perdoa-os, Jorginho, eles não sabem o que dizem

Partilhar

Claudio Villa

Sexta-feira, a Itália, não jogando grande coisa, empatou com a Polónia (1-1), na 1ª jornada da Liga das Nações. No final do jogo, Jorginho - o homem que marcou o penálti que deu o empate, aos 78 minutos - foi à flash interview, onde, em Itália, há ligação direta com os convidados em estúdio. Ora, no estúdio da televisão italiana RAI estava Marco Tardelli, ex-jogador e treinador italiano, e o diálogo que se seguiu foi mais ou menos o seguinte:

- Jorginho, não jogaste bem, não foste o jogador que eras em Nápoles ou em Manchester.
- Mas eu agora jogo no Chelsea.
- Ah, desculpa, Serginho, também é culpa dos teus colegas.
- Mas estou a falar com quem?

Silêncio constrangedor.

Aos 26 anos, é no Chelsea que o italo-brasileiro Jorginho está finalmente a granjear o reconhecimento que merece, depois de épocas fabulosas em Nápoles ao serviço de Maurizio Sarri. O problema é que, hoje em dia, no futebol moderno, vê-se pouco futebol e muitos resumos, e os resumos, vulgo highlights, nem sempre mostram a importância dos que não marcam golos. É, por isso, de certo modo, normal que se conheça pouco Jorginho, tal como como já é, de certa forma, normal ir para a televisão perorar sentenças sobre futebol sem perceber muito do mesmo.

É impossível que o Jorginho de Itália seja o mesmo de Nápoles ou do Chelsea (tal como Messi nunca poderá ser o mesmo no clube e na seleção, por lhe faltar o associativismo): tanto o Nápoles como o Chelsea de Sarri são verdadeiras equipas no sentido coletivo do termo - todos sabem onde e quando devem estar aqui e ali, com bola ou sem bola, todos sabem onde estarão todos, todos sabem tudo. Para chegar a um nível tão coletivo de funcionamento, é necessária uma equipa técnica com muito conhecimento, além, obviamente, de jogadores de altíssima qualidade, não só tecnicamente mas cognitivamente. Não quer dizer que isso também não seja possível numa seleção, mas, pelo tempo reduzido de treino, é mais difícil que tal aconteça - é por isso que as seleções vivem mais das ações individuais dos jogadores do que propriamente do entendimento coletivo. Tal como algumas equipas.

O maior problema é que nem todos os adeptos/comentadores/ex-jogadores/etc têm capacidade para percebê-lo.

Logo à noite há Portugal-Itália e, mesmo sendo este um outro Jorginho, vale a pena ver este Jorginho.

O QUE SE PASSOU

Foi um fim de semana dividido entre Sporting - Frederico Varandas é o novo presidente (e vale a pena ler a entrevista de Sousa Cintra, que disse adeus ao clube, ao Expresso) - e US Open - onde o destaque deveria ter sido uma jovem japonesa e não uma birra de uma veterana norte-americana.

Itália, uma seleção em busca de uma nova identidade

A seleção italiana atravessou recentemente um dos piores períodos da sua história, ao não se qualificar para o Mundial 2018. Agora é Roberto Mancini a liderar - e a tentar renovar - a equipa, mas os críticos ainda não veem grandes melhorias. E não esperam grande resultado esta noite, frente a Portugal, na estreia na Liga das Nações (19h45, RTP1)

O refrescante Sousa Cintra

O escritor Bruno Vieira Amaral despede-se de José Sousa Cintra, depois deste "interlúdio" do empresário de 73 anos no Sporting: "Fez-nos ter saudades dos tempos em que, por amor ao clube, os mecenas patrocinavam a felicidade de milhões de adeptos famintos de alegrias"

Sousa Cintra: “Vou lançar um produto natural para emagrecer. Vai ser uma revolução e um sucesso. Talvez o meu último negócio”

Na segunda parte da entrevista, José Sousa Cintra fala do seu passado, explica como começou a ganhar dinheiro, por que razão comprou um avião e um iate e revela como acabou por matar um leão, para ficar com os " <em>big five</em>" no currículo de caçador: "Toda a gente diz que o leão é o rei da selva, mas não, o rei é mesmo o elefante". No seu jeito peculiar e bem-humorado, recorda as tentativas de rapto de que foi alvo no Brasil e lembra ainda alguns dos negócios que fez enquanto presidente do Sporting, na década de 80. Mas há mais: vem aí um novo negócio que diz que vai ser "uma revolução"

Frederico Varandas: "Posso ser o general mais competente do mundo, mas, se os meus soldados não forem solidários, perderemos as batalhas"

Depois do ato eleitoral mais concorrido de sempre, Frederico Varandas, na primeira entrevista que concedeu como presidente dos leões, revelou, à "Sporting TV", que já falou com José Peseiro, que vai reunir, esta segunda-feira, com toda a estrutura do futebol, e que nada se ganhará se não houver "um grupo saudável"

O homem que vende os pontos mais caros de sempre

Novak Djokovic conquistou o US Open e o seu segundo torneio do Grand Slam do ano, contra Juan Martin del Potro (6-3, 7-6(6) e 6-3) - o que torna factual, e moralmente, correto, escrever que um dos melhores tenistas de sempre está de volta ao seu melhor estado. Foi o 14º <em>major</em> para o sérvio

Naomi Osaka, a nova e comedida estrela, nascida na terra do sol nascente

Nasceu no Japão, mudou-se aos 3 anos para a Flórida, nos EUA, e agora, aos 20, ganhou a final do US Open contra a Serena Williams que idolatra e não cumprimentou, por vergonha, na primeira vez em que se cruzaram no balneário. A mesma tenista cuja birra dirigida a um árbitro está a ofuscar a vitória de Naomi Osaka e, quiçá, a acentuar o seu feitio tímido, introvertido e comedido
ZONA MISTA

Nasci Sporting, cresci Sporting e respiro Sporting, mas não sou o Sporting

Frederico Varandas
Novo presidente do Sporting CP

O QUE AÍ VEM

Segunda-feira

É a estreia da seleção de Fernando Santos na Liga das Nações, depois do particular frente à Croácia (1-1): Portugal-Itália, às 19h45, na RTP1 (para os interessados, há também Rússia-República Checa, às 17h, na SportTV1).

Terça-feira

Depois de perder perante a Roménia e complicar seriamente as contas do apuramento para o Europeu, a seleção sub-21 volta a jogar, agora em Gales, e está obrigada a ganhar para continuar na luta (18h, CMTV).
Às 15h, a Cidade do Futebol recebe o sorteio da 2ª eliminatória da Taça de Portugal.
Há mais Liga das Nações, 2.ª jornada, com destaque para o Islândia – Bélgica, 19:45 (SportTV2) e para o Espanha – Croácia, 19:45 (SportTV1).

Quarta-feira

A seleção feminina de futsal continua a tentar apurar-se para o Europeu da modalidade: Portugal - República Checa (Pavilhão Dr. Salvador Machado), 19h30, TVI24.

Sexta-feira

FC Porto e Chaves abrem a fase de grupos da Taça da Liga, às 20h30 (SportTV1), no Dragão.

Sábado

Mais Taça da Liga: Paços-Aves (15h30, SportTV5), Benfica-Rio Ave (18h, SportTV1) e Braga-Tondela (20h30, SportTV1).

Domingo

Cristiano Ronaldo volta a tentar marcar pela Juventus, com o campeão italiano a receber o Sassuolo, para Serie A (14h, SportTV1).
Às 20h, o Sporting recebe o Marítimo, também para a Taça da Liga (transmissão SportTV1).
HOJE DEU-NOS PARA ISTO

Foi a última vez que a Itália conseguiu ganhar alguma coisa, cortesia, de certa forma, de um francês. Zinedine Zidane perdeu a cabeça, ao enfiá-la no peito de Marco Materazzi, foi expulso e a Itália acabou por vencer a final do Mundial 2006. Foi a última grande conquista (o Mundial, não a cabeçada) dos italianos, que ainda chegaram à final do Euro 2012, mas foram goleados pela Espanha (4-0).

A cabeçada que parou o mundo

O mundo ficou chocado quando o calmo e ponderado Zinedine Zidane interrompeu a final do Mundial 2006 para dar uma cabeçada no italiano Marco Materazzi, que terá insultado a irmã do francês. Zizou foi expulso e a Itália acabou por vencer