Tribuna Expresso

Perfil

Todos os planos são bons até se levar com o primeiro soco na cara

Partilhar

Manny Millan

Era óbvio que a newsletter desta segunda-feira ia começar com aquele golo de André Almeida ao Braga, porque ninguém percebeu como pôde aquilo acontecer – e também não vou ser eu a explicar. Vou limitar-me a descrever o que vi: Pizzi, indiscutivelmente um dos melhores entre os melhores jogadores deselegantes que por aí andam, fintou João Novais e depois Dyego Sousa como Robinho, cruzou de pé esquerdo para onde não estava naturalmente ninguém, Claudemir despachou a bola para o inofensivo André Almeida que a chutou de primeira e de pé esquerdo para a glória. Tudo bastante improvável, embora possível num jogo surreal que desmontou qualquer prognóstico que não admitisse a hipótese de uma goleada gorda do Benfica ao Braga. Ficou 6-2.

Um dos possíveis argumentos que justificam o inesperado é, claro, a eficácia cibernética dos encarnados que terão feito mais um ou dois remates à baliza além dos que resultaram em golo; outro argumento é um bocadinho mais místico e tem a ver com o alinhamento perfeito dos astros numa noite em que tudo correu bem para um lado e tudo mal para o outro.

Prefiro pensar que isto se deveu, simplesmente, à estratégia: Rui Vitória enrobusteceu a sua equipa, jogou juntinho e disparou como um elástico à baliza de Tiago Sá, aproveitando as generosas oportunidades oferecidas pelo meio-campo do Braga onde Claudemir e Fransérgio não chegaram para Fejsa, Gedson, Pizzi + Cervi.

Deu a sensação de que Abel Ferreira quis marcar uma posição contra um Benfica deprimido na Luz: o Braga dele pode jogar com os grandes da mesma forma que joga contra os menos grandes - e ganhar. Correu mal, o 4x4x2 esteve sempre desligado e a equipa foi desmantelada impiedosamente aos bocados pelo rival. E a isto se chama morrer pelos seus ideais, uma ideia romântica e louvável em muitas indústrias, mas por vezes suicida num negócio implacável como o futebol. Em jogos assim, o melhor é fazer como o pragmático Rui Vitória faz: adaptar também é evoluir.

E isto leva-nos ao Vitória de Guimarães - Sporting e à lição de futebol à portuguesa que Luís Castro deu a Marcel Keizer. O treinador professoral levou o jogo para o lado que lhe podia trazer o triunfo: cozeu os espaços, tapou buracos, impediu os passes verticais e o jogo interior do holandês, e explorou as fragilidades de um modelo que requer tempo e, sobretudo, melhores futebolistas para ser jogado assim. O SCP do holandês chocou dolorosamente de frente com a realidade.

Como dizia Tyson, toda a gente tem um bom plano até levar com um soco na cara e assim, em dois combates, se inverte posições na perseguição ao FC Porto (36 pontos; Benfica, 32; Sporting, 31; Braga, 20; Vitória SC, 25), o que mostra que nada no futebol é realmente certo.

O QUE SE PASSOU
De futebol português estamos falados, não é verdade?, pois interessa então recuperar o terceiro Mundial de Clubes para o Real Madrid numa competição que é, basicamente, um passeio para equipas europeias. Também houve novidades, no sábado, sobre o caso e-toupeira e a vitória gorda do Manchester United em Cardiff no primeiro jogo pós-Mourinho (5-1).

Dia de São Futebol

A crónica do escritor Bruno Vieira Amaral sobre o que realmente aconteceu neste domingo gordo de bola, o dia sacrossanto para quem gosta deste desporto

"Ser genro do Inácio foi um trauma porque as pessoas deixaram de olhar para o meu valor e passaram a ver-me só como o genro dele"

Armando Sá, o defesa direito que chegou a jogar a ponta de lança e começou por gostar mais de hóquei em patins do que de futebol, está há cinco anos a treinar uma equipa de futebol no Canadá. Quando, aos 11 anos, teve de deixar a mãe em Moçambique para se juntar ao pai e ao irmão em Portugal, mal sabia que seriam precisos outros tantos anos e uma chamada à seleção do seu país natal para voltar a revê-la. Depois de ganhar nome no Benfica, partiu à procura de outras experiências, em Espanha e Inglaterra, tendo terminado a carreira no Irão, onde viveu algumas aventuras

Jesus, Maria, o rei Mago e o Pai Natal, filhós e o ver se te avias deste presépio de Diogo Faro

O humorista e apresentador de TV usou as figuras do presépio para a análise aos jogadores do Sporting que foram derrotados em Guimarães

Um Azar do Kralj e aquela rosca sensacional com a graciosidade de um bêbado na rua da Glória. Sim, é sobre André Almeida

Vasco Mendonça tem muitas metáforas que deverá ler atentamente neste exercício de análise aos jogadores do Benfica que derrotaram o Braga por 6-2. São variadas, algumas delas simpáticas e outras realmente inesperadas. Como a de Jonas, que pratica a caridade ao engraxar chuteiras alheias em tempos festivos

Maxi Pereira e o dom de saber escolher com precisão qual o adversário a chatear

Alguma vez pensou em ouvir "Riders of the Storm", dos The Doors, enquanto pensa num certo e determinado avançado do FC Porto? O Lá em Casa Mando Eu, pelos vistos, já, antes ou depois de o usar numa analogia para falar de outro ponta de lança: "Parece uma espécie de Marega em força, mas com pés. "

Ministério Público recorre no caso e-toupeira

Procurador Valter Alves insiste no julgamento do Benfica e vai recorrer da decisão da juíza Ana Peres, que ilibou a SAD de todos os trinta crimes de que era acusada

A análise de um treinador à forma como dois rivais vão preparar o jogo grande da jornada

Benfica e Sporting de Braga vão protagonizar o jogo grande da 14ª jornada da Liga (domingo, 17h30, BTV) e o treinador João Nuno Fonseca, que foi analista para o City Football Group (do Manchester City) e trabalhou como adjunto de Miguel Cardoso no Nantes, explica-nos o que devemos esperar do 4º e 3º classificados do campeonato, respetivamente

ZONA MISTA

“Estou habituado a jogar com Reais Madrids e Barcelonas, ia agora enervar-me com o Al Ahli”

Jorge Jesus, quem mais?, numa daquelas conferências que deixaram muitas saudades cá por Portugal

O QUE AÍ VEM
Como sempre, uma barrigada de jogos da Premier League para digerir filhoses e outras iguarias no dia 26 de dezembro. Por cá, como sempre, o futebol a sério é substituído pela competição menor de Portugal: a Taça da Liga. Aponte.

Quarta-feira, 26
Premier League: Fulham - Wolves, Burnley - Everton, Liverpool - Newcastle , Crystal Palace - Cardiff, Leicester - Man. City, Tottenham - Bournemouth, Manchester United - Huddersfield, Brighton - Arsenal, Watford - Chelsea, Southampton - West Ham. Começa às 12h30 e acaba noite dentro. Na SportTV.

Sexta-feira, 28
Taça da Liga: Vitória de Setúbal - Braga (19h, SportTV), Tondela - Nacional (19h, SportTV), Rio Ave - P. Ferreira (21h15, SportTV) e Aves - Benfica (21h15, aqui na Tribuna).

Sábado, 29
Taça da Liga: Feirense - Sporting (19h45, na Tribuna) e Marítimo - Estoril (19h45, SportTV).
Premier League: Watford - Newcastle, Brighton - Everton, Tottenham - Wolves, Fulham - Huddersfield, Leicester - Cardiff, Liverpool - Arsenal. Na SportTV.

Domingo, 30
Taça da Liga: Belenenses SAD - FC Porto (18h, na Tribuna), e Chaves - Varzim (17h, SportTV)
Premier League: Crystal Palace - Chelsea, Southampton - Man. City, Burnley - West Ham e Manchester United - Bournemouth.

HOJE DEU-NOS PARA ISTO

Jorge Jesus e o rant contra o futebol saudita: “Isto não existe. Aqui joga-se 30 minutos em 90”

O impagável Jorge Jesus continua a somar conferências de imprensa sui generis na Arábia Saudita. Aqui, o português deixa um aviso à navegação local: joguem à bola e não façam anti-jogo