Tribuna Expresso

Perfil

Uma lição de (bom) futebol

Partilhar

A bola da Liga NOS foi bem tratada no dérbi de Alvalade

A bola da Liga NOS foi bem tratada no dérbi de Alvalade

Gualter Fatia

"No princípio era a bola." Já depois de ter entrevistado Renato Paiva, em agosto do ano passado, para a Tribuna Expresso, fui a uma formação ministrada pelo então treinador dos juniores do Benfica em que conversa começou mais ou menos assim:

- Por que razão é que estamos, eu e vocês, aqui?

As respostas foram muitas e variadas: paixão, futebol, vontade de aprender, conhecimento, treino, trabalho, etc, etc, etc. Estranhamente, demorámos a chegar onde Renato Paiva nos quis levar: à bola (a este propósito, se quiser uma outra lição gratuita do treinador da equipa B do Benfica, aqui fica o link).

Mais ou menos colorida, mais ou menos rota, mais ou menos dura, todos tivemos uma e foi com ela que tudo começou. É impossível o adepto adulto não ter sido uma criança que brincava com a bola, independentemente de jogar melhor ou pior, porque, com pouca noção e uma bola nos pés, todos nos imaginamos tão bons como um outro alguém - hoje, nos recreios de Portugal, é provável que já todos saibam o nome de um rapaz franzino que ainda usa aparelho mas tem a maturidade dos grandes do futebol.

É na bola que tudo começa e é a partir dali que tudo se desenrola, ainda que, ao longo dos anos, nos vamos esquecendo progressivamente disto. Não só porque já não frequentamos recreios, mas porque os nossos sentidos vão sendo continuamente invadidos por outras coisas, como polémicas sobre arbitragens e programas sobre o diz que disse.

A bola, onde tudo começou, vai ficando para trás, até porque, em campo, hoje em dia, há quem prefira nem tê-la. Ou, melhor dizendo: há os que querem a bola, para mandar no jogo e (tentar) fazer o que treinam e há os que tentam evitar que os outros façam qualquer coisa com a bola. Alguém se lembra do Benfica-Sporting da 1ª volta?

Podendo parecer uma aceção excessivamente simplista, é a génese do que difere entre Bruno Lage e Rui Vitória, por exemplo. Ao contrário do que chegou a dizer Luís Filipe Vieira, dificilmente algum benfiquista sentirá saudades da sombra que era a equipa do Benfica com Vitória. Agora, o Benfica tem comportamentos coletivos evidentes de equipa grande, que misturam modelo (mais predominante) e estratégia (menos predominante), e, com mais ou menos feeling, é isto que dá ideias claras aos jogadores sobre como atuar em campo, em todos os momentos do jogo.

O que nos leva, então, ao Sporting de Marcel Keizer. Citando a minha colega Lídia Paralta Gomes: quando o holandês chegou a Alvalade, houve um processo de keizerização do futebol cinzento da equipa dos tempos de José Peseiro, passando a haver um certo amor pela posse da bola. O problema é que isto de fazer rabias é giro e dá uma boa relação com bola, mas, depois, falta passar para o entendimento coletivo do amor pela bola, porque, para mantê-la, é preciso que a equipa crie as condições necessárias para tal (e que os adeptos também o entendam - é triste quando, logo no início do jogo, Nani, com a inteligência habitual, pausava o jogo para percebê-lo melhor e ouvia... um coro de assobios. Só não os ouviu quando fez aquele passe para Bruno Fernandes...). E, algures numa noite fria em Tondela (como diriam os ingleses: but can you do it on a cold rainy night in Stoke?), a keizerização perdeu-se entre os pingos da chuva, passando a dar menos importância ao objeto mais importante do futebol.

E, ainda que a diferença na qualidade individual dos protagonistas com bola possa ser diferente, há comportamentos que nunca se perdem independentemente da qualidade em mãos - ou melhor, em pés. Podemos estar a jogar com os jogadores mais toscos do recreio e, ainda assim, ter comportamentos coletivos bem definidos, por exemplo, para a nossa 1ª fase de construção - caso sejam treinados repetidamente, claro. Porque, se queremos sair a jogar, então, temos de criar soluções para tal. Quando os centrais do Sporting têm a bola, pressionados por dois avançados adversários, quem os ajuda? É o guarda-redes a criar superioridade numérica a partir de trás? É o 6 a colocar-se entre os dois avançados e a receber enquadrado? São os médios a baixar em apoio e a tocar de frente no 6 ou no lateral? É o chuto para a frente? É o quê? Ninguém parece saber muito bem. Ao contrário do que acontece agora no Benfica, em que todos parecem pensar o mesmo.

No princípio era a bola. E, no fim, também.

O que se passou

Além do dérbi, houve outro clássico da bola: a Super Bowl, com os Patriots de Tom Brady a vencerem o troféu e a darem problemas à Netflix. Ronaldo marcou dois, mas a Juventus deixou-se empatar. Um corpo foi encontrado entre os destroços do avião de Sala. Nélson Oliveira ficou com a cara destroçada depois de ser pisado por um adversário. Frederico Morais está pronto para regressar ao circuito principal de surf.

Doutor Lage, Senhor Keizer e um dérbi de solilóquios hamletianos e pratas da casa (por Bruno Vieira Amaral)

O escritor Bruno Vieira Amaral escreve, obviamente, sobre o Sporting - Benfica de domingo à tarde que resultou num triunfo épico dos encarnados em casa do rival jurado

O Lageboratório, o body shaming, o Keizépeseiro e a proverbial escorregadela (por Insónias em Carvão)

O nosso implacável curador não deixa uma pedrinha que seja por revolver nas redes sociais. Aqui encontrarão as melhores personagens deste fim de semana que foi particularmente simpático para quem veste de vermelho - e madrasto para todo os outros

Última hora: a Proteção Civil registou 37 ocorrências na associação recreativa de Alvalade (o furacão Félix, por Um Azar do Kralj)

Aqui está a a análise realmente parcial, como se quer, de Vasco Mendonça à vitória robusta do Benfica sobre o Sporting, com o autor da prosa a emprestar homenagem ao miúdo João que deixou os de Alvalade a “lidar com o quarto lugar”

As pernas de ferro de André Pinto, o camarote da Dona Dolores e os três passos de Luiz Phellype (por Diogo Faro)

O humorista ficou tão arreliado com a exibição do Sporting na derrota por 4-2 frente ao Benfica que acredita que mesmo que Renan não seja homofóbico, sexista, a favor do patriarcado, do poder militar sobre o povo e da difamação da comunicação social, depois deste jogo já deve estar a pensar seriamente voltar para o Brasil

Lá em Casa Mando Eu viu Casillas a discutir com Militão gritando-lhe claramente: "Hombre, no vás para Madrid! Yo sei do que hablo!”

Mais uma incursão de Lá em Casa Mando Eu pelo castelhano, num noite de aselhice do seu FC Porto em casa do V. Guimarães, aselhice essa que Casillas foi obrigado a ver depois de defender alguns remates à figura e ir buscar uns quantos cruzamentos

Entrevista exclusiva: “Sou o Rui Pinto, o ‘John’ dos Football Leaks, e sei que as autoridades portuguesas não querem investigar os crimes”

Depois de o seu advogado francês, William Bourdon, ter assumido na semana passada que Rui Pinto é “John” — o whistleblower por trás de 70 milhões de documentos do Football Leaks —, o português deu uma entrevista à Der Spiegel, ao Mediapart e ao canal público alemão NRD no seu apartamento em Budapeste, onde se encontra em prisão domiciliária, para responder às acusações de que é alvo em Portugal

“O treinador era muito religioso, levava um padre ao balneário e aquilo era para mim, por ser agnóstico: 'O Satanás está aqui dentro'”

Está há pouco mais de um ano em Portugal, é treinador adjunto do Vilafranquense, comentador da SIC e escreve no jornal "A Bola". Aos 38 anos, depois de ter passado 15 anos fora, maioritariamente em Itália, Vasco Faísca revela-se um homem de esquerda, que segue a política mundial, um amante de música rock e confessa sentir-se um pouco italiano. Entre histórias como a de um jantar romântico que lhe custou €600, fala sobre os treinadores portugueses - e sobre um grego, agora selecionador, que não deixa saudades nenhumas - que teve e explica por que razão crê que vai haver sempre erros de arbitragem, mesmo com o VAR

Nélson Pereira: “Em 2018, fui para trás da baliza do Patrício, ninguém viu. Agora, meteram um cordão policial. Têm os olhos em cima de mim”

Dorme sempre com o bloco de notas ao lado da cama, não vão os sonhos trazer-lhe ideias para novos exercícios. Nélson Pereira passou 10 anos como guarda-redes do Sporting e já vai em sete épocas como treinador dos homens das balizas do clube de Alvalade e é o denominador comum dos quatro desempates através de pontapés da marca de grande penalidade que valeram duas Taças da Liga que o Sporting, a últimas das quais a semana passada. À <strong>Tribuna Expresso</strong>, explica-nos o que mudou no treino dos guarda-redes, de como cada vez mais se falham grandes penalidades e do que é preciso para ser bom a defendê-las. Sem esquecer a polémica da última temporada, quando nas meias-finais da Taça da Liga entre Sporting e FC Porto, esteve atrás da baliza do então titular dos leões, Rui Patrício

O guia completo do mercado de inverno: o músculo portista, a gordura benfiquista e o futuro sportinguista

O FC Porto a ganhar músculo, o Benfica a queimar gorduras e o Sporting entre a profundidade e o futuro. Em Braga, seguraram-se pérolas e também se olhou para lá do amanhã. Lá fora, França e Espanha animaram os últimos dias, com Inglaterra mais comedida (com o Tottenham a cumprir um ciclo de um ano inteiro sem contratar), e Alemanha a inspirar-se no futebolista britânico na altura de escolher reforços. Venha daí, voltamos a abrir o mercado só para si

Zona mista

"Foi um jogo muito mau".

- Marcel Keizer, treinador do Sporting, a admitir o óbvio, após o dérbi

O que aí vem

Segunda, 4

O ainda líder da Premier League, o Liverpool, defronta o West Ham (20h, SportTV2), já depois de saber que tem o City a dois pontos, já que a equipa de Pep Guardiola venceu o Arsenal, por 3-1, na 25ª jornada. Esta noite também há Liga espanhola na Eleven Sports - Rayo Vallecano-Leganés (20h) - e Liga portuguesa na SportTV - Belenenses SAD-Moreirense (20h15). Já na madrugada de terça, há Suns-Rockets e Kings-Spurs, às 2h e às 3h, na NBA.

Terça-feira, 5

É dia de Taças, na Alemanha e em França: o Borussia Dortmund recebe o Werder Bremen (19h45, SportTV2) e o Nante recebe o Toulouse (17h30, SportTV3). Há também 2ª Liga portuguesa: Famalicão-Paços de Ferreira (20h15, SportTV1). Na NBA, à meia-noite, há Pacers-Lakers e Hornets-Clippers.

Quarta-feira, 6

É outra vez dia de dérbi, desta vez para a Taça de Portugal: Benfica-Sporting, 1ª mão das meias-finais (20h45, RTP1). Antes, há outras Taças: às 17h30 (SportTV3), Villefranche-PSG, para a Taça francesa; e às 19h45 (SportTV4), Hertha-Bayern Munique, para a Taça alemã. Em Inglaterra, há Premier League: o Everton de Marco Silva recebe o Manchester City, às 19h45 (SportTV2). Em andebol, há FC Porto-Fafe (20h30, Porto Canal).

Quinta-feira, 7

Na Serie A, há Lazio-Empoli (19h30, SPortTV3), e na Taça francesa há Guingamp-Lyon (20h, SportTV2). Na Liga dos campeões de andebol, há Nantes-Paris SG (19h45, SportTV4).

Sexta-feira, 8

Começa a 21ª jornada da Liga portuguesa, com o Moreirense-FC Porto (20h30, SportTV1). Na Liga espanhola, há Valladolid-Villarreal (20h, Eleven Sports).

Sábado, 9

Para os mais madrugadores, há Liga australiana, às 8h50: Melbourne City-Adelaide United (SportTV3). Às 11h, há 2ª Liga portuguesa: Académico Viseu-FC Porto B. O Celta de Miguel Cardoso vai a Getafe (12h, Eleven Sports) e há dérbi madrileno às 15h15 (Eleven Sports): Atlético-Real. Na Liga inglesa, Fulham-Manchester United (12h30, SportTV2) e Liverpool-Bournemouth (15h, SportTV2). Na Liga NOS, o dia começa com um Marítimo-Aves (15h30, SportTV1), continua com um Portimonense-Rio Ave (18h, SportTV1) e termina com um Tondela-Vitória de Guimarães (20h30, SportTV1). Na 2ª Liga, há Benfica B-Académica (17h, BTV). Na Taça EHF de andebol, há FC Porto-Ciudad Encantada (18h, Porto Canal).

Domingo, 10

Prepara-se porque este vai ser um domingo recheado de muita bola: há Leganés-Bétis (11h, Eleven Sports) e Estoril Praia-Cova da Piedade (11h15, SportTV1). Às 13h30, há Tottenham-Leicester; às 15h Braga-Chaves e Boavista-Santa Clara (SportTV1 e 4); às 16h, Manchester City-Chelsea; às 17h, Sassuolo-Juventus; às 17h30, Benfica-Nacional (BTV); às 19h45, Athletic-Barcelona (Eleven Sports); e, às 20h, Feirense-Sporting.

Hoje deu-nos para isto

Cristiano Ronaldo a assistir ao dérbi entre Sporting e Benfica

Cristiano Ronaldo a assistir ao dérbi entre Sporting e Benfica

SOPA Images

Cristiano Ronaldo estava em Alvalade, domingo à noite, a assistir ao Sporting-Benfica, com a sua mais que tudo, mas o verdadeiro protagonista dos camarotes foi outro - ou melhor, outra: dona Dolores, pois claro. A mãe de Ronaldo foi saudada pelos adeptos benfiquistas no local com um cântico, no mínimo, original. "E a Dolores é do Benfica", repetiam os adeptos, enquanto a progenitora de CR7 ia tentando dizer que não, entre gargalhadas. Um momento de desportivismo num dérbi, como deveria acontecer sempre, entre todos os clubes. E uma boa altura para recordar um anúncio televisivo impecável, sobre as bananas da Madeira, protagonizado por Dolores Aveiro, pois claro.

O cântico dos adeptos do Benfica para a mãe de Ronaldo

Cristiano Ronaldo esteve a assistir ao Sporting-Benfica (2-4), mas quem chamou a atenção dos adeptos do Benfica foi a mãe do jogador português, Dolores Aveiro