Tribuna Expresso

Perfil

Abel é grande, mas não foi assim tão grande

Partilhar

Gualter Fatia

Os argumentos de Abel Ferreira são irrepreensíveis do ponto de vista da matemática. Acontece também que são muitos e por isso peço-vos paciência para o que se segue.

O Sporting de Braga perdeu apenas três dos 32 jogos disputados esta época que incluem os quatro da Taça da Liga, os outros tantos da Taça de Portugal, os 22 da Liga e os dois da pré-qualificação falhada para a Liga Europa. As tais derrotas foram contra o FC Porto, o Benfica e o Sporting, aconteceram no Dragão, na Luz e no domingo em Alvalade, e por números que nada têm a ver uns com os outros: 0-1, 2-6 e 0-3, ou seja, 2-10, ou seja, metade dos golos sofridos no campeonato resultaram dos encontros com os três grandes, ou seja, esta é mesmo uma boa época do Braga tendo em conta as várias condicionantes – e naturalmente nenhuma delas é tão determinante quanto o dinheiro, como o próprio Abel nos relembra subliminarmente quando diz “vocês [jornalistas] são inteligentes, digam o que faz a diferença”.

Mais do que a base social de apoio. Mais do que o impacto mediático. Mais do que os lobbys. E, claro, mais do que a qualidade do treinador. Porque o dinheiro dá para comprar e pagar a futebolistas-tipo-Bruno Fernandes que sacodem jogos decisivos literalmente ao pontapé.

Assim, enquanto a diferença de orçamentos for de €70 milhões para €30 milhões, Abel lutará heroicamente como sempre e perderá, salvo algum milagre que, já sabemos, não será mais do que o reflexo do seu trabalho e da bravura e do caráter dos seus jogadores. Mas como não há modos de isto dar a volta – única hipótese: o delírio de um mecenas generosíssimo que empate os seus milhões sem meter o nariz nos assuntos de António Salvador –, não se pode pedir mais a Abel e Abel estará para sempre perdoado.

Só que não é bem assim.

Por exemplo, ontem. É inegável que Marcel Keizer foi bastante superior a Abel Ferreira, na medida em que o primeiro inovou e ganhou bem, e o segundo nunca se adaptou e perdeu. Os três defesas, os laterais subidos e o falso-extremo Diaby foram o tal elemento-surpresa que tantas batalhas históricas ganhou por, basicamente, surpreender o adversário; bom, e a isto o Sporting juntou-lhe intensidade e a coerência, duas coisas que o Braga jamais teve pela segunda vez consecutiva que visitou Lisboa esta época, e ambas as ocasiões coincidiram na 2.ª Circular.

A terceira coisa que o Braga também não conseguiu novamente foi o tradicional golpe de asa, depois de levar o primeiro (33') e o segundo golos (50'), sendo que teve praticamente meia-hora mais os quinze minutos do intervalo para o fazer. Aliás, o primeiro remate à baliza acabou por ser o único em 90 minutos e sucedeu aos 63', cinco minutos antes do 3-0 de Bas Dost – e foi um chutão de fé de Wilson Eduardo que morreu biblicamente nas mãos de Renan Ribeiro.

E, agora, o contexto: o Sporting perdera indigentemente na quinta-feira para a Liga Europa contra o Villarreal, trocara sete jogadores e apresentara-se fresco no seu 39.º jogo oficial do ano; o Braga descansara durante a semana e tivera tempo para preparar o seu 32.º que poderia oficializar a candidatura a candidato ao título. Só que, tal como na Luz, houve um falhanço espectacular, que nem o VAR ou o árbitro desculpa, perante um adversário fragilizado e a passar por uma crise existencial. Isto amplifica as frustrações. E as críticas. E as perguntas que fazem a Abel e que Abel não gosta, como a dúvida shakespeariana – é ou não candidato ao título? – à qual ele responde que isso são coisas dos media.

Não são. São do presidente do Sporting Clube de Braga, o homem que lhe paga o salário.

P.S.: O Braga perdeu 6-2 com o Benfica e pensou-se que Rui Vitória estava a salvo, a luz do Seixal era efetivamente milagrosa. Seguiu-se o empate sofrido com o Desportivo das Aves, a derrota com o Portimonense e o despedimento.

O que se passou

O FC Porto trazia dois empates consecutivos, contra o Vitória de Guimarães e o Moreirense, e vira o Benfica aproximar-se vertiginosamente na classificação – vencer o Vitória de Setúbal, no Dragão, era imprescindível. E aconteceu, por 2-0, num jogo que os portistas dominaram, como se lhes impunha, mas do qual resultou outro problema para Sérgio Conceição: Danilo lesionou-se e assim sobe para quatro o número de titulares fora de combate (Aboubakar, Marega e Brahimi são os outros). Ah, e já agora, Sérgio Conceição voltou a pôr Militão no lugar: a defesa-central.

No futsal feminino, a seleção nacional perdeu a final do Europeu frente a Espanha (0-4), num encontro disputado em Gondomar.

No aeroporto, o outrora desterrado Jorge Jesus fez furor ao responder aos jornalistas que o questionaram sobre o estado das coisas no futebol português, e isso incluiu o FC Porto, o Benfica, o Sporting, João Félix, Bruno de Carvalho e Frederico Varandas.

No planeta terra, há o livro da editora Planeta chamado “Football Leaks” sobre, bom, os football leaks. A Tribuna Expresso publicou um dos capítulos e uma recensão crítica.

Uma crónica com Dadinho, Zé Pequeno e o antipático Braga (por Bruno Vieira Amaral)

O escritor Bruno Vieira Amaral escreve sobre o crescimento do clube minhoto nas mãos de António Salvador, o homem transformou o Braga numa força pronta a disputar algo mais do que apenas o quarto lugar

Este não é um livro sobre futebol, mas sobre o que corrói o futebol. Chegou “Football Leaks”

Dois jornalistas da “Der Spiegel” escrevem sobre como transformaram o Football Leaks numa das maiores revelações da atualidade a partir de milhões de ficheiros partilhados por “John”

Quando Rui Pinto ainda não era John, mas apenas o “FL” e falava no plural: “Vivemos em Portugal. Somos cidadãos portugueses”

A <strong>Tribuna Expresso </strong>publica "Dados, Dados, Dados" um dos capítulos do livro "Football Leaks" (edição portuguesa da Planeta), escrito pelos jornalistas da Der Spiegel, a publicação que liderou o processo de divulgação dos documentos que abalaram o futebol através do consórcio EIC, do qual o Expresso faz parte.

À revolução Keizer, Bruno Fernandes e Bas Dost responderam da forma habitual. Com os golos do triunfo

O médio português inaugurou o marcador e o avançado holandês bisou em mais um capítulo da sociedade sem a qual o Sporting teria muitas dificuldades em viver. Foram os artífices de uma vitória por 3-0 sobre o Sporting de Braga que tira um pouco da pressão que pairava sobre o técnico leonino - e a que ele respondeu com uma mudança tática pouco vista para estes lados - e que deixa os arsenalistas a cinco pontos da liderança

"É bonito de se ver como se olham nos olhos apaixonadamente." Bas Dost e Bruno Fernandes deixam Diogo Faro enternecido

Matança do porco, slaloms elegantes, música de Wendel Jobim e bichos de seda em caixas de sapatos. Tudo o que precisa de saber sobre o Sporting 3 - 0 SC Braga nas palavras de Diogo Faro

“Maltia de Madrid”: Lá em Casa Mando Eu manda dizer que Militão só recebe prémios porque “nosotros no tenemos más defesias nieste país”

Se Manafá foi a uma revelação a lateral direito na vitória do FC Porto, deu também uma machadada no plano de esconder Militão nesse mesmo local, explica Lá em Casa Mando Eu. Que pede também ajuda ao “Nosso Senhor Jorge Nuno Pinto da Costa para acabar de vez com a onda de lesões” e já está na fila de espera para o possível novo livro de Adrián López: “Como substituir Brahimi para totós”

Os improváveis (com ajuda dos do costume) assumem papel de destaque na vitória do FC Porto

Dragões acabaram com a série de três jogos sem vencer com uma vitória tranquila por 2-0 frente a um Vitória de Setúbal que pouco incomodou e que acabou reduzido a dez. Herrera e Soares fizeram os golos mas Adrián e Manafá destacaram-se e ajudaram o os campeões nacionais a manterem o primeiro lugar. Só não correu tudo bem porque Danilo Pereira saiu lesionado (mais um) e está em dúvida

Zona Mista

Como não preciso de escrever livros para sobreviver trabalho no que sei”

Jorge Jesus a dar troco a Bruno de Carvalho, que revelou vários pormenores da convivência entre ambos em Alvalade no seu livro chamado “Sem Filtro”.

O que aí vem

Segunda-feira

Hoje há Desportivo das Aves - Benfica (20h15, na SportTV, e com minuto a minuto, crónica e contra-crónica aqui na Tribuna Expresso) a fechar esta jornada do campeonato. Será um confronto geracional e estilístico, entre um treinador da velha guarda dado a sound bites populares , Augusto Inácio, e um da nouvelle vague portuguesa, Bruno Lage.

Em Inglaterra, há Chelsea - Manchester United, para os oitavos de final da mítica Taça de Inglaterra, na qual o Wolverhampton de Nuno Espírito Santo já garantiu a presença nos quartos de final.

Terça-feira

A segunda-parte dos oitavos de final da Liga dos Campeões: Lyon - Barcelona e o excelente Liverpool - Bayern de Munique, ambos às 20h, ambos na Eleven Sports.

Quarta-feira

A segunda-parte da segunda-parte dos oitavos de final da Liga dos Campeões: Atlético de Madrid - Juventus, o regresso de Ronaldo a Madrid por razões que não fiscais, e o Schalke - City, ambos às 20h, ambos na Eleven Sports.

Quinta-feira

O dia do tudo ou nada para Benfica e Sporting na Liga Europa. Os encarnados recebem o Galatasaray (20h, na Tribuna Expresso e na SIC) e trazem a vantagem de 2-1 alcançada em Istambul; os leões jogam em Espanha com o Villarreal (18h, SportTV e Tribuna Expresso) para tentarem reverter a derrota por 0-1 em Avalade.

Sexta-feira

Regressa o campeonato com o Tondela - FC Porto (21h15, SportTV e Tribuna Expresso).

Hoje deu-nos para isto

E não é que era mesmo verdade? Jorge Jesus saiu no verão e regressou em pleno inverno, cheio de planos para o futuro e com uma experiência que não correu assim tão bem na Arábia Saudita.

Treinador Jorge Jesus está de partida para a Arábia Saudita, onde vai orientar o Al Hilal