Tribuna Expresso

Perfil

E tu, quantos hat-tricks marcaste hoje?

Partilhar

Stuart Franklin - FIFA

Há um lei não escrita no futebol que diz que o autor do hat-trick pode levar a bola de jogo com ele e fazer o que bem entender. Guardá-la é a opção mais viável, expô-la como um troféu ou em fotografias também é possível, e houve até um indivíduo que fez uns trocos com uma que nem dele era; depois dos três golos ao Atlético de Madrid, Cristiano Ronaldo decidiu brincar com a criançada lá de casa. Não era a primeira vez que fazia aquilo, portanto, porque não?

Foi o seu oitavo hat-trick na Liga dos Campeões, ou seja, 19,2% dos seus 125 golos na Champions foram alcançados desta forma. O homem é, por definição, um monstro, não há muitos assim, mas felizmente – para isto não se tornar aborrecido – Ronaldo não é o único assim: no domingo, Messi marcou três ao Bétis de Sevilha, foi aplaudido pelos adversários e pelos fãs dos adversários. Mais do que unânime, universal.

Duas pequeninas curiosidades: ao nível do hat-trickismo, Messi e Ronaldo são os maiores na La Liga, com 33 cada, muito à frente de goleadores dos anos 50 e 60 do século passado, como Zarra (23) e Di Stéfano (22); e Messi e Ronaldo são os maiores na Champions, com oito cada, mais cinco do que Mário Gomez e Filippo Inzaghi, dois pontas-de-lança clássicos que nem Messi ou Ronaldo são. O que torna tudo muito mais engraçado.

E sendo verdade que a probabilidade de os golos de um alimentarem os golos de outro – tal como Magic e Bird, Senna e Prost, Federer e Nadal, Tom Brady e… bem, ninguém – talvez seja melhor pararmos com a pergunta: quem é, de facto, o melhor?

Porque é uma questão que não nos leva a lado algum; dificilmente encontramos dois jogadores tão bons e tão diferentes na personalidade, no estilo, no tipo de talento e de físico, etcetera. A comparação é inofensiva, na medida em que há golos e assistências e recordes e Bolas de Ouro, e isso ajuda, pelo menos numa perspetiva clínica, a exercitar a memória.

Já a hierarquização é inútil e fútil sobretudo se for feita à pressa, ad hoc e à semana, que é o costume nestas coisas, simplesmente porque que na semana seguinte um tratará de imitar o que o outro fez na anterior, como que dizendo-nos que, por vezes, há dois relâmpagos que caem no mesmo lugar.

O mais sensato seria concentrar as atenções nos que estão noutros lugares distantes, aos novos próximo-Messi e próximo-Ronaldo, projetos destinados a falhanços espetaculares, como outros antes falharam. E a culpa nem será deles, porque nem toda a gente pode ser Messi e Ronaldo. Provavelmente, ninguém poderá ser Messi e Ronaldo outra vez.

O que se passou

O Sporting ganhou na sexta-feira, o FC Porto ganhou no sábado e o Benfica ganhou no domingo. Além disso, houve Fórmula 1, o tal hat-trick de Messi, a morte trágica de um jogador de futsal, uma assistência recorde num jogo de futebol feminino e a notícia de um aliciamento a um guarda-redes.

Gabriel é um pacemaker ambulante que impede taquicardias e outros desacertos cardíacos (por Bruno Vieira Amaral)

O escritor Bruno Vieira Amaral dedica a sua crónica desta semana ao médio brasileiro. E tudo começa com uma conversa de café, onde se aprendem coisas básicas sobre motociclismo, o festival da eurovisão e a importância cardiovascular de ter Gabriel no meio-campo

Tiago: “No primeiro dia no Porto, chego ao balneário e o Paulinho Santos: 'Quero ver se agora também dás porrada aqui'. Borrei-me logo todo”

Passou pelo Marítimo, de onde saiu alegando que tinha medo de aterrar no aeroporto da ilha, foi campeão e ganhou uma Taça UEFA no FCP de Mourinho, jogou no Benfica, Boavista e no U. Leiria, clube que o recebeu três vezes. Aventurou-se pelo futebol espanhol, mas foi no clube onde tudo começou, o Trofense, que pendurou as botas de profissional, há três anos - tinha 40 de idade. Ainda à procura de certezas sobre o novo rumo profissional, ligado ao agenciamento de jogadores, mantém-se como vogal do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol

Queriam Lord Marega, dou-vos King Marega e não sei quantos mais heróis (por Insónias em Carvão)

Esta segunda-feira, o nosso implacável curador das redes sociais está particularmente cinematográfico. Temos Wolverine, E.T., gladiadores, o rei de Wakanda e um novo milionário em Madrid. Bons filmes

Sobre Ferro, Um Azar do Kralj pergunta: quando foi a última vez que vimos um central do Benfica que estica o mindinho quando bebe chá?

Após a vitória do Benfica frente ao Moreirense por 4-0, Vasco Mendonça traz também à baila a estranha cumplicidade que João Félix criou com Jonas desde que Seferovic se lesionou, que está a fazer alguns benfiquistas questionarem-se sobre o futuro da relação amorosa entre João Félix e Seferovic

Lá em Casa Mando Eu viu Soares em campo e Hulk nas bancadas do Dragão. E suspirou

Catarina Pereira acredita que o amarelado Pepe saiu ao intervalo do FC Porto-Marítimo para os dragões não correrem o risco de ir a Braga com o futuro central do Real Madrid a jogar a central

Os oito pulmões espalhados pelo corpo de Bruno Fernandes, o "Ganso Bêbado" de Raphinha e a betoneira de Acuña (por Diogo Faro)

O humorista viu ainda Renan Ribeiro fazer pilates durante a primeira parte do encontro do Sporting com o Santa Clara, bem como Raphinha a obrigar certos defesas a dançar o asarejé

Zona mista

"Mas claro que o objetivo do Sporting não pode passar por ganhar 1-0, independentemente do adversário. Sem desrespeitar o Santa Clara, o Sporting tem de fazer mais golos, em casa temos de mostrar mais força"

Bruno Fernandes, o mais-que-tudo e o ai-jesus do Sporting, após a vitória tangencial diante do Santa Clara

O que aí vem

Os campeonatos entram agora em pausa e arrancam os primeiros jogos de apuramento para o Europeu de 2020. Os grupos estão AQUI e a as regras de qualificação AQUI.

Quinta-feira, 21 de março
Cazaquistão - Escócia (15h), Chipre - São Marino (17h), Croácia - Azerbeijão (19h45), Áustria - Polónia (19h45), Macedónia - Letónia (19h45), Eslováquia - Hungria (19h45), Bélgica - Rússia (19h45), Israel - Eslovénia (19h45), Holanda - Bielorrússia (19h45), Irlanda do Norte - Estónia (19h45).

Sexta-feira, 22 de março
Bulgária - Montenegro (17h), Albânia - Turquia (19h45), Andorra - Islândia (19h45), Moldávia - França (19h45), PORTUGAL - UCRÂNIA (19h45), Inglaterra - República Checa (19h45)

Sábado, 23 de março
Geórgia - Suíça (14h), Gibraltar - Irlanda (17h), Malta - Ilhas Faroé (17h), Suécia - Roménia (17h), Itália - Finlândia (19h45), Espanha - Noruega (19h45), Bósnia - Arménia (19h45), Liechstenstein - Grécia (19h45)

Domingo, 24 de março
Cazaquistão - Rússia (14h), Gales - Eslováquia (14h), São Marino - Escócia (17h), Israel - Áustria (17h), Hungria - Croácia (17h), Chipre - Bélgica (19h45), Eslovénia - Macedónia (19h45), Holanda - Alemanha (19h45), Polónia - Letónia (19h45), Irlanda do Norte - Bielorrússia (194h5).

Hoje deu-nos para isto

Ah, as boas recordações de Paris. Numa semana em que arranca a campanha para o Euro2020, porque não recuperar o dia mágico que ficará para sempre gravado na memória coletiva de um país? Aquele dia em que todo o fatalismo português foi sacudido da pele arrepiada com um golo impossível do herói inesperado.

Terminada a final no Stade de France, a taça foi entregue aos novos campeões europeus. A seleção portuguesa ganhou por 1-0 contra a França. O golo que tornou o sonho realidade foi da autoria de Éder.