Tribuna Expresso

Perfil

A definição de estar pronto

Partilhar

Bruno Fernandes, o aglutinador de todas as esperanças e, ao mesmo tempo, de todos os medos do Sporting.

Bruno Fernandes, o aglutinador de todas as esperanças e, ao mesmo tempo, de todos os medos do Sporting.

Gualter Fatia

A inspiração nem sempre está connosco e, nestas ocasiões, o teclado é o fiel companheiro que podemos usar para obtermos alguma de um fidelizado amigo, que é mais um doutor com resposta para tudo. Neste meu pedido de ajuda à enciclopédia mais porreira que há, dei com uma frase de Anthony Bourdain, falecido chef que existiu como um dos contadores de histórias mais naturais, carismáticos e gostáveis diante de uma câmara: "A preparação prévia previne o fraco desempenho".

Escreveu Bourdain, um tipo que, sem esforço aparente, parecia sempre tirar das pessoas o que de melhor tinham para contar, que isso é um dos lemas do exército americano que dizia seguir à letra, mesmo que muitas vezes dissesse que o seu talento era, simplesmente, conversar e perguntar coisas.

Não é preciso Dr. Google que nos diga que o maior sinónimo de preparação no futebol é treinar, treinar e treinar, mais ainda se for na pré-época, onde até os resultados dos jogos se vendem como irrelevantes porque, lá está, importa é preparar para quando a diferença entre ganhar ou perder já for muito relevante. Ao fim de seis jogos destes, o Sporting acumulou três derrotas, três empates e só não sofreu dois golos num jogo - portanto, nunca ganhou, não defendeu bem, não atacou melhor. Mas, chegados ao fim, ouvimos o sempre tranquilo Marcel Keizer dizer: "Estamos prontos para começar".

Ser positivo é diferente de ser otimista e o treinador holandês andará algures na virtude do meio. O Sporting continua ultra dependente do que a bola passa a ser depois de passar por Bruno Fernandes, ainda joga com repelões e sem constância na intensidade e não lida nada bem com transições defensivas. Melhorou de jogo para jogo, mas o melhorar torna-se relativo quando não se ganha, relativizando-se mais quando o primeiro encontro a sério é já no domingo (a Supertaça Cândido de Oliveira) contra um adversário que parece ter-se aprontado melhor.

Se o estar pronto é estar bem preparado, o Benfica das sete vitórias e uma derrota na pré-época e dos apenas quatro golos sofridos terá feito um bom caminho, mesmo que os resultados não importem assim tanto. Isso nunca deixou de ser verdade. Ganhando, porém, os jogadores e a equipa tendem a ficar com confiança, coisa mental que muito importa durante um jogo para fazer a mais básica das coisas sem pensar nela, ou para continuar sem pensar quando algo adverso (um golo sofrido, um mau passe, uma receção falhada, etc.) acontece.

Sinal disso também é tentar coisas novas e não apenas tentar melhorar o que já não devia dar tantos problemas, mesmo durante a pré-temporada.

Bruno Lage não falou se o Benfica está, ou não, pronto para o que aí vem. "Saímos daqui com menos dúvidas". Se estar pronto é aparentar estar mais e melhor preparado do que o primeiro adversário que se terá em jogos a valer, então um treinador talvez tenha dito a frase que deveria ter vindo do outro.

O que se passou

Fora as pré-épocas que terminaram para as duas equipas que vão arrancar com a época a sério em Portugal, o Grande Prémio da Alemanha, em Fórmula 1, acabou de forma caótica - para ser um pouco simpático. Max Verstappen venceu uma corrida que teve muita chuva, bastantes acidentes, vários abandonos (sete) e Sebastian Vettel a dizer que se guiava pelos guarda-chuvas abertos na bancada para saber quando podia, ou não, acelerar enquanto ia recuperando 18 posições ao longo da corrida.

O Atlético humilhou o Real goleando-o (7-3) num dérbi de Madrid improvisado nos EUA, onde João Félix marcou e assistiu. Um colombiano de seu nome Egan Bernal ganhou o Tour de France e outra fornada de miúdos portugueses com muito jeito para a bola perdeu a final do Europeu sub-19, contra a Espanha.

O regresso de Jesus após quarenta dias e quarenta noites no deserto

"É justo dizer que ir para o Flamengo foi a melhor decisão que Jorge Jesus tomou nas nossas vidas", escreve Bruno Vieira Amaral, explicando porquê

“O Iuran e o Kulkov apresentaram o ritual do vodka aos jogadores do Benfica. Correu mal: alguns tiveram de sair em ombros para a camioneta”

Paulo Barbosa, o mais antigo dos agentes de futebol ainda no ativo, revisita à <strong>Tribuna Expresso</strong> um percurso que vai dos estudos universitários em Moscovo no final dos anos 70 até à casualidade que foi tornar-se empresário. Apaixonado pela literatura, conta-nos sobre reuniões que envolviam poetas russos e jogadores bem conhecidos dos portugueses, as alegrias e as tristezas que o futebol lhe proporcionou, o que mudou dos anos 90 para cá e como a loucura do mercado de transferências atual não é assim uma loucura tão grande

O Bom, o Mau, o Herói e o Vilão do Sporting - Valencia

O Sporting perdeu com o Valencia por 2-1 no Troféu Cinco Violinos e termina a pré-temporada sem qualquer vitória. É certo que a equipa de Keizer já mostra mais futebol do que há duas semanas, mas continua a tremer na defesa e a ter problemas em manter a intensidade no ataque. A Supertaça é já daqui a uma semana. <em>Este é o Bom, o Mau, o Herói e o Vilão, formato da <strong>Tribuna Expresso</strong> para resumir os encontros desta pré-época 2019/20</em>

Para Diogo Faro, Doumbia já parece William. Se assim for, abre-se já garrafa no Urban, no Lust, no Guilty, no Bliss e no Elefante Branco

O Sporting perdeu com o Valência (1-2), na apresentação da equipa aos sócios, mas Diogo Faro diz que nem tudo foi mau, tomando como exemplo as exibições de Doumbia e até do reforço Vietto: "Que alívio. Afinal ele sabe rematar. No último jogo tinha ficado com a impressão que, para ele, jogar futebol era algo mais metafísico e que envolvia mais a contemplação do relvado"

O Bom, o Mau, o Herói e o Vilão do AC Milan-Benfica

No último jogo na International Champions Cup, nos EUA, o Benfica fechou a pré-época da melhor maneira, com uma vitória frente aos italianos do AC Milan (1-0). Segue-se agora a Supertaça, perante o Sporting. <em>Este é o Bom, o Mau, o Herói e o Vilão, formato da <strong>Tribuna Expresso</strong> para resumir os encontros desta pré-época 2019/20</em>

Um Azar do Kralj, criador do site ojotajarenovou.com, acredita que Fejsa está prestes a ser vendido às peças a uma sucata turca

Vasco Mendonça viu a vitória do Benfica sobre o Milan e acredita que Fejsa ainda está aí para as curvas (desde que não sejam muitas ou apertadas) e que a exibição da dupla Rúben Dias/Ferro, nas suas virtudes e defeitos, é só mais uma operação do Benfiquistão, que continua a intervir nos bastidores do futebol mundial

Ângelo Girão, a muralha de Portugal: “Se há cinco anos me dissessem que ia ter todos estes títulos, respondia que estão todos maluquinhos”

O guarda-redes da Seleção Nacional de hóquei em patins recorda as origens, fala sobre as mudanças de risco na carreira que o levaram até ao Sporting e aponta o segredo para a vitória lusa no Mundial, em entrevista exclusiva à <strong>Tribuna Expresso</strong>

Lá em Casa Mando Eu garante que está tudo bem com Danilo (pelo menos enquanto o comendador não estiver com fome)

O FC Porto perdeu com o Mónaco (0-1), na apresentação aos adeptos, no Dragão, mas Catarina Pereira prefere destacar coisas positivas, como a receção a Danilo ou o facto de já não se lembrar do nome daquele rapaz que usava a camisola 8

Zona mista

"O Dyego Sousa foi vendido porque o treinador ainda era o Abel Ferreira. E ele, numa conversa que tivemos no final de época, disse-me que Dyego teria de sair para continuar no Sp. Braga."

- António Salvador, presidente do Sporting de Braga, pronunciando-se sobre o que, se nos cingirmos aos factos, acabou por ser uma dupla perda: os minhotos ficaram sem o então treinador (foi para o PAOK, da Grécia) e sem o factualmente melhor avançado que tinham (Dyego Sousa foi para a China).

O que vem aí

Segunda-feira, 29

O Vans World Cup of Surfing é uma de seis etapas do circuito mundial de qualificação (QS) de surf que valem 10.000 pontos para quem a vença, tornando redundante escrever que vale muito para tipos como Frederico Morais (é o 36.º de um ranking que promove os 11 primeiros), que este ano anda a dar voltas ao mundo para regressar à primeira divisão de quem faz vida em cima de prancha. A prova acontece em Huntington Beach, na Califórnia, e pode acompanhá-la no site da World Surf League.

Terça-feira, 30

A Liga dos Campeões ainda está imberbe esta época, mas já se joga e com interessa para quem nasceu aqui no canto da Europa. O Olympiakos onde jogam três portugueses (José Sá, Rúben Semedo e Daniel Podence) e treina outro (Pedro Martins) recebe os checos do Viktoria Plzen (20h05, Bola TV), em Atenas, após o empate sem golos da primeira mão.

Quarta-feira, 31

A 81ª edição da Volta a Portugal vai para a estrada. O prólogo será em Viseu e seguir-se-ão 10 etapas até as centenas de duas rodas chegarem ao Porto, a 11 de agosto, mas o ponto alto será o regresso de uma etapa a acabar bem lá no alto da Torre, na Serra da Estrela.

Quinta-feira, 1

Depois de vencer por 1-0 num sítio que tem Grão-Ducado antes do nome, o Vitória defronta, agora em Guimarães, os luxemburgueses do Jeunesse Esch (20h, Sport TV1) na segunda mão da 2ª pré-eliminatória da Liga Europa. Caso siga em frente, jogará com o Ventspils (Letónia) ou Gzira United (Malta). Na noite de quarta para quinta-feira, já de madrugada, Jorge Jesus terá o Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, à espera que ele e o Flamengo consigam dar a volta (derrota por 2-0, no Equador) à eliminatória com o Emelec (1h30, Sport TV2).

Sábado, 3

Não é de agora que o Bayern de Munique é o velho e banal papão de todas as coisas que há para ganhar na Alemanha e, em dia de Supertaça, também já não é surpreendente, de todo, ser o Borussia Dortmund o insistente adversário que tenta quebrar esta aura do clube onde joga Renato Sanches. O jogo é às 19h30 (Sport TV2).

Domingo, 4

É o grande atrativo e, por fim, o sinal que o futebol está aí para voltar de vez: o Sporting e o Benfica jogam a Supertaça de Portugal (20h45, RTP1), voltando a replicar dérbi de Lisboa no Estádio do Algarve, quatro anos depois. Se quiser fortalecer a relação com o sofá e a bola mais cedo, há um Liverpool-Manchester City (15h, Sport TV1) que também já é muito sério: as equipas de Klopp e Guardiola defrontam-se pela Supertaça de Inglaterra.

Mais cedo ainda arranca o Grande Prémio de Hungria, de Fórmula 1 (14h, Eleven Sports).

Hoje deu-nos para isto

Anderson Talisca, Bryan Ruiz, Adrien Silva e João Mário, tudo gente que já não mora no Benfica ou no Sporting.

Anderson Talisca, Bryan Ruiz, Adrien Silva e João Mário, tudo gente que já não mora no Benfica ou no Sporting.

Carlos Rodrigues

A Supertaça de Jesus e Vitória

As mesmas equipas, também no Algarve. Em 2015, o Sporting e o Benfica encontraram-se na Supertaça de Portugal num verão em que Jorge Jesus tinha trocado um rival por outro e Rui Vitória acabara de chegar aos encarnados

Também foi em agosto, o sítio era o mesmo Estádio do Algarve, as equipas eram os mesmos velhos rivais. Há quatro anos, o verão quente da Segunda Circular culminou na Supertaça de Portugal em que Jorge Jesus, acabadinho de trocar um rival por outro, apostou no bate-boca com Rui Vitória, ainda bem fresco no Benfica, para influenciar fora do campo o que acabou por acontecer lá dentro: os leões ganharam por 1-0 e levaram o primeiro título da temporada.

No domingo, 4 de agosto, haverá mais, só que desta vez não houve dança de treinadores. Até lá, tenha uma boa semana e, se puder, vá passando pela Tribuna Expresso.