Tribuna Expresso

Perfil

Um ensaio sobre a *fabulosa* receção orientada de Marega

Partilhar

NurPhoto

Pois bem, a eficácia resume praticamente tudo o que aconteceu neste fim de semana, não é verdade? O Benfica ganhou ao Vitória de Guimarães porque foi eficaz e o FC Porto derrotou o Sporting em Alvalade catorze clássicos depois porque também foi eficaz.

Não interessa que a eficácia se tenha manifestado no remate de pé direito do esquerdino Cervi e na *fabulosa* receção orientada de Marega, porque ambos os lances deram golo, o objetivo fundamental do jogo.

Pois que a taxa de eficácia é tanto maior quanto maior for a relação direta entre o que se pretende fazer e o que acontece no fim. E isso é verdade mesmo quando se quer apenas dominar uma bola passada pelo pé esquerdo do destro Corona: Marega quis marcar e a canela dele encontrou uma forma, digamos, menos dispendiosa de lá chegar.

Portanto, sim, num desporto com resultados curtos e muitas vezes de diferenças mínimas, o que importa no fim da linha é o que o povo diz: fazer golos, não sofrer golos.

Assumido isto, o futebol é então filosoficamente mais parecido com o boxe do que a maioria de nós gostaria de admitir, pois o princípio é o mesmo: “hit and don’t get hit”. Podes lançar incontáveis murros, mas só contam os que esmurram o adversário em sítios pontuáveis; pelo caminho, evita que te desfaçam os rins.

Assim, e acompanhem-me na analogia, quando ao minuto 48 Vietto chutou violentamente à barra, o Sporting acertou um gancho no nada – mais tarde, tanto o argentino como Bruno Fernandes executariam golpes falhados, mas nenhum atingiria o nível do original, completado com a aparição de um expedito bombeiro à cata de uma tocha. E quando ao minuto 73 Soares saltou - bom, pulou um bocadinho - no mesmo lugar onde se encontrava, imóvel e sozinho, desde que Alex Telles ajeitara a bola para converter o canto, o FC Porto acertou em cheio no queixo do rival.

Não foi KO, mas TKO, o suficiente para deixar um dos alegados crónicos candidatos a primeiro provavelmente fora da corrida ao segundo lugar, a 16 pontos de um líder desafogado, com uma grave crise nos braços e um julgamento a decorrer.

Agora, imaginem o seguinte: imaginem que Bryan Ruiz tinha chutado para a glória e não para a atmosfera naquele dérbi de 2015-16 que acabou 0-1 para o Benfica em Alvalade? São pequenos instantes assim que definem o curso da história, particularmente da história do Sporting, cujos sucessivos episódios sugerem um clube eficazmente amaldiçoado.

Para quem acredita nestas coisas, obviamente.

O que se passou

Resumidamente: o Benfica ganhou ao Vitória de Guimarães, o FC Porto bateu o Sporting, o Braga goleou o Belenenses SAD, o Atlético de Madrid derrotou o Levante, Real Madrid fez o mesmo ao Getafe e o Espanyol empatou o Barcelona.

Aqui em baixo, recuperamos os nossos artigos de fim de semana: crónicas, contra-crónicas, análises, uma entrevista, um lutador e um sentido de humor muito particular.

Os Golden Globes Awards por Insónias em Carvão premiaram o Método Conceicisky

Já se passaram algumas horas sobre o clássico e sobre os prémios Globos de Ouro. Portanto, o nosso implacável Insónias em Carvão fez uma curadoria especialmente dedicada a ambos os temas

Se fosse o Messi, diziam que era magia. Como é o Marega ainda gozam, não é?

A Catarina Pereira, do Lá em Casa Mando Eu, refere-se aquela receção orientada que deu o primeiro golo contra o Sporting, que "tem há muito tempo o potencial de ser a equipa cujos adeptos gozam o Marega e depois levam um golo dele". Também não se esqueceu do potencial de Otávio para irritar Bruno Fernandes, ao ponto de ele não fazer qualquer golo, ou assistência

Doumbia justificou-se a Coates: "A sério, juro que este gajo não era meu, quem o devia estar a marcar era o William Carvalho!”

Esta confissão foi o que mais impressionou Diogo Faro, que se resignou à metáfora da vida personalizada em Coates, porque "até podemos fazer muita coisa bem, que o fim é sempre triste", e viu a linha defensiva do Sporting a jogar, alegremente, o "Quem Está Mais a Dormir?"

“Se tenho medo? Sou humano, tenho sempre medo”: Yorgan, a história de um lutador

Há um homem que carrega a bandeira portuguesa de cada vez que entra num octógono do UFC para lutar. Yorgan de Castro é o lutador que nasceu duas vezes. E que quer chegar ao título de campeão em pesos pesados. Começou nas obras e está no mundo milionário dos desportos de combate. “Eu nasci para isto”

“Não gosto que engenheiros, advogados, padres e surfistas falem de futebol. Também não mando postas sobre surf ou bodyboard”

Em miúdo, perguntavam-lhe na rua se ia marcar tantos golos quanto o pai. Sempre lidou bem com as comparações, mesmo que "um bocado chatas". Cresceu, sempre jogou a avançado e aprendeu como "o futebol acaba por ser a rejeição e trabalhar para a aceitação". Há duas épocas, Gonçalo Paciência foi para o Eintracht Frankfurt, reconheceu que estava uns degraus abaixo dos restantes e que lhe faltava "aquela intensidade, o fazer coisas boas mais vezes". Começou a marcar muitos golos, regressou à seleção nacional e, em entrevista à <strong>Tribuna Expresso</strong>, explica como se devia ter mais paciência com quem é miúdo e avançado, porque "muito dificilmente tens uma estabilidade emocional grande para conviveres com o facto de, todos os dias, teres de marcar golos, em todos os jogos"

Um Azar do Kralj já pediu ajuda à Polícia Judiciária para localizar os melhores adjetivos que permitam caracterizar a exibição de Taarabt

Deliberando sobre o companheiro de meio campo do marroquino, e já depois de Weigl colocar 20 likes em publicações várias de Taarabt no Instagram, este cronista reparou como "o gordo lá vai cumprindo o seu papel com aquele misto de abnegação e descontentamento", ora fazendo "um desarme bem conseguido, ora faz um passe mais arriscado como quem diz que esta posição não é a dele"

Não é bem um prognóstico no final do jogo: o Sporting - FC Porto vai jogar-se assim

O analista Tiago Teixeira escreve sobre os pontos fortes, fracos, virtudes e defeitos das equipas de Silas e de Sérgio Conceição, que se encontram este domingo, em Alvalade, para o Clássico da jornada. E define, também, quais os homens a seguir de cada um dos lados

Zona Mista

“Existem regras que acredito que foram cumpridas, mas se por ventura o Tarantini tivesse cortado as unhas o [segundo] golo era válido”, por Carlos Carvalhal, treinador do Rio Ave e extraordinário fazedor de soundbites

O que aí vem

O julgamento de Alcochete prossegue, em Monsanto, com os testemunhos de Rui Patrício (esta segunda-feira) e de Jorge Jesus (terça-feira). Será interessante perceber o que terá o treinador a dizer sobre o que Bruno de Carvalho lhe disse naquela reunião. A Tribuna Expresso irá montar um especial para acompanhar ao minuto todas as incidências. Mas também há futebol - bastante futebol, tanto futebol que escolheremos apenas os melhores jogos. Que a eficácia esteja com eles, todos eles.

SEGUNDA-FEIRA
Serie A: Bolonha - Fiorentina (a decorrer), Juventus - Cagliari (14h. SportTV) e Nápoles - Inter (19h45).

TERÇA-FEIRA
NBA:
Atlanta - Denver (00h30, SportTV1)

QUINTA-FEIRA
NBA
: Dallas - Denver (00H30, SportTV1)

SEXTA-FEIRA
Liga:
Benfica - Aves (19h) e Moreirense - FC Porto (21h15h)

SÁBADO
Liga:
Vitória de Setúbal - Sporting (20h30)
Premier League: Chelsea - Burnley (15h), Wolves - Newcastle (15h), Man. United - Norwich (15h) e Tottenham - Liverpool (17h30)
La Liga: Real Madrid - Sevilha (15h) e Eibar - Atlético Madrid (20h)
Serie A: Lazio - Nápoles (17h), Inter - Atalanta (19h45)
NBA: Dallas Lakers (01h30, SportTV1)

DOMINGO
Liga:
Braga - Tondela (20h)
Premier League: Aston Villa - Man. City (16h30)
Serie A: Roma - Juventus (19h45)
La Liga: Barcelona - Granada (20h)
NBA: Washington - Utah (20h30, SportTV1)

Hoje deu-nos para isto

A vida de Bryan

Para os futebolistas, muitas vezes, recordar é doer e aos sportinguistas poucas coisas doeram tanto como este remate falhado de Bryan Ruiz no dérbi de Alvalade de março de 2016 que terá decidido o campeonato a favor do Benfica