Tribuna Expresso

Perfil

Gervásio, Jeremias e Igor e o futebol de plástico

Partilhar

Pep Guardiola durante o Manchester City-Lyon (1-3), dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, em Alvalade

Pep Guardiola durante o Manchester City-Lyon (1-3), dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, em Alvalade

Matthew Ashton - AMA

Na época que entretanto findou abruptamente para todos os que não somos profissionais de futebol, arranjei para a minha equipa uns novos colegas de treino, que foram batizados de Gervásio, Jeremias e Igor, mas que não podiam agradecer a gentileza, uma vez que eram bonecos de plástico, daqueles insufláveis (se não sabe o que é, veja aqui). A verdade é que, enquanto houve treinos e não houve covid-19, os nossos amigos plastificados foram de uma utilidade imensa, porque sinalizavam o local dos adversários e os espaços por onde queríamos ir, mas não deixavam de ser, hélas, bonecos de plástico.

Lembrei-me deles nos últimos dias, não só porque só Deus sabe quando serão retomados os treinos do futebol de formação, mas por outras duas razões. A primeira, esta manhã, quando ouvi Edinson Cavani a admitir que sim, senhor, ficaria "encantado" por ser jogador do Benfica, no que começa a ser uma super equipa de Jorge Jesus, se acrescentarmos a classe de Vertonghen, a irreverência de Cebolinha e a criatividade de Waldschmidt a muitos dos nomes que já figuram no plantel.

Nem é preciso ser um adepto particularmente atento para perceber que - completamente ao contrário do que disse Domingos Soares Oliveira há pouco mais de um mês - o Benfica está a investir de forma milionária no plantel da próxima época. Até aqui, tudo certo, já que cada clube sabe das suas finanças e dos seus meios. O que cria alguma confusão é que este investimento não surge porque o presidente Luís Filipe Vieira foi subitamente acometido por um desejo de glória, depois de perder o campeonato e a Taça (e o penta, mais lá atrás), mas porque as eleições estão aí à porta e Noronha Lopes é um rival mais credível do que o esperado.

Não creio que a direção do Benfica tenha membros de nome Gervásio, Jeremias ou Igor, mas creio que é inegável que esta é uma gestão de plástico, mais interessada no que é mais acessório no futebol do que propriamente naquilo que nos faz a todos gostar deste jogo: as emoções.

O que me leva à segunda - que na verdade foi a primeira, em termos cronológicos - vez em que o Gervásio, o Jeremias e o Igor me recordaram que o futebol nunca pode ser de plástico: o Manchester City-Lyon. Não vou abrir o iPad para ir procurar a citação integral no "Herr Pep" - até porque eu e o Pep estamos a dar um tempo na nossa relação; não sou eu, querido, és tu -, mas lembro-me que Marti Perarnau escreve aí que Guardiola admitiu que a forma como o Bayern de Munique abordou a 2ª mão da meia-final da Champions, em 2014, frente ao Real Madrid, foi "a maior cagada" da sua carreira, já que, depois de falar com os jogadores, avançou para um 4-2-4 que foi trucidado por 4-0.

Não sei se terá sido aí que Guardiola começou a ficar de pé atrás com as eliminatórias - porque uma competição a eliminar é tremendamente diferente de uma competição regular -, mas sei que a forma como o City entrou em campo frente ao Lyon, totalmente afastada daquilo que é a intenção habitual do treinador, é de futebol de plástico. Porque quem joga o jogo são os jogadores, quem sente que o treinador está excessivamente cauteloso que até muda o sistema e as dinâmicas por causa do adversário são os jogadores e quem faz a diferença em campo são os melhores jogadores, que por acaso até ficaram, muito deles, no banco.

Se fosse só mexer as peças no tabuleiro, jogavam o Gervásio, o Jeremias e o Igor. E agora vou pegar no iPad para abrir um outro livro: "Brasil 82 - O time que perdeu a copa e conquistou o mundo".

O que se passou

A Fórmula 1 desta vez não teve surpresas e Hamilton venceu na Catalunha; Miguel Oliveira abandonou uma corrida que teve um acidente chocante; Félix da Costa está confiante; Rui Pinto foi ameaçado; e dois jogadores do Sporting têm covid-19.

Na Champions, o PSG derrotou a Atalanta; o Leipzig venceu o Atlético de Madrid; o Bayern arrasou o Barcelona; e o Lyon surpreendeu o City. Na Liga Europa, o Sevilha derrotou o Manchester United e vai à final pela sexta vez.

Leia também

A beleza do futebol de rua

Bruno Vieira Amaral viu atentamente os quartos-de-final da Liga dos Campeões e tem isto a dizer: "Como é belo o futebol de rua transplantado para os grandes palcos"

Leia também

Marcos Antônio, um “pequeno” que se fez grande no Shakhtar: “Não tem como dizer quantas vezes rodo a cabeça e olho à minha volta no campo”

Passou despercebido em Portugal, quando esteve no Estoril Praia, em 2018/19, quiçá pela figura franzina, com 1,68 cm e 56 kg: "Sou pequeno agora, <em>né</em>, e antes era mais. Mas sempre tive uma velocidade muito grande e uma agilidade muito grande, então isso ajudava-me muito a jogar." Do Brasil para a Ucrânia, com passagem por Portugal, Marcos Antônio tem o jogo todo na cabeça e nos pés, e é por isso que já é, aos 20 anos, um dos titulares do Shakhtar Donetsk, o campeão ucraniano liderado por Luís Castro, que disputará as meias-finais da Liga Europa com o Inter de Milão (segunda-feira, 20h, SportTV1)

Leia também

“O Cavani está quase a chegar, faltam detalhes”, disse Jesus ao vizinho, antes de mandar os três Tavares para a B (Lá Em Casa Mando Eu)

Lá em Casa Mando Eu imaginou a primeira semana de treinos de Jorge Jesus no Seixal. Há apresentações, despromoções, despedimentos e alguns problemas de tradução. Qualquer semelhança com a realidade é pura ficção

Leia também

Medo e delírio no Seixal: vai correr tudo bem, a não ser que a trip de mescalina acabe mal (por Um Azar do Kralj)

As dúvidas de Vasco Mendonça: se o clube é dos sócios, acho que perguntar não ofende: será por tudo isto que o presidente quase não abriu a boca durante estas últimas semanas? A que se deve a ausência de qualquer avaliação sobre a época mais desastrosa da sua presidência? Será o novo projecto de Luís Filipe Vieira uma combinação de investimentos milionários aliada à expectativa de que a memória de peixe do adepto resulte na mãe de todas as épocas desportivas, um ano memorável para fazer esquecer a incompetência revelada em todas as épocas perdidas?

Leia também

Julian Nagelsmann: “Jogar ao primeiro toque não é a minha coisa preferida. Gosto de jogar a dois toques. Os meus jogadores não são o Messi”

Começou a treinar aos 28 anos, aos 31 recebeu um telefonema do Real Madrid e agora, com 33, está a três jogos da final da Liga dos Campeões em Lisboa. Defronta, esta quinta-feira, o Atlético de Madrid (20h, E1) com o seu RB Leipzig, que é talvez a equipa mais versátil e difícil de decifrar da prova, porque tanto começa o jogo em 4-4-2, como o acaba em 3-5-2, tendo mudado a meio para um 3-4-3. Mas, para Julian Nagelsmann, “os sistemas ou as formações táticas não contam” e “são apenas números”, porque ele pode mudá-los “10 vezes durante o jogo, que isso não vai alterar a nossa forma de jogar de futebol”. Em entrevista exclusiva à <strong>Tribuna Expresso</strong>, o treinador mais novo da competição defende como, durante a semana, tenta que haja um dia em que os jogadores possam jogar “sem regras, sem pensarem em futebol, apenas para se divertirem”, como se estivessem com “os amigos no parque”

Leia também

Esta é a nova forma de Carlos Carvalhal pensar o treino e o jogo: “Os sistemas, aquilo que definimos como 4-4-2 e 4-3-3, são castradores”

O Rio Ave marcou a Liga 2019/20, não só pela pontuação histórica para o clube, mas também pela qualidade de jogo. Em entrevista à <strong>Tribuna Expresso</strong>, Carlos Carvalhal explica (detalhadamente) que tudo se baseou numa nova e "ousada" forma de treinar e num modo "disruptivo" de olhar para o jogo, que lhe surgiu depois dos anos em Inglaterra: "Temos inteligência suficiente para perceber que o jogo está sempre em evolução. Se pararmos no tempo, ficamos iguais aos outros e nós não queremos ser iguais aos outros, queremos ser diferenciados". É assim, também, que o novo treinador do Sporting Clube de Braga vai encarar a época 2020/21, em busca de construir uma "equipa completa", que não se baseia num sistema de jogo e em que "a identidade é a flexibilidade"

Zona mista

"O Benfica atual é parecido com um Governo em campanha eleitoral. Abre os cordões à bolsa para o presidente ganhar eleições."

- Marques Mendes, ex-líder do PSD e comentador da SIC, a trocar - por momentos - a política pela análise futebolística (e se ainda acha que o futebol e a política não se misturam, é ler isto - Simon Kuper explica)

O que aí vem

Segunda-feira, 17
🇪🇺 O mui português Shakhtar Donetsk defronta o Inter, às 20h, na SportTV1, nas meias-finais da Liga Europa, e hoje somos todos da equipa de Luís Castro e companhia 🧡
🏀 Começam os playoffs da NBA, que serão transmitidos pela SportTV: às 21h, Toronto Raptors-Brooklyn Nets e, às 2h (tecnicamente já é terça, mas vocês compreendem), LA Clippers-Dallas Mavericks.
🔙 Faz hoje 15 anos: Lionel Messi estreia-se pela seleção argentina, aos 18 anos, e, tal como Maradona, frente à Hungria. E acaba expulso.

Terça-feira, 18
🇪🇺 É dia da primeira meia-final da Liga dos Campeões, na Luz: PSG-Leipzig, às 20h, na Eleven Sports. Antes, às 17h, também na Eleven, o Benfica defronta o Dinamo Zagreb na Youth League, enquanto o Ajax joga com o Midtjylland, às 14h.
🏀 Mais playoffs da NBA na SportTV: às 18h30, Bucks-Magic; às 23h, Rockets-Thunder.

Quarta-feira, 19
🇪🇺 Dia da outra meia-final da Champions, em Alvalade: Bayern Munique-Lyon, às 20h, na Eleven. Na Youth League, às 14h, há RB Salzburg-Lyon e, às 17h, Inter-Real Madrid.
🏀 Mais um jogo dos playoffs: Nuggets-Jazz, às 21h.
🎂 O ex-internacional português João Vieira Pinto completa hoje 48 anos.

Quinta-feira, 20
🏀 Às 2h da manhã, Clippers-Mavericks; às 18h, Pacers-Heat.
🔙 Faz hoje 17 anos: Cristiano Ronaldo estreia-se com a seleção portuguesa num amigável contra o Cazaquistão, de preparação para o Euro 2004. Completam-se também hoje 21 anos desde o primeiro jogo da I Liga portuguesa disputado em solo açoriano, na minha ilha, São Miguel: um Santa Clara-Sporting, que acabou 2-2 (no final da época, o Santa Clara desceu e o Sporting foi campeão), e que me permite recordar este momento muito feliz.

Sexta-feira, 21
🇪🇺 É dia de final da Liga Europa: Sevilha vs... ou Shakhtar ou Inter. Às 20h, na SIC (não é no site, é na televisão mesmo).
⚽ 👧 É também dia de quartos-de-final da Liga dos Campeões feminina, que também será disputada numa final 8, mas em Espanha. O jogo grande do dia é o Atlético de Madrid-Barcelona, às 17h, na Eleven Sports, e espero que me acompanhem, já que estarei a comentar a partida. Também às 17h (deve dizer-se que é lamentável haver dois jogos à mesma hora...), há Glasgow-Wolfsburg, no 11.
⚽ 🇫🇷 Começa a Ligue 1, 2020/21: às 18h, Marseille-St. Étienne, na Eleven3.
🏀 Mais playoffs a começar às 2h: Lakers-Blazers. Às 21h, Jazz-Nuggets.

Sábado, 22
⚽ 👧 Prosseguem os quartos-de-final da Liga dos Campeões feminina. Às 19h, dois jogos, ambos na Eleven: Lyon-Bayern Munique (se só puder ver um, veja este, já que o Lyon é campeão europeu) e PSG-Arsenal.
⚽ 🇨🇳 O Shangai SIPG de Vítor Pereira vai defrontar o Beijing Guoan, às 13h, na SportTV, para a Superliga chinesa.
⚽ 🇫🇷 Continua a nova época na Ligue 1, com destaque para o Lille-Rennes, às 20h, na Eleven.
🏀 Continua a NBA na sua "bolha": às 2h, Mavericks-Clippers; às 20h30, Heat-Pacers.

Domingo, 23
🇪🇺 Desmarque tudo e sente-se no sofá às 20h para assistir à final da Liga dos Campeões masculina, na Eleven e na TVI.
🏀 Mais NBA: à 1h30, Lakers-Blazers; às 18h, 76ers-Celtics; às 23h30, Nets-Raptors.

Hoje deu-nos para isto

Lembra-se da 'Roteiro'? A bola do Euro 2004

Lembra-se da 'Roteiro'? A bola do Euro 2004

El Grafico

Parece que foi ontem, mas já lá vão 17 anos desde que Lionel Messi tinha penteado à Justin Bieber e ainda sorria. A 17 de agosto de 2005, frente à Hungria - curiosamente, tal como Maradona -, o miúdo estreava-se na seleção argentina, que venceu 2-1, e ganhava uma memória para a vida. Não só pela estreia, mas porque entrou em campo aos 64' e saiu aos 65', expulso, depois de ter sofrido uma falta (é ver as imagens no link mais abaixo).

Agora com 33 anos, já não é miúdo e parece que quer mesmo sair do Barcelona, o único clube que representou na maioridade, que se está a tornar uma espécie de Argentina na resolução dos problemas: temos Messi, ele que resolva.

Leia também

A estreia de Lionel Messi pela Argentina: um minuto e uma expulsão

A 17 de agosto de 2005, Lionel Messi estreou-se pela Argentina. Frente à Hungria, num amigável, entrou aos 64 minutos... e foi expulso no minuto seguinte, de forma surpreendente. Os argentinos venceram o jogo por 2-1

Tenha uma boa semana, não seja racista e acompanhe a Tribuna diariamente no site, no semanário Expresso e no Twitter, no Facebook e no Instagram: @TribunaExpresso.