Tribuna Expresso

Perfil

Um voto = um golo

Partilhar

A bola em tempos de pandemia

A bola em tempos de pandemia

SOPA Images

"Se não vais votar, não jogas mais".

A chantagem é evidente, admito, mas a obrigatoriedade não era, afinal de contas, literal, até porque um emoji bem colocado acaba sempre mudar o teor da conversa. A mensagem que enviei na semana passada a jogadoras da equipa de futebol que treino, algumas delas acabadas de fazer 18 anos, não era mais do que um empurrãozinho amigável, disfarçado de graçola.

Só vou votar no dia 24, mas, ontem, recebi no Whatsapp algumas fotografias de comprovativos de votos antecipados, dessas mesmas jogadoras, que me deixaram com a mesma sensação de leveza de quando se coloca o voto na urna.

Foi um raio de luz na escuridão que regressou desde que voltámos a confinar e deixámos de ter, mais uma vez, treinos de futebol, regressando ao Zoom como ferramenta de trabalho. É que o futebol profissional que ainda vemos na televisão, em Portugal, é só a pontinha do icebergue que está encoberto desde março de 2020, altura em que o futebol de formação foi interrompido e nunca mais regressou à competição, nem aos treinos ditos normais - só com separação de três metros.

Se em 2019/20 havia 220 mil jogadores e jogadoras federados, esta época a contagem só vai até aos 47 mil, o que significa que se perderam, em menos de um ano, cerca de 170 mil atletas jovens, "afetando toda uma geração" e deixando o "desporto não profissional nos cuidados intensivos", como bem escreveu Daniel de Sá. A Organização Mundial de Saúde bem diz que "podiam evitar-se milhões de mortes por ano com mais atividade física", mas neste caso não há quem lhe ligue muito, porque essas consequências não são imediatamente visíveis, só se manifestando a longo prazo e não havendo então ninguém para culpar.

Lembrei-me disto tudo quando, depois do Gil Vicente-Marítimo, Milton Mendes, recentemente promovido a treinador do Marítimo, me impressionou com um apelo inesperado, a fazer lembrar, e bem, a iniciativa Common Goal - e, também, as iniciativas de Marcus Rashford, jovem do Manchester United que comprovou recentemente que os futebolistas podem influenciar decisivamente a sociedade, se quiserem.

As palavras de Milton Mendes, treinador do Marítimo: "Vitória é alegria. Este momento é difícil para todos. Temos os nossos familiares, como o Rodrigo Pinho, tantas pessoas no mundo a sofrer dificuldades inerentes a essa doença, que pôs toda a gente de joelhos e não sabemos quando vai atacar. Com humildade, queria oferecer a vitória a todos os que estão a precisar de um abraço, de um consolo e lançar um desafio.

Quem está no desporto e no futebol, temos de tirar proveito disso. Ganhamos bem no nosso trabalho e está muita gente neste estado. Lanço o desafio aos desportistas em geral para ajudarem um pouco, cada um dar dez por cento do seu salário para tentar ajudar as pessoas. Não sei como, mas no momento do golo lembrei-me de algumas pessoas e a tristeza de muitas pessoas necessitadas. Vou pedir à comunicação do clube para ajudar a divulgar. Temos uma grande responsabilidade no desporto e todos sabem isso. Temos de estar unidos e de dar uma alegria dentro do possível. O dinheiro é o menos, um abraço é mais importante, mas neste momento o dinheiro é capaz de ajudar muita gente."

O futebol é muito importante, sim, mas há coisas ainda mais importantes. Como ajudar os outros. E votar. Dentro do possível, façamos a nossa parte.

O que se passou

Pepe recordou como chegou a Portugal e como se fez central, em entrevista à Tribuna Expresso; o clássico resultou em... covid-19; não houve Vitória-Farense, outra vez; o Barcelona perdeu a Supertaça espanhola para o Athletic; há 72 tenistas confinados para o Open da Austrália; e Tom Brady deu uma coça a Drew Brees (atenção que estamos quase na altura da Super Bowl, marcada para 7 de fevereiro).

Leia também

Parece que, ao fim de setecentos jogos, o Benfica lá se cansou de ser atropelado pelo Porto - e Jesus saiu da toca

Foi uma mudança de mentalidades e de costumes demasiado brusca para ser assimilada em tempo útil. Sérgio Conceição sentiu-se tão perdido como um cavaleiro medieval que aterrasse num clube de strip-tease. Há poucas semanas, em conferência de imprensa, o treinador do Porto até se tinha dado ao luxo de tratar Jorge Jesus com uma condescendência inaudita. Não só relatou um telefonema privado como contou ao mundo que, nessa conversa, tinha dito ao rival que não gostava de o ver tão macambúzio, que o queria “mais vivo”

Leia também

Mostra-lhes por onde ir, Thiago

A primeira coisa bonita do jogo foi de Thiago e o último passe também, mas ele e o Liverpool não aproveitaram o embalo que tiveram na primeira parte e, na segunda, o Manchester United foi melhor e teve mais remates com tiques de golo. Mas o clássico inglês acabou em 0-0

Leia também

Tremer, golear e apurar, os três estados que Portugal teve contra Marrocos

Portugal acabaria por golear (33-20) a seleção de Marrocos, à partida e em teoria um adversário inferior, mas nunca esteve a vencer até ao intervalo e chegou a estar com cinco golos a menos no resultado. Mas, afinadas as coisas, a seleção nacional acabou por garantir a passagem à segunda fase de grupos do Mundial de andebol

Leia também

Weigl fez com que o Sérgio Oliveira acabasse o jogo a dizer aos colegas que só havia três resultados possíveis: empatar, empatar ou empatar

Vasco Mendonça, do Um Azar do Kralj, notou igualmente na sua análise humorística ao clássico que "qualquer noite em que o Pizzi joga a capitão e mete o Pepe e o Sérgio Oliveira no sítio é uma noite boa para o Pizzi e para o Benfica", elogiando a sua exibição "por ter jogado tão bem o jogo favorito dos nossos amigos, que acabaram a defender um pontinho na sua casa enquanto esperavam pelas repetições dos lances para se queixarem"

Leia também

Começou a falar Jorge Jesus: resta-me pedir desculpa e enfiar a cabeça na areia para me esquecer da goleada que o FC Porto sofreu

Catarina Pereira, de Lá Em Casa Mando Eu, entrou no modo <em>irónico </em>enquanto escrevia sobre Diaz e o treinador do Benfica apareceu na <em>flash interview</em> a elogiar o clube que orienta

Leia também

Diogo Faro emocionado com a demonstração de amizade de Palhinha a Geraldes: não o virou para impedi-lo de fazer gato-sapato do Sporting

Na sua análise humorística ao empate entre Sporting e Rio Ave (1-1), Diogo Faro elogiou a exibição de... Francisco Geraldes: "Vou só deixar aqui este nome de um jogador do Rio Ave, para nos lembrarmos todos que foi mesmo opção do Sporting mandá-lo embora"

Leia também

“O Ronaldo foi à minha casa e deixei-o andar numa acelera. Ele tinha 13 anos, fez um cavalo, roda no ar durante três metros, e desapareceu”

O fim desta história foi feliz, como outras de outros talentos que passaram pelas mãos de Leonel Pontes. Nesta entrevista de vida cabem figuras e episódios como o indomável Quaresma, João Moutinho, Ricardo Carvalho, os berros de Derlei ou a liderança carismática de Paulo Bento. E também alguns presidentes de clubes, uns que o trataram bem, outros nem por isso

Zona mista

"As pessoas são livres de apresentar uma lista de exigências, mas a resposta é não. Não há tratamento especial para ninguém."

- Daniel Andrews, responsável do estado de Victoria, a responder a um pedido de Novak Djokovic para flexibilizar as medidas de quarentena dos jogadores participantes no Open da Austrália

O que aí vem

Segunda-feira, 18
🤾‍♂️
Portugal prossegue a participação no Mundial de andebol, defrontando a Argélia, às 17h (RTP2).
⚽ O líder da II Liga, o Estoril Praia, recebe o Covilhã, às 18h (SportTV+). Às 20h15, Portimonense e BSAD encerram a 14.º jornada da Liga NOS (pelo menos para já, uma vez que o Vitória-Farense ficará para mais tarde).
🏀 Na NBA, destaque para os jogos a horas decentes para nós: 17h, Knicks-Magic; 19h30, Hawks-Timberwolves; 22h Grizzlies-Suns (todos na SportTV).

Terça-feira, 19
⚽ A primeira meia-final da Taça da Liga será disputada entre Sporting e FC Porto, às 19h45, na SIC.
🎂 O Sporting de Braga completa hoje 100 anos de existência. Parabéns!

Quarta-feira, 20
🤾‍♂️
Ainda não há emparelhamentos de equipas, mas é hoje que começam a disputar-se os jogos da fase seguinte do Mundial de andebol (também em fase de grupos e todos os dias até ao final da semana - os quartos-de-final começam dia 27).
⚽ Sporting de Braga e Benfica disputam a outra meia-final da Taça da Liga, às 19h45, também na SIC. Às 20h, na SportTV, Juventus e Nápoles disputam a Supertaça italiana.

Quinta-feira, 21
⚽ Vitória de Guimarães e Nacional disputam o jogo que ficou em atraso entre ambos, devido à Covid-19 - às 20h15.

Sexta-feira, 22
⚽ Destaque para o Borussia M'gladbach-Borussia Dortmund, às 19h30, na Eleven.
🏀 Na NBA, às 0h30, Bucks-Lakers.

Sábado, 23
⚽ 🏆 Em dia de muitos jogos (a lista mais exaustiva é do Zerozero e está aqui), destaque para a final da Taça da Liga portuguesa, disputada às 19h45, na SIC.
🏀 Às 22h, há NBA entre Jazz e Warriors (e se aguentar até à meia-noite, há Nets-Heat).

Domingo, 24
⚽ Mais um dia com muitos jogos (profissionais, claro, porque o resto do futebol deixou de existir), com destaque para o Marítimo-Paços de Ferreira, que abre a 15.ª jornada da Liga portuguesa. Em Inglaterra, é dia de Taça entre Manchester United e Liverpool, às 17h, na SportTV.
🏑 Dia de dérbi no hóquei: Sporting-Benfica, 15h, SportingTV.

Hoje deu-nos para isto

Icon Sport

A subtileza é percetível a olho nu: aliada a um rápido olhar por cima do ombro, para perceber onde está o perseguidor, a ponta do pé ligeiramente inclinada para dentro, em direção ao corpo, para proteger o bem mais precioso de um jogo de futebol.

Pep Guardiola nunca foi, como jogador, particularmente impressionante para quem gosta mais de ver resumos com golos e assistências do que assistir a 90 minutos de futebol. Mas foi dos futebolistas mais inteligentes a pisar o campo, sabendo quase sempre onde, quando e como se posicionar no corredor central para ajudar a equipa.

Curiosamente, ainda ontem via este vídeo sobre a forma como ele se orientava e recebia as bolas no meio-campo, antes de notar que, esta segunda-feira, 18 de janeiro, Guardiola completa 50 anos de vida.

Goste-se mais ou menos do estilo de jogo que implementou, é inegável que, enquanto treinador, marcará para sempre a história do futebol, assim como a de muitos jogadores e treinadores por esse mundo fora. E nunca me vão convencer que meter o autocarro é que é bonito de se ver, desde que dê a vitória.

Leia também

Diego Latorre. “A maior perda do futebol foi afastarmo-nos do gosto pela beleza”

Televisão, análise, bocas, Boca, Diego, Tenerife, Valdano, Cappa, Redondo, Batistuta, Tabárez, Gallardo e Jorge Jesus. Isto e muito mais, pela voz de um dos melhores comentadores da Argentina

Tenha uma boa semana, vá votar, e, no entretanto, acompanhe a Tribuna diariamente no site, no semanário Expresso e no Twitter, no Facebook e no Instagram: @TribunaExpresso.