Tribuna Expresso

Perfil

Late Night with Rúben Amorim

Partilhar

Amorim, levado em ombros pelos seus jogadores, após vitórias frente ao FC Porto e Sp. Braga na Taça da Liga

Amorim, levado em ombros pelos seus jogadores, após vitórias frente ao FC Porto e Sp. Braga na Taça da Liga

CARLOS COSTA/Getty

Durante o fim de semana, ao abrir um conhecido site de alojamento de vídeos começado por “Y” e acabado em “Tube”, surgiu-me nas sugestões uma entrevista de Rúben Amorim a Rui Unas, já com uns três anos. Rúben havia terminado a carreira há poucos meses e nos primeiros minutos da conversa admite que só por essa razão estava ali, sentado naquele cadeirão, porque durante os seus tempos de jogador não era exatamente livre de dizer o que pensava, porque é raro um clube gostar de um jogador que fale mais do que o guião pré-cozinhado e aquecido durante três minutos em conferências de imprensa anódinas - e isto já sou eu a dizer, não aquele Amorim de há três anos mas, por outras palavras, foi isto mesmo que ele disse.

Para fechar este segmento da conversa, Rui Unas remata com um: “Por um lado há uma coisa boa de teres saído do mundo profissional, é que assim já podes ter uma expressão”, algo a que Amorim responde quase imediatamente com o “sem dúvida, sem dúvida” mais aliviado que vi nos últimos tempos.

Pois bem, sendo agora, três anos depois, treinador de um clube grande, Rúben Amorim terá seguramente certo guião ou conjunto de regras, muitas delas talvez não escritas, sobre o que pode ou não dizer. E manobrar essas regras a seu favor, que é mais fácil de se fazer quando se é treinador do que jogador, também é um sinal de inteligência. Nisso, o técnico do Sporting tem sido irrepreensível e o espectáculo que deu na cabine da Sport TV após a final da Taça da Liga, que venceu pela segunda vez consecutiva, um momento de late night televisivo mais à americana do que à portuguesa, foi uma vitória quase tão grande quanto aquela que teve em campo.

Houve espaço para tudo, desde aquele banter entre antigos colegas, com Rúben a gozar com o aumento de peso de José Sousa, com quem jogou no Belenenses, até ao jogo e às suas incidências, com Amorim a ter uma resposta honesta e franca sobre quase tudo, às vezes nem sequer respondendo a perguntas mas sim aproveitando deixas.

A honestidade e a capacidade de não se levar excessivamente a sério são grandes armas comunicacionais e Rúben Amorim trata-as talvez como ninguém cá dentro: só assim é possível assumir que os jogadores da equipa contrária lhe deram tudo um dia e que por isso teve de os cumprimentar no final do jogo, um a um, a muitos com abraços demorados. Ou que passa os Natais a falar com Antero Henrique, seu cunhado mas também figura de relevo de um FC Porto de outros tempos. Sem que nada disto melindre a florzinha de estufa que é o nosso futebol, tão pouco capacitado para entender que isto não tem de ser feito de constantes guerras: as pessoas têm passados - Rúben até é benfiquista - e isso é a vida, não precisamos de ficar assanhados por causa disso.

A conversa é totalmente premium, até no sentido financeiro da coisa porque, infelizmente, só quem paga a subscrição que dá acesso aos cinco canais da Sport TV a pôde ver em direto, na íntegra, sem soluços. Porque no seu canal aberto, a Sport TV optou por interromper Rúben Amorim para transmitir a enésima conferência de imprensa de um presidente a dizer mal da arbitragem e, de premeio, a atacar a equipa adversária, naquele caso em específico porque teve o desplante de festejar um título, por mais mixuruca que ele seja.

(Isto é um bocadinho como as nossas bocas abertas depois dos resultados eleitorais de domingo. Muitas vezes nós, jornalistas, fazemos uma escolha, colocamos as luzes em cima de alguém. Não me verão aqui a dizer que fizemos bem ou mal, porque eu própria não tenho essa resposta. Apenas que temos o dever de refletir)

Também foi pena não transmitirem no canal aberto a conferência de imprensa de Luís Neto, que é um bom central, mas será seguramente no futuro um ainda melhor comentador, a prova que os jogadores de futebol, mesmo obrigados a regras, podem sempre encontrar um espacinho entre as amarras para falar bem, claro, com substância e olhar crítico.

O Sporting anda a ganhar e não é só dentro de campo.

O que se passou

Para lá do futebol em Leiria, da vitória do Sporting na Taça da Liga e das lições de comunicação de Rúben Amorim, tivemos a confirmação que o MotoGP vai mesmo regressar a Portimão, a eliminação de Portugal no Mundial de andebol, às mãos da poderosa França, e mais uma prova que Tom Brady talvez seja mesmo imortal.

Além disso, João Sousa teve covid-19 e por isso não conseguiu embarcar para a Austrália, pelo que vai falhar o primeiro torneio do Grand Slam do ano.

Leia também

Sporting - SC Braga: a aristocracia falida defrontou o novo-riquismo megalómano. Ou José Carlos Pereira contra o humilde empreiteiro

Há eventos anuais que nunca perco: os Óscares, o festival da Eurovisão, a final da Taça de Inglaterra e a eliminação do Porto da Taça da Liga. Já faltam adjetivos para descrever os 14 (!) insucessos do Porto nesta competição. Mas já chega de Futebol Clube do Porto e das suas desventuras no reino da Taça da Liga. É que na final defrontaram-se os dois protagonistas de uma telenovela que remonta aos tempos de Godinho Lopes, o sétimo

Leia também

“Nunca fui sociável. Era calado, fingia que bebia vinho para não me chatearem. Os meus colegas ouviam música, eu rezava antes do jogo”

Numa rara entrevista, Ricardo Carvalho faz uma viagem pela sua carreira, desde os primeiros anos no FC Porto, dos quais recorda a elegância de Aloísio e os ensinamentos de Jorge Costa, até à relação com Mourinho e os anos no Chelsea, onde se afirmou definitivamente como um dos melhores centrais do mundo

Leia também

“Este menino joga muito, carago”, disse Vítor Pereira na TV. E Diogo Faro nem mexe para não estragar

Aqui está a análise humorística de Diogo Faro ao jogo Sporting 1-0 SC Braga

Leia também

“Foi um Cruijff com um ego normal”: um ano depois, temos de falar sobre Rensenbrink

Aquele remate ao poste, para lá dos 90 minutos na final do Mundial dos <em>papelitos</em>, roubou-lhe a gloriosa imortalidade e empurrou-o para uma gaveta esquecida. Mas o canhoto holandês, falso extremo com alma de 10, foi tão mais do que isso. Um artista. Este domingo, exatamente um ano depois da sua morte, recordamos Rob Rensenbrink à boleia de quem suspira por ele

Leia também

A final da Taça do 3-4-3

De repente, parece que só há 3-4-3 no futebol português: o Sporting de Rúben Amorim e o Sporting de Braga de Carlos Carvalhal já jogavam assim, o FC Porto de Sérgio Conceição e o Benfica de Jorge Jesus replicaram o sistema para defrontar os rivais. Porquê? A explicação envolve encaixes táticos (não se preocupe, isto está escrito em português e não em ‘tatiquês')

Zona Mista

"Todos os dias é uma certeza: pensas num nome, depois perdes um, dois jogadores. Uma coisa é um infetado, outra coisa são 10, 11 jogadores. Sou impotente perante isto, não tenho força para reverter a covid-19"

Jorge Jesus, treinador do Benfica, perante as dificuldades que tem tido para trabalhar em pleno surto de covid-19 entre o plantel e a sua própria equipa técnica. Os encarnados vão esta segunda-feira a jogo sem 10 jogadores - ainda tentaram adiar o encontro, mas o Nacional não quis.

O que aí vem

Segunda-feira, 25

⚽️Na I Liga, há segunda-feira gorda: B SAD - Tondela (14h30, Sport TV2), Rio Ave - Santa Clara (16h30, Sport TV1), Benfica - Nacional (17h, BTV) e Farense - FC Porto (20h15, Sport TV1)

⚽️Dia de clássico B na II Liga: FC Porto B - Benfica B (15h, Porto Canal)

⚽️Mourinho e o seu Tottenham jogam em casa do Wycombe Wanderers, para a Taça de Inglaterra (19h45, Sport TV3)

🏀Se aguentar o sono, na NBA há Indiana Pacers - Toronto Raptors (0h, Sport TV3)

Terça-feira, 26

⚽️I Liga: Sp. Braga - Gil Vicente (19h45, Sport TV) e Boavista - Sporting (21h15, Sport TV1)

⚽️Na Premier League, o Southampton recebe o Arsenal, de Cedric (20h15, Sport TV3) e o West Bromwich o Manchester City, de Bernardo, Cancelo e Rúben Dias (20h15, Sport TV2)

Quarta-feira, 27

⚽️Na Taça de Portugal, o Marítimo recebe o Estoril Praia (20h15, Sport TV1)

⚽️Dia de longa jornada de Premier League, com destaque para o Chelsea - Wolverhampton (18h, Sport TV2) e o Manchester United - Sheffield United (20h15, Sport TV2)

⚽️Na Taça de Itália, Cristiano Ronaldo e a sua Juventus recebem o Spal, nos quartos de final (19h45, Sport TV5)

Quinta-feira, 28

⚽️Benfica e B SAD jogam nos quartos de final da Taça de Portugal (21h15, TVI)

⚽️Na Premier League, há jogo grande: Tottenham - Liverpool (20h, Sport TV2)

🏀Miami Heat - LA Clippers (0h, Sport TV2) e Detroit Pistões - LA Lakers (oh, Sport TV3), mais dois jogos da temporada regular da NBA

Sexta-feira, 29

⚽️Segue a Taça de Portugal: Sp. Braga - Santa Clara (19h45, Sport TV2) e Gil Vicente - FC Porto (20h45, TVI)

⚽️Na Ligue 1 há um Lyon - Bordéus (20h, Eleven3)

Sábado, 30

⚽️Nova jornada da I Liga, com o Nacional - Famalicão (15h30, Sport TV1), Tondela - Farense (18h, Sport TV1) e Portimonense - Boavista (20h30, Sport TV1)

⚽️Final da Taça Libertadores, entre o Palmeiras, de Abel Ferreira, e o Santos (20h, Sport TV2)

⚽️Na Premier League, o destaque do dia é o Arsenal - Manchester United (17h30, Sport TV2)

⚽️A Juventus de Cristiano Ronaldo joga em Génova, em casa da Sampdoria, para a Serie A (17h, Sport TV3). Antes há Bolonha - AC Milan, de Rafael Leão e Diogo Dalot (14h, Sport TV3)

⚽️Na Bundesliga, siga o RB Leipzig - Bayer Leverkusen (17h30, Eleven2)

Domingo, 31

⚽️Na I Liga há V. Guimarães - Marítimo (15h, Sport TV1) e Santa Clara - B SAD (17h, Sport TV1)

⚽️Na Premier League, o Tottenham de José Mourinho joga em Brighton (14h, Sport TV2)

⚽️Em Espanha, o Barcelona recebe o Athletic Bilbao, carrasco na final da Supertaça (20h, Eleven1), agora para a La Liga

🏀NBA: Denver Nuggets - Utah Jazz (20h30, Sport TV2) e Washington Wizards - Brooklyn Nets (0h, Sport TV2)

🎾ATP Cup (22h30, Sport TV4)

Hoje deu-nos para isto

O meu primeiro herói futebolístico foi Éric Cantona e acho que nada teve a ver com futebol. Era aquela atitude, a gola da camisa para cima, que o distinguia de todos os engomadinhos, a forma como punha a mão na anca e festejava o golo que nem imperador romano. De tal forma que em criança cheguei a ter um gato chamado Cantona que, tal como o jogador, também teve várias vidas - embora fosse significativamente mais pachorrento.

Pois bem, há precisamente 26 anos aconteceu aquele golpe de kung fu, a resposta do francês a um adepto do Crystal Palace que lhe chamou “french bastard”, convidando-o pouco amigavelmente a voltar para a sua terra. Foi suspenso oito meses, condenado a 120 horas de serviço comunitário e a carreira nunca recuperou totalmente.

Já a sua lenda segue viva. Porque não houve mais ninguém como Cantona.

Leia também

Éric Cantona, o kung fu fighter

A 25 de janeiro de 1995, Éric Cantona assinou o pontapé mais famoso da sua carreira. E não foi para golo

Tenha uma boa semana, se puder proteja-se em casa do vírus e siga a Tribuna diariamente no site, no semanário Expresso e no Twitter, no Facebook e no Instagram: @TribunaExpresso.