Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE

De quem é o título do Sporting?

Partilhar

Um grupo de miúdos e de homens a festejar o que não se festejava há 19 anos, porque o futebol é do caraças

Um grupo de miúdos e de homens a festejar o que não se festejava há 19 anos, porque o futebol é do caraças

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Depois de ter estado em serviço nos festejos que foram de Alvalade ao Marquês, depois de ter visto imagens, vídeos, muitos comentários, de ter lido umas quantas coisas, de ter falado com muita gente, amigos, ou apenas conhecidos, cheguei à conclusão que:

O título do Sporting é o título dos pacientes e dos nervosos, dos apaixonados e dos que já não ligavam. É o título dos que escolheram acreditar sem ver, dos que deixaram de crer, dos que torciam e continuaram a torcer mesmo não chegando a lado nenhum, dos pais que esperavam e dos filhos adolescentes que nunca tinham sentido.

É o título dos que abraçaram humildemente o sofrimento como forma de vida, dos que aprenderam a saber perder.

É o título dos viscondes e dos cantoneiros, dos abastados e dos remediados, das pessoas com sobrenomes com dupla consoante e dos Silvas, é dos baby boomers, da geração X, dos millennials e da geração Z. É o título dos posts de Instagram da Dona Dolores. Da aletria do Bancada de Leão. É o título dos confiantes e dos que até final acreditaram que ia acontecer Sporting. É o título dos românticos mas também dos pragmáticos. É até o título dos que se portaram mal e o título dos que fugiram à responsabilidade.

É o título dos não burocratas, dos talentosos, dos que trabalham muito e são bons no que fazem sem precisar de ter passado pela universidade. É o título dos que fizeram all in mas que souberam ir passo a passo. Dos cínicos e dos que com desconhecidos se fundiram num abraço. É o título dos sarcásticos, dos bem-humorados, dos que não se levam muito a sério. É o título que esperavam aqueles que esperam o inesperado.

É o título de quem bebeu um copo a mais. Dos garotos e dos homens de barba rija. Dos que saíram para a rua e dos que ficaram em casa. Dos que sentiram um aperto no peito quando começou o "You Can't Always Get What You Want" naquele vídeo ("but if you try sometimes, well, you just might find...").

É o título dos que acabaram de chegar e de todos os que já cá não estão. É o título do meu sobrinho e é o título do meu tio António. É o título dos que se emocionam sem pedir desculpas - e não têm de o fazer. É o título de quem usa rastas e de quem usa polo, é o título de famílias inteiras e o da ovelha negra. É o título de Lisboa, do Porto, dos Açores e de Maputo.

Sejamos do Sporting, do FC Porto, do Benfica ou do Tondela, o título do Sporting também é o título do futebol. Ou do porquê de gostarmos tanto do futebol. Porque só podemos gostar de futebol se gostarmos das histórias que ele nos dá. Das possibilidades. Do impremeditável. Tudo o resto é sectarismo.

O que se passou

Depois da festa e ainda na ressaca, o Benfica infligiu ao Sporting a primeira derrota na Liga, num grande jogo de futebol de ataque, e o FC Porto garantiu o 2.º lugar.

O sucesso do Sporting também está nos pavilhões e depois do título europeu de futsal este fim de semana chegou o de hóquei em patins.

O Estádio do Dragão vai receber a final da Liga dos Campeões.

O Barcelona é o novo campeão europeu de futebol feminino.

Houve canoístas portugueses a brilhar na Taça do Mundo da Hungria.

O Leicester conquistou pela primeira vez a Taça de Inglaterra, já com 20 mil nas bancadas

Leia também

Sporting: como se fez a estrelinha do campeão

Uma época é feita de momentos, uma conquista também e entre os muitos que fizeram deste Sporting o novo campeão nacional, a <strong>Tribuna Expresso</strong> escolheu 16 eventos-chave para resumir a história de quem levou o título para casa, 19 anos depois. O vídeo, em formato de animação, com ilustrações e sons, resume a temporada da equipa de Rúben Amorim até à confirmação da conquista

Leia também

Chuva de golos molha-parvos

Bruno Vieira Amaral sobre o Benfica-Sporting: "Confundir, a esta altura do campeonato (literalmente), muitos golos com emoção e irresponsabilidade com qualidade técnica, é ignorar propositadamente o facto central de toda a narrativa: o dérbi do último sábado decorreu num relaxado ambiente pós-coital"

Leia também

“Antigamente os sócios iam ver os treinos e o Allison, quando via que estavas a facilitar, chegava ao pé de ti e só dizia: "Don't fuck me"

Na primeira parte desta entrevista à <strong>Tribuna Expresso</strong>, Carlos Xavier recorda a infância passada em África, onde começa a paixão pelo desporto, e o início da carreira de jogador já em Portugal, para onde veio viver com os pais e irmãos, aos 12 anos. Depois do Casa Pia e da chegada ao Sporting, lembra a ida forçada para a Académica, em 1986/87, onde jogou com o irmão gémeo Pedro Xavier, e os anos em Alvalade, antes de rumar Espanha

Leia também

"Acredito que quem esteve envolvido na invasão a Alcochete está arrependido, ainda para mais com a história que o clube está a atravessar"

Carlos Xavier conta, nesta segunda parte da entrevista à <strong>Tribuna Expresso</strong>, por que razão se arrependeu de ter saído da Real Sociedad para regressar ao Sporting, e de como Humberto Coelho lhe passou a pasta do futebol de praia. Fala do golfe e da cozinha, dos negócios da restauração em que se meteu e que já não tem, e recorda o momento triste da carreira, quando viu um <em>very light</em> matar um adepto. Deixa ainda um recado ao Sporting: Rúben Amorim não pode sair

Leia também

Deu jeito Palhinha entrar para o meio-campo do Sporting deixar de ser uma auto-estrada, daquelas sem SCUTs, radares, nada (por Diogo Faro)

O humorista acho que Daniel Bragança ainda estava bêbado daquela meia Sommersby que bebeu nos festejos durante o dérbi com o Benfica

Leia também

Dizem que Pizzi não aparece nos jogos grandes e ele: "Ai é? Então esperem até apanhar jogadores do Sporting com 1.5g de álcool no sangue"

Vasco Mendonça analisou a exibição do Benfica no dérbi com o Sporting e acredita que o passe que Pizzi fez para o Seferovic devia ser incluído no plano nacional de visionamento de futebol. Não existe? Crie-se um

Leia também

Toni, está bem que não há calças para rasgar, mas os joelhos também não são para estragar (pede Lá em Casa Mando Eu)

Catarina Pereira fica muito angustiada cada vez que Toni Martínez se atira para o chão a festejar, tal como aconteceu no primeiro golo frente ao Rio Ave

Zona mista

...

Não é engano. Isto é o que Sérgio Conceição tem dito aos jornalistas nos últimos jogos, seja nas conferências de antevisão aos jogos, seja nas flash interviews após os mesmos ou nas conferências de imprensa que se seguem. Ninguém sabe se é protesto, se é falta de vontade, se blackout, se um bate pé. Mas isto, já lá dizia a minha avó quando me tentava convencer a ir às festas lá da terra: quem não é visto, não é lembrado.

O que aí vem

Nota: Adorávamos colocar aqui os horários da ultima jogada da Liga, mas à hora de envio desta newsletter a Liga ainda não tinha divulgado os ditos. Jogar-se-à algures na quarta-feira, é tudo o que se sabe, talvez, quem sabe até na terça-feira ou na quinta, nisto mais vale levantar as mãos e entregar aos céus.

Segunda-feira, 17

⚽️ Na Serie A, joga-se o Verona - Bolonha (19h45, Sport TV1)

🎾 No ténis, começa o ATP 250 de Genebra, que marca o regresso de Roger Federer (11h, Sport TV3)

Terça-feira, 18

⚽️ Dia de Premier League, com destaque para o Manchester United - Fulham (18h, Sport TV2) e para o Chelsea - Leicester (20h15, Sport TV2)

⚽️🏆 Já a entrar na madrugada, há mais uma jornada de Libertadores e com treinadores portugueses: o Palmeiras de Abel recebe o Defensa y Justicia (23h15, Sport TV2) e o Independente del Valle, de Renato Paiva, joga em casa do Universitario (1h30, Sport TV1)

Quarta-feira, 19

⚽️🇮🇹 Final da Taça de Itália: Juventus - Atalanta (20h, Sport TV3)

⚽️🇫🇷 E final da Taça de França: Paris SG - Monaco (20h15, Sport TV5)

⚽️ Na Premier League, a armada portuguesa do Wolverhampton joga em casa do Everton (18h, Sport TV2) e o Liverpool tenta ainda chegar à Champions frente ao Burnley (20h15, Sport TV2)

Quinta-feira, 20

🎾 Ténis: ATP 250 de Lyon (10h, Sport TV4) e de Genebra (12h30, Sport TV5)

Sexta-feira, 21

🏁🇵🇹 Rali de Portugal (14h30 e 19h, Sport TV1)

🏒 E agora para algo completamente diferente: Rússia - Rep. Checa para o Mundial de hóquei no gelo (14h15, Sport TV5)

Sábado, 22

⚽️💥 Na última jornada da Liga BPI há derbi e decisivo. O Benfica só precisa de empatar para levantar o título, já o Sporting está obrigado a ganhar (17h, 11)

⚽️ Na Bundesliga, o Eintracht Frankfurt de André Silva, ainda à procura da Champions, recebe o Friburgo (14h30, Eleven 4)

🏑 FC Porto - Benfica no campeonato de hóquei em patins (14h, Porto Canal)

🏎️ Na Fórmula 1, é fim de semana do mítico GP Mónaco. Sábado é dia de qualificação (14h, Eleven 3)

Domingo, 23

⚽️🇵🇹 Final da Taça de Portugal entre Sp. Braga e Benfica (20h30, TVI)

⚽️ Na La Liga joga-se a última jornada com o campeão por definir. O At. Madrid, na frente, joga com o Valladolid (17h, Eleven 3) e o Real Madrid recebe o Villarreal (17h, Eleven 4)

⚽️ Há também campeão para descobrir na Ligue 1. O Lille, com um ponto de vantagem, joga com o Angers (20h, Eleven 4) e o PSG joga em casa do Brest (20h, Eleven 2)

⚽️ Na liga inglesa na última jornada há Wolverhampton - Man. United (16h, Sport TV2), Manchester City - Everton (16h, Sport TV1) e Liverpool - Crystal Palace (16h, Sport TV3)

🏎️ F1: GP Mónaco (14h, Eleven 3)

Hoje deu-nos para isto

Em agosto escrevemos sobre a bizarria que é estar num estádio a assistir à final da Taça de Portugal sem uma alma lá dentro e deixámos o desejo sincero de que em 2021 todos nos pudéssemos encontrar de novo, fosse no Jamor entre bifanas e sardinhas ou em Coimbra para beber um copo, todos juntos.

Pois bem, nove meses depois já há a esperança que aumenta a cada picada no braço mas os estádios continuam fechados, vamos todos de novo a Coimbra mas estaremos de novo no silêncio de um domingo às 20h30, Sp. Braga e Benfica em campo e uma Taça de Portugal para salvar a época de qualquer um dos dois clubes.

Leia também

Um dia num estádio vazio em Coimbra: o B-B-B-Bennie and the Jets, os insultos em dolby surround e a saudade de ti, adepto comum

Foi uma final da Taça de Portugal como nenhuma outra, sem adeptos, sem Jamor, sem a solid wall of sound do estádio cheio. Uma final em que todos os sons foram individuais, desconcertantes para quem assiste, em que o bom e o mau é mais difícil de esconder