Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE

Barcelona: quem viveu, já viu e quem viver, verá

Partilhar

Jordi Alba desalentado e atrás dele uma bancada do Camp Nou quase às moscas. Assim está o Barcelona

Jordi Alba desalentado e atrás dele uma bancada do Camp Nou quase às moscas. Assim está o Barcelona

NurPhoto/Getty

Nestas alturas de aparente desalinhamento dos astros futebolísticos, gosto de relembrar um dos (muitos) chavões de Ypiranga Pitiguary, personagem da telenovela brasileira “A Indomada”, ali dos finais dos anos 90. Como o nome pode atestar, Ypiranga era o megalómano prefeito da cidadezinha de Greenville e, cada vez que se lhe passava pela cabeça uma das inúmeras empreitadas de moralidade duvidosa, soía dizer, com uma intensa pausa presidencial, a frase “quem viver, verá”.

Quem não tem idade para se lembrar de excentricidades como só haver dois canais poderá dizer sobre o Barcelona que nunca se viu nada assim, mas pessoas como eu, que ainda se recordam vagamente da telenovela “Tieta” passar pela primeira vez em Portugal, poderão dizer antes que “quem viveu, já viu”.

Ou terá visto?

Faço rewind até ao início do século e relembro aquele Barcelona pós-Van Gaal. Em 2000/01, na ressaca da venda de Figo ao Real Madrid, o Barcelona foi 4.º na liga espanhola, nem sequer passou da fase de grupos na Liga dos Campeões, foi treinado do Lorenzo Serra Ferrer e Carles Rexach. Esbanjou os milhões de Figo em Marc Overmars e Emmanuel Petit.

No ano seguinte contratou Saviola ao River Plate por €35 milhões e Geovanni ao Cruzeiro por €21 milhões. Voltou a ser 4.º na La Liga e pouco tempo depois os dois jogadores estavam no Benfica.

A temporada de 2002/03 foi o fundo do poço: saíram glórias como Abelardo, Sergi ou Rivaldo e Riquelme não seria em Camp Nou aquilo que era na Bombonera. O Barcelona foi 6.º, teve três treinadores. No final da temporada, Gaspart saiu, Joan Laporta ganhou as eleições. No ano seguinte trouxe Rijkaard para o banco e foi buscar Ronaldinho Gaúcho ao PSG. Um ano depois o Barcelona era novamente campeão, no final da terceira época de Rijkaard juntou a Liga dos Campeões ao título de campeão espanhol.

Portanto: já estivemos lá, já vimos um Barcelona a definhar para depois voltar ao topo. Já vimos todo este filme de más contratações, decisões impensadas em gabinetes de luxo. Mas talvez nunca com esta magnitude, em que uma arrepiante crise financeira dá as mãos à crise de resultados, em que o melhor jogador da história do clube é obrigado a sair de mãos na cara a chorar, numa conferência de imprensa humilhante para um clube que nos habituámos a ver como o garante da sobrevivência do futebol anti-moderno.

O Barcelona é 9.º na liga espanhola, abdicou das ideias, Camp Nou, outrora casa do melhor show à face da terra, está às moscas, e o clube vai-se arrastando com um treinador interino enquanto não se decide Xavi, o príncipe Xavi, rezando os adeptos que ele venha por amor e vocação e seja mais uma roda dentada da engrenagem onde Michels ensinou Cruijff que por sua vez ensinou Guardiola que por seu turno ensinou Xavi.

Onde está a esperança? Nas ideias made in Barcelona e em La Masia, como sempre. Se Rijkaard e Guardiola abriram as portas a Puyol, Mesi, Xavi, Iniesta e Busquets, Xavi terá Ansu Fati, Gavi, Nico Gonzélez e Pedri, que não sendo das escolas do Barcelona, é aos 18 anos o jovem mais adulto a jogar à bola que me consigo lembrar. Já vimos isto e o Barcelona voltou a ser o Barcelona. Mas se vai correr bem a Xavi como correu a Rijkaard e Guardiola? Quem viver, verá.

O que se passou

Depois da Taça da Liga a meio da semana, o regresso da I Liga trouxe vitória gorda do FC Porto, um empate ao cair do pano para o Benfica e um triunfo made in Coates para o Sporting.

Na Premier League houve um português no banco do Tottenham (que entretanto já saiu) e alguns em campo para o Manchester United - e no final Cristiano Ronaldo e Bruno Fernandes sorriram.

Por cá, uma notícia triste: Tengarrinha partiu cedo demais, aos 32 anos, depois de lutar contra um linfoma de Hodgkin, diagnosticado em 2017.

Leia também

“No Granada, por eu ser português, os fisioterapeutas diziam na brincadeira: ‘Qualquer dia empurramo-vos e vocês vão todos para o mar’”

Luís Martins está a jogar na MLS, a liga profissional norte-americana de futebol, desde 2019 e não pensa regressar a Portugal tão cedo. Se a primeira experiência fora, no Granada e Osasuna de Espanha, não correu bem, com lesões que atrapalharam o percurso, agora a vida em Kansas City está a revelar-se uma boa surpresa para o defesa esquerdo, que também passou pelo Marítimo e pelo GD Chaves. Confessa que a maior frustração na carreira foi não ter conseguido vingar no Benfica e que vai jogar até aguentar. Ou o aguentarem

Leia também

A minicrise está aí; Meïté, infelizmente, também

O país debate-se com uma série de crises e até o Benfica está a experimentar mais uma das suas minicrises, das que geram “preocupação” e motivam “avisos” e “alertas”. Bruno Vieira Amaral diz que bom seria que tudo isto não passasse de um surto de Meïté

Leia também

Paulinho não marca. Mas antes do golo, Rúben Amorim quer que ele faça a equipa jogar - e ele está a fazê-lo

O analista e comentador Blessing Lumueno acredita que Paulinho tem melhorado o jogo ofensivo do Sporting a nível coletivo, mas explica como a sua tomada de decisão no momento de rematar à baliza está a afetar o rendimento na hora de marcar golos

Leia também

O Manchester United de Solskjaer. Ou como ninguém espera por gigantes presos no passado

Um exemplo paradigmático de Ole Gunnar Solskjær no Manchester United é o milagre de Paris, há dois anos, quando a desfalcada equipa inglesa conseguiu uma vitória épica sobre o favorito Paris Saint-Germain. Analisar resultados sem ter em conta as circunstâncias que os provocam leva demasiadas vezes a decisões imediatistas e esse jogo, escreve o analista de futebol Tomás da Cunha, agarrou o treinador norueguês ao cargo — até hoje, que tem melhor plantel, mas continua a não conseguir montar uma equipa. E a Premier League, no topo, já não aceita a mediania coletiva

Leia também

Diogo Faro quer uma estátua para Coates. Ou que todos os sportinguistas que tenham filhos deem o nome Sebastião aos rebentos

O humorista viu o Sporting-Vitória, que acabou com a vitória dos leões com um golo de Seba Coates, e refletiou sobre a pouca correria de Palhinha e ainda sobre a cabala que assola Pedro Gonçalves

Leia também

Entrevista ao sócio do Bayern que não quer o patrocínio da Qatar Airways: “Não podem comprar o nosso silêncio em relação a direitos humanos”

Michael Ott tem 28 anos, é advogado estagiário na Alemanha e sócio do Bayern desde 2007, considerando-se "um membro do clube, não um cliente". E vai levar à assembleia-geral anual do clube, a 25 de novembro, uma moção para terminar com uma situação que, em conversa com a <strong>Tribuna Expresso</strong>, descreve como "vergonhosa": a "associação do clube ao Catar", Estado sobre o qual recaem "acusações de violação de direitos humanos e corrupção", o que é "incompatível com os valores" do Bayern

Leia também

A verdade de Joshua Cavallo, que estava farto de viver uma vida dupla: “Sou futebolista e tenho orgulho em ser gay”

O australiano do Adelaide United, de 21 anos, é o primeiro jogador profissional no ativo a assumir publicamente a sua homossexualidade. Fê-lo através das redes sociais, nas quais explicou que "lutava há seis anos" com esta decisão, pois "viveu a vida" com o pressuposto de que ser futebolista e gay "eram dois caminhos que não se cruzavam" e um "tópico nunca a ser discutido". Agora, admite que "pode ter um impacto negativo na carreira"

Zona mista

Dá-me algum gozo ser negra, futebolista e ter sucesso. Quero mostrar que também podemos

Jéssica Silva é uma mulher positiva, falou-nos de assuntos sensíveis muitas vezes de sorriso nos lábios, mas as suas palavras não são leves, são sim poderosas e lembram-nos que é sempre possível fazer mais, é sempre possível ser mais empático e que há ainda tanto por caminhar. Uma das melhores jogadoras da seleção nacional feminina tem muito para nos dizer e está tudo aqui

O que aí vem

Segunda-feira, 1

⚽ Na I Liga, a jornada fecha com o SC Braga - Portimonense (19h, Sport TV1) e o Moreirense - Paços de Ferreira (21h15, Sport TV2)

⚽ Em Inglaterra, o Wolverhampton de Bruno Lage (e de tantos outros portugueses) pode subir a 7.º na Premier League caso vença o Everton (20h, Sport TV3)

🎾 Arranca o último Masters 1000 do ano, em Paris (10h, Sport TV4)

Terça-feira, 2

⚽ Está de regresso THE CHAAAAAMMMPIONS e o Benfica joga em casa do Bayern (20h, Eleven1). Ambas as equipas também se defrontam na Youth League (15h, BTV)

Quarta-feira, 3

⚽ É a vez de FC Porto e Sporting jogarem na Liga dos Campeões. A equipa de Sérgio Conceição joga em casa do Milan (17h45, Eleven2) e os leões recebem o Besiktas (20h, TVI/ Eleven1)

⚽ Os duelos repetem-se na Youth League: Sporting - Besiktas (15h, Eleven1) e Milan - FC Porto (13h30, Eleven2)

🏀 Os 76ers recebem os Chicago Bulls na NBA (23h, Sport TV1)

Quinta-feira, 4

⚽ Depois da vitória na Bulgária, o SC Braga recebe o Ludogorets na Liga Europa (20h, SIC/Sport TV1)

🏀 NBA: Os Celtics jogam em casa dos Miami Heat (23h30, Sport TV1)

Sexta-feira, 5

⚽ Arranca a jornada 11 da I Liga, com o Gil Vicente - Arouca (19h, Sport TV2) e o Boavista - Famalicão (21h15, Sport TV1)

⚽ Na Premier League, o Aston Villa recebe o Southampton no início da ronda 11 (20h, Sport TV3)

Sábado, 6

⚽ Na I Liga, siga o Vizela - Estoril (15h30, Sport TV1), o Portimonense Belenenses SAD (18h, Sport TV1) e o Vitória - Moreirense (20h30, Sport TV1)

⚽ Na Premier League há dérbi de Manchester, com o United a receber o City em Old Trafford (12h30, Sport TV1)

⚽ Na La Liga também há dérbi: Real Madrid - Rayo Vallecano (20h, Eleven1)

🏁🇵🇹 O Mundial de MotoGP regressa ao Algarve e sábado é dia de qualificação (14h10, Sport TV2)

🏎️ Na Fórmula 1 também há qualificação, mas para o GP México (20h, Eleven3)

Domingo, 7

⚽ É dia dos três dias entrarem em campo na I Liga: Santa Clara - FC Porto (17h, Sport TV2), Paços de Ferreira - Sporting (19h, Sport TV1) e Benfica - SC Braga (21h15, BTV). Antes há ainda um Tondela - Marítimo (14h, Sport TV1)

⚽ O Tottenham de Nuno Espírito Santo joga em casa do Everton na Premier League (14h, Sport TV3)

⚽ Na Serie A há Milan - Inter (19h45, Sport TV2)

🏁🇵🇹 MotoGP: GP Algarve (13h, Sport TV2)

🏎️ F1: GP México (19h, Eleven3)

Hoje deu-nos para isto

Sábado seria o dia do 61.º aniversário de Maradona - e houve homenagem na Bombonera, porque ele vive - e já não falta tudo para fazer um ano daquela infame tarde em que nos chegou a notícia que ele não estava mais entre nós, o seu corpo pelo menos, porque as gambetas e os golos e o génio ficarão para sempre.

O ícone Maradona já foi assunto de filmes, de documentários, de canções e agora há também uma série da Amazon, que estreou no final do mês que acabou de acabar. El Pibe era o herói mais imperfeito e por isso é que a curiosidade nunca se vai extinguir.

Leia também

“Maradona, sueño bendito”: retratos da vida de um imortal

A série original da Amazon, que estreia esta sexta-feira, leva-nos por uma viagem ao planeta de Diego, desde o começo em campos de terra em Villa Fiorito até ao sofrimento com as drogas, passando pela glória desportiva. Um ano após a morte de Maradona, continua bem presente o legado de alguém que, mais do que uma estrela do futebol, é um ícone cultural

Tenha um bom feriado, uma boa semana e siga a Tribuna diariamente no site, no semanário Expresso e no Twitter e Facebook: @TribunaExpresso.