Tribuna Expresso

Perfil

Benfica campeão

Os homens do título: Grimaldo, o pé esquerdo com os olhos mais bonitos do campeonato

O defesa que ataca pela esquerda é o terceiro futebolista com mais assistências no campeonato, só atrás de dois médios criativos que jogam perto da baliza rival. As botas de Álex Grimaldo olham sempre para a frente. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

Tribuna Expresso e Tiago Pereira Santos

Partilhar

Às vezes, não faz falta recordar que Alejandro Grimaldo García passou pela formação do Barcelona. Ou até do Valencia, que tem revelado algum charme na fabricação de belos laterais esquerdos (Jordi Alba e José Gayà). O canhoto do Benfica tem aquele futebol muito espanhol, do passe curto, da diagonal com bola, do um-dois, do chegar à linha e cruzar para trás, tudo com doses industriais de arrojo. Um metro e setenta que não enganam ninguém: tem muito futebol naquele pé esquerdo (e na cabeça).

Aos 23 anos, parece ter afastado definitivamente aquela sombra tristonha que o acompanhava: falava-se sempre no estilo, na qualidade, mas que era um jogador propenso a lesões. Esta época, já depois de ter cumprido 28 jogos na liga passada, jogou os 34 encontros do campeonato, faltando apenas oito minutos para se colar ao estatuto de totalista (foi substituído com o Desportivo das Aves aos 82’, na 5.ª jornada). De acordo com os números da Goal Point, o rapaz natural de Valência foi o futebolista do Benfica com mais minutos na competição mais importante do país.

Se hoje já juntou na mochila três ligas portuguesas, uma Taça de Portugal, outra Taça da Liga e mais duas Supertaças Cândido de Oliveira, esta coisa de ganhar coisas importantes debutou em 2012, quando, orientados por Julen Lopetegui, os sub-19 da Espanha conquistaram o Campeonato da Europa, em Talin. Grimaldo foi titular durante o torneio, com a camisola ‘3’, o mesmo que usa nos encarnados.

Mas vamos ao osso, aos números. E comecemos, para contrariar a lógica de um homem que reside na defesa, pelo que se faz com bola: Grimaldo marcou quatro golos de bola corrida (três dentro da área) e, pasme-se, um deles com o pé direito. Mas a dimensão do futebol deste espanhol vê-se aqui: é o terceiro jogador com mais assistências na liga (12), só atrás de Pizzi (18) e Bruno Fernandes (13), sendo que 11 delas foram em bola corrida, ou seja sem o conforto da bola parada, que às vezes é só meter lá na molhada. Chegou à frente, combinou, definiu e executou. Ainda criou 8 ocasiões flagrantes e assinou 54 passes para golo. Remates, foram 39.

Gualter Fatia

Na hora de defender, Grimaldo desempenhou 130 ações defensivas no primeiro terço, 50 no terço intermédio e 26 no último terço. Ao todo, foram 61 desarmes (40 completos), 56 interceções, 209 recuperações da posse de bola e 60 alívios. Porque este jogo também se joga com a cabeça e com o engano, Grimaldo provocou 11 foras-de-jogo ao ataque adversário. Uma das suas lacunas, que estará eventualmente associada à altura, é a percentagem de duelos aéreos defensivos ganhos: 42% num total de 52 disputas pelo ar.

É, evidentemente, um jogador talhado para atacar, apesar de começar muito longe da baliza alheia. A qualidade na receção e passe (tac, tac) ajuda a equipa a crescer na hora de começar desde trás, pois não tem medo de receber, não se esconde. E decide rápido. Não é por acaso que grandes clubes europeus estejam de olho neste menino...

  • Os homens do título: Jonas, o revolucionário elegante

    Benfica campeão

    O avançado brasileiro, que chorou junto à linha enquanto esperava para entrar no último jogo, transformou-se numa das lendas do Benfica moderno, pela qualidade, elegância e golo. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: André Almeida, o lateral com a mira afinada

    Benfica campeão

    Apenas três homens fizeram mais assistências do que o lateral direito do Benfica no campeonato. Aos 28 anos, o homem que celebrou os dois golos na liga inspirado no Pai Natal e Rocky Balboa é uma das referências na Luz. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: João Félix, um killer com 19 anos

    Benfica campeão

    Ele tem a magia, mas também a objetividade perante o golo e a frieza do último passe. Rui Vitória usou-o de forma intermitente (e fora de sítio), com Bruno Lage explodiu. João Félix é uma das figuras maiores do título A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: Rafa, o extremo dos golos essenciais

    Benfica campeão

    Durante duas longas temporadas, os adeptos do Benfica pensaram que Rafa tinha perdido o jeito para o golo. Este ano, o campeão da Europa de 2016 veio provar que não e marcou mesmo alguns dos golos mais importantes da equipa na reta final do campeonato. E ainda deu uma mãozinha na defesa. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: Samaris, grego mais português não há

    Benfica campeão

    Começou como proscrito, atrás de Alfa Semedo na cadeia alimentar do plantel do Benfica. Mas com a chegada de Bruno Lage e a lesão de Fejsa, Andreas Samaris voltou ao onze para nunca mais sair. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: Pizzi, o carteiro da liberdade

    Benfica campeão

    É o homem que precisa de menos tempo para fazer uma assistência quando comparamos a liga portuguesa com os grandes campeonatos europeus, à frente de bons rapazes como Sancho, Sané, Hazard e Di Maria. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point