Tribuna Expresso

Perfil

Benfica campeão

Os homens do título: Jardel, o defesa com nome de avançado que ensina a virtude da paciência

Já lá vão quase nove anos com a camisola dos campeões nacionais e o trajeto é impecável: da frieza do anonimato à braçadeira. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

Partilhar

“Volto muito no tempo lá atrás quando era criança e brincava com os meus irmãos... Quando me vejo a entrar naquele palco fantástico e com a braçadeira, é a realização de um sonho. É inexplicável”

É uma daquelas carreiras fáceis de tirar o chapéu pelo mérito. Jardel Nivaldo Vieira chegou a Portugal em 2009, para jogar na II Divisão. Depois de algumas boas exibições no Estoril Praia, o central forte nos duelos e com uma qualidade com bola que foi aprimorando saltou para o escalão máximo. Bastou meio ano no Olhanense para convencer quem mandava no Benfica e lá mudou, a meio da época de 2010/11, para o Estádio da Luz.

Nos encarnados lecionou a virtude da paciência. Jogou muito pouco nos primeiros tempos, com grandes “rivais” como Sidnei, Garay e, mais para a frente, Lindelof. Mas ele, como se diz no futebol, comeu o seu queijinho e esperou. Não há notícias de polémicas, de azias ou insatisfações. Caras feias, idem. Jardel foi melhorando e o peso no balneário engordou. E ganhou a chave para entrar no palácio dos capitães.

Carlos Rodrigues

Esta época, em que conquistou o seu quinto campeonato, este defesa com nome de goleador jogou apenas 1599 minutos. De acordo com os dados da Goal Point, o brasileiro envolveu-se em 90 ações defensivas no terço do terreno defensivo, 28 no terço intermédio e apenas um no último terço. Garantiu 18 desarmes, 13 deles completos, 34 interceções e 48 alívios. O defesa experiente, de 33 anos, ganhou 75,2% dos 101 duelos aéreos defensivos e recuperou a posse de bola em 73 ocasiões.

Olhando para a frente, Jardel marcou apenas dois golos, em 20 remates, ambos dentro da área e de cabeça. O pé, generoso, ofereceu dois passes para finalização.

Em abril, diante do Eintracht Frankfurt, Jardel cumpriu o jogo 250 pelo Benfica. “É realmente um sonho para qualquer jogador realizar esse registo numa grande equipa da Europa, o maior de Portugal”, disse então. “Estou muito feliz de poder escrever essa marca na história do Benfica e para a minha vida é um orgulho enorme. É muito gratificante.”

  • Os homens do título: Jonas, o revolucionário elegante

    Benfica campeão

    O avançado brasileiro, que chorou junto à linha enquanto esperava para entrar no último jogo, transformou-se numa das lendas do Benfica moderno, pela qualidade, elegância e golo. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: André Almeida, o lateral com a mira afinada

    Benfica campeão

    Apenas três homens fizeram mais assistências do que o lateral direito do Benfica no campeonato. Aos 28 anos, o homem que celebrou os dois golos na liga inspirado no Pai Natal e Rocky Balboa é uma das referências na Luz. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: Pizzi, o carteiro da liberdade

    Benfica campeão

    É o homem que precisa de menos tempo para fazer uma assistência quando comparamos a liga portuguesa com os grandes campeonatos europeus, à frente de bons rapazes como Sancho, Sané, Hazard e Di Maria. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: Samaris, grego mais português não há

    Benfica campeão

    Começou como proscrito, atrás de Alfa Semedo na cadeia alimentar do plantel do Benfica. Mas com a chegada de Bruno Lage e a lesão de Fejsa, Andreas Samaris voltou ao onze para nunca mais sair. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: João Félix, um killer com 19 anos

    Benfica campeão

    Ele tem a magia, mas também a objetividade perante o golo e a frieza do último passe. Rui Vitória usou-o de forma intermitente (e fora de sítio), com Bruno Lage explodiu. João Félix é uma das figuras maiores do título A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point

  • Os homens do título: Rafa, o extremo dos golos essenciais

    Benfica campeão

    Durante duas longas temporadas, os adeptos do Benfica pensaram que Rafa tinha perdido o jeito para o golo. Este ano, o campeão da Europa de 2016 veio provar que não e marcou mesmo alguns dos golos mais importantes da equipa na reta final do campeonato. E ainda deu uma mãozinha na defesa. A Tribuna publica uma série de artigos sobre os futebolistas do Benfica que chegaram ao #37. Um por um, com estatística da Goal Point