Tribuna Expresso

Perfil

O dia em que...

20 anos depois do lance que marcou a carreira de Abel Xavier: "A bola bateu-me na mão, mas não tive intenção de fazer penálti"

Este domingo assinalam-se 20 anos desde esse duelo entre França e Portugal, que ficou decidido depois de um penálti cometido por Abel Xavier

Tribuna Expresso e lusa

Jose Manuel Ribeiro

Partilhar

Vinte anos volvidos de um dos lances mais controversos do futebol português, o antigo internacional Abel Xavier reitera que não teve intenção de cortar a bola com a mão, no jogo com a França, das meias-finais do Euro2000.

Este domingo assinala-se a passagem de duas décadas desse desafio, que ditou o fim do sonho da seleção nacional na competição, mas as memórias do lance estão bem vivas para Abel Xavier, que considera que, no contexto atual, a decisão do trio de arbitragem seria outra.

"A bola bateu-me na mão, mas não tive intenção de fazer penálti. Prova disso é que a falta não foi logo marcada. Passaram três minutos, com muita pressão dos jogadores franceses sobre o fiscal de linha, porque nem ele nem o árbitro tinham campo de visão para marcar a grande penalidade", recordou à Agência Lusa o ex-jogador.

A alegada falta de Abel Xavier aconteceu já no prolongamento, quando, aos 117 minutos, na sequência de um remate de Sylvain Wiltord, a bola embateu no braço do jogador português, levando o árbitro a apontar para a marca dos 11 metros, onde Zidane não desperdiçou a oportunidade para estabelecer o 2-1 final.

Sylvain Wiltord cruzou e a bola bateu no braço de Abel Xavier

Sylvain Wiltord cruzou e a bola bateu no braço de Abel Xavier

Action Images

Desse jogo em Bruxelas, Abel Xavier, ainda hoje, mantém a convicção que se fosse um lance semelhante na área francesa "a decisão não seria a mesma", lembrando que, na altura, a seleção gaulesa "tinha outro tipo de influência, que condicionava o jogo".

"A regra do golo de ouro tirou-nos qualquer hipótese de reação. Ficou um sabor amargo, porque tínhamos uma excelente equipa, com potencial para vencer. Acabou por ser um fechar de um ciclo para aquela geração incrível", lembrou.

O antigo defesa aumenta o nível de frustração com o desfecho desse jogo quando recorda que, minutos antes do lance fatídico, o guardião francês Fabien Barthez travou um cabeceamento seu, após cruzamento de Luís Figo, numa defesa que foi considerada a melhor desse Europeu.

"A história podia ter sido diferente. Mas, apesar de tudo, ficou, para sempre, um sentimento de grande empatia do povo português com esta nossa equipa. Tínhamos um lote de jogadores muito especiais e de grande qualidade. Costumo dizer que éramos a geração de ouro 'escovado' e esta que ganhou o Euro2016 é a geração de ouro 'polido', analisou sorridente.

Luís Figo, Abel Xavier e Vítor Baía incrédulos com a decisão do árbitro austríaco Gunter Benko

Luís Figo, Abel Xavier e Vítor Baía incrédulos com a decisão do árbitro austríaco Gunter Benko

Jose Manuel Ribeiro

Abel Xavier confessou que o facto de a equipa nacional ter conquistado o Euro2016 em França, numa final frente à seleção local, ajudou a amenizar uma mágoa que lhe perdurava desde Euro2000.

"Foi muito reconfortante que esta geração comandada por Fernando Santos, com muita humildade, derrubasse esse estigma que durou tantos anos. Ganhar o Europeu aos franceses, e em França, foi um alívio num peso que carregava. Só tenho que agradecer esse feito", desabafou

Abel Xavier, hoje com 47 anos, que agora é treinador de futebol, tendo como último desafio o comando da seleção de Moçambique.