Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

Blessing Lumueno

Blessing Lumueno

Treinador de futebol

O Tino é o médio defensivo que todas as grandes equipas precisam. Porquê?

O treinador Blessing Lumueno escreve sobre Florentino, o miúdo que está a despontar na equipa do Benfica com Bruno Lage, garantindo que está ali um futebolista para coisas maiores. Como a titularidade da seleção

Blessing Lumueno

VI-Images

Partilhar

No início da época, olhando para as opções que estavam disponíveis para o plantel principal, percebeu-se que o Benfica tinha quatro jogadores diferenciados vindos do Seixal: Tiago Dantas, João Félix, Jota e Florentino. E se com João Félix seria difícil não adivinhar a entrada imediata nas contas da equipa principal, a vida seria sempre mais difícil para Florentino com a quantidade de médios que foram contratados.

Não é de agora que está pronto para ser opção, tão pouco é de agora que demonstra as capacidades que tem demonstrado. Peca é por tardia a aposta no dono da posição 6 do Benfica. Ficou demasiadas vezes para trás, talvez por ser miúdo (?), mas tem mostrado que a idade é só isso mesmo: ele joga como se andasse na primeira divisão a passear há 5 anos.

Com a subida de Bruno Lage à equipa principal, adivinhava-se a chegada do Tino à liga, e não surpreende a forma como se mostrou bastante superior a qualquer um que jogou naquela posição nas duas últimas épocas. É o médio defensivo que as grandes equipas precisam, por jogarem fundamentalmente em organização ofensiva; qualidade em posse, agressividade nos momentos de perda. Intuição na forma como se coloca para defender em transição com muito espaço e poucos colegas.

Entra na equipa no período ideal para se afirmar, inequivocamente, como dono absoluto da posição, mas deveria ter tido no último par de anos o espaço para tapar os buracos que Fejsa lhe permitisse. Ainda não vimos, tendo em conta o nível de dificuldade os jogos, e tendo em conta o modelo de jogo actual e ainda em construção de Bruno Lage, tudo aquilo que pode oferecer. Mas chegará em breve ao nível em que se vai discutir, por a fasquia estar bem alta, quem deve jogar como médio mais recuado na selecção portuguesa.