Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

Duarte Gomes

Duarte Gomes

ex-árbitro de futebol

Pontapé de baliza. Odysseas levanta a bola para a cabeça de Rúben, que a devolve para as mãos do guarda-redes. É proibido ou pode fazer-se?

O ex-árbitro Duarte Gomes esclarece um lance duvidoso, protagonizado por Odysseas Vlachodimos e Rúben Dias no AC Milan-Benfica, a propósito das novas regras que regem o pontapé de baliza

Duarte Gomes

Icon Sportswire

Partilhar

Vamos lá a mais um esclarecimento?

No pontapé de baliza, a regra mudou: agora a bola não tem que sair da área de penálti: entra em jogo assim que for pontapeada e se mova claramente.

Com base nesta premissa, Vlachodimos, do Benfica, tem protagonizado uma forma inovadora de efetuar este tipo de recomeços: pontapeia a bola "picada" para a cabeça de Rúben Dias, que a devolve de imediato ao seu guardião. Este agarra-a.

Choca? Pode ser, mas para que conste... tudo certo. Tudo correto. Tudo legal.

Esse é um subterfúgio (inteligente mas legal) para explorar eventual lacuna na lei.

Ao ser pontapeada e mexer-se, a bola entrou corretamente em jogo, logo respeitou o que agora dispõe a Lei 16.

Porque a época vai arrancar, aqui ficam oito dicas de Duarte Gomes para não meter os pés pelas mãos - ou a cabeça

Este domingo há Supertaça, disputada entre Benfica e Sporting, e o comentador ex-árbitro refresca-nos a memória com as novas regras que acabaram de entrar em vigor. Para ler e reter e memorizar - para, enfim, argumentar

Como o lance envolve dois jogadores (no caso, GR e defesa), não se entende haver tentativa de ludibriar outra regra, a que proíbe atrasos deliberados. Isso só acontece quando há um ato de um só jogador.

Exemplo: defesa levanta a bola para a sua cabeça para a atrasar ao seu guarda-redes (ilegal, mesmo que o GR não a agarre).

No jogo de ontem, o árbitro terá pedido ao guardião grego para não voltar a fazer esse tipo de reposição. Errou, embora se perceba a sua confusão.

Até ordem em contrário (do IFAB), essa forma de recomeço é legal.