Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

Duarte Gomes

Duarte Gomes

ex-árbitro de futebol

Afinal, o tal pontapé de baliza de Odysseas e Rúben Dias não se deve fazer. Mas pode fazer-se. Confuso? Sim, mas o IFAB vai esclarecer

O IFAB - International Football Association Board - decidiu esclarecer as dúvidas sobre o novo pontapé de baliza, que permite que a bola seja jogada dentro da área e rapidamente devolvida para as mãos do guarda-redes, explica Duarte Gomes, ex-árbitro e autor da página de arbitragem "Kick Off"

Duarte Gomes

Partilhar

Pontapé de Baliza - Esclarecimento IFAB

Depois de alguma controvérsia relativa à forma como eram executados alguns pontapés de baliza (nomeadamente por Vlachodimos: bola picada para a cabeça do defesa, que depois a devolvia, permitindo que ele a agarrasse), o IFAB decidiu agora esclarecer que - por força das dúvidas existentes quanto à possibilidade do procedimento ferir não a letra mas o "espírito da lei" - haverá oportunamente uma reunião do seu Sub-Comité Técnico, no sentido de se pronunciar, em definitivo, sobre a questão.

Até que isso aconteça, a solução provisória encontrada foi "neutral":

- Por enquanto, este tipo de lances não serão nem permitidos nem penalizados.

Ou seja, se ocorrerem, o árbitro apenas ordenará a repetição do pontapé de baliza.

Porque a época vai arrancar, aqui ficam oito dicas de Duarte Gomes para não meter os pés pelas mãos - ou a cabeça

Este domingo há Supertaça, disputada entre Benfica e Sporting, e o comentador ex-árbitro refresca-nos a memória com as novas regras que acabaram de entrar em vigor. Para ler e reter e memorizar - para, enfim, argumentar

Opinião pessoal:

- A decisão do IFAB é oportuna e correta.

O procedimento, em si, é de legalidade técnica inabalável (isso é claro e evidente), mas a verdade é que explora uma lacuna na lei, cujo espírito é, precisamente, o de permitir que o jogo tenha mais dinâmica e menos perdas de tempo.

Fica a clarificação.