Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

João Almeida Rosa

João Almeida Rosa

Treinador de futebol

A Bola de Ouro recuperou com Messi a credibilidade que ele nunca perdeu sem ela: o melhor voltou a ser coroado como tal

O craque argentino ganhou a sua sexta Bola de Ouro – tornou-se o jogador na história que mais vezes venceu o troféu – numa versão consideravelmente diferente daquelas em que havia sido consagrado antes. Menos avançado, mais jogador, mas igualmente superior aos restantes

João Almeida Rosa

FRANCK FIFE

Partilhar

Pode parecer estranho, mas já foi em 2015 a última vez que Lionel Messi foi oficialmente considerado o melhor jogador de futebol do mundo. Sem beliscar o extraordinário rendimento de Cristiano Ronaldo, o principal responsável por esta interrupção no palmarés do argentino, soa até estranho que o jogador do Barcelona não fosse coroado como o melhor há já quatro anos seguidos.

Sobretudo porque, sem a formalidade dos prémios e a pressão que advém do ato de votar, a grande maioria dos adeptos e dos jogadores atira instintivamente o nome de Messi quando a questão é qual o jogador que melhor pratica esta modalidade que tanto consumimos.

O mundo do futebol passou, portanto, a ter dúvidas sobre o jogador que merece vencer o galardão de melhor do mundo, mesmo que não as tenha sobre quem ele é. Pelo meio, uma série de critérios, lógicas e tentativas de quebrar a rotina e o tédio imposto pela superioridade de um jogador em relação aos restantes.

Ninguém melhor do que Van Dijk, considerado o 2.º melhor nesta eleição de 2019, para rebater essas linhas de pensamento: “Não interessa se Messi não está na final da Liga dos Campeões, ele é o melhor jogador do mundo e acho que ele merece ganhar [a Bola de Ouro] enquanto jogar”, disse o defesa do Liverpool.

O mais comum argumento daqueles que aprovam a mudança de mãos da Bola de Ouro é que se deve premiar não o melhor em absoluto, mas aquele que foi melhor no ano em questão; o raciocínio é legítimo, apropriado e, diria, justíssimo.

O problema surge quando, na busca incessante por essa falsa meritocracia, limitam as opções aos jogadores da equipa que venceu o troféu coletivo mais importante da época.

De acordo com esse raciocínio, é então impossível que a melhor equipa não tenha no seu elenco o melhor jogador da atualidade. Para piorar ainda mais a situação, as competições que costumam servir de barómetro são a Liga dos Campeões ou o Mundial, provas a eliminar que, como todas as desse género, mais facilmente caem nas mãos das equipas que brilham pontualmente e não de forma continuada, como as que vencem competições de regularidade. Não só se quer impor que o melhor jogador do mundo tem de estar na melhor equipa do mundo como ainda se mede essa equipa através de um elemento tão redutor como os resultados de uma competição a eliminar.

YOAN VALAT/EPA

A contrariar essa tendência vincada nos últimos anos, a Bola de Ouro de 2019 foi entregue a Messi, que não venceu a Liga dos Campeões, mas quase derrotou praticamente sozinho a melhor equipa dessa prova nas meias-finais, apontando uma exibição magistral na primeira mão dessa eliminatória da Champions.

Foi, por isso, o próprio galardão que saiu vitorioso ao ser entregue ao argentino: a Bola de Ouro recupera assim parte da credibilidade perdida quando, por exemplo, deixou o capitão do Barcelona no 5.º lugar em 2018 – mesmo que nesse ano absolutamente ninguém achasse que existiam quatro jogadores melhores do que ele.

Sobre o jogador ou a época que protagonizou, já pouco há a dizer. Messi normalizou, a cada fim-de-semana, o excecional. Faz com que coisas absurdas pareçam simples e, além disso, apresenta-as com uma regularidade que, em última instância, prejudica a perceção que os outros têm dele porque eleva tanto as expetativas que torna difícil, até para si, superá-las.

Messi é, por isso, o seu único rival. Nós estamos cá para o apreciar e reconhecer.

Lionel M6ssi, o melhor jogador do mundo

Os rumores deram conta que a distinção já estava reservada para Lionel Messi e, pelos vistos, estava mesmo. O argentino ganhou a sexta Bola de Ouro da carreira numa gala que distinguiu, também, Megan Rapinoe (melhor jogadora), Matthijs de Ligt (melhor jogador jovem) e Alisson Becker (guarda-redes do ano). Cristiano Ronaldo, que não compareceu à terceira cerimónia seguida que não o distinguiu com prémios, ficou em 3.º lugar. Bernardo Silva foi 9.º e João Félix acabou no 28.º lugar. Venha daí e acompanhe a cerimónia aqui, ao minuto
  • Lionel M6ssi, o melhor jogador do mundo

    Futebol internacional

    Os rumores deram conta que a distinção já estava reservada para Lionel Messi e, pelos vistos, estava mesmo. O argentino ganhou a sexta Bola de Ouro da carreira numa gala que distinguiu, também, Megan Rapinoe (melhor jogadora), Matthijs de Ligt (melhor jogador jovem) e Alisson Becker (guarda-redes do ano). Cristiano Ronaldo, que não compareceu à terceira cerimónia seguida que não o distinguiu com prémios, ficou em 3.º lugar. Bernardo Silva foi 9.º e João Félix acabou no 28.º lugar. Venha daí e acompanhe a cerimónia aqui, ao minuto