Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

Duarte Gomes

Duarte Gomes

ex-árbitro de futebol

A ponta do nariz, a unha do pé, o tamanho da bota e a sua influência no fora de jogo: a (nova) crise do futebol português

O ex-árbitro Duarte Gomes escreve sobre "refilanços, suspeitas e guerrilha" na utilização das linhas de fora de jogo pelo videoárbitro: "A única pergunta que cabe aqui fazer é: de que provas é que o futebol português precisa mais para travar de vez esta palhaçada?"

Duarte Gomes

NurPhoto

Partilhar

Nestas coisas da bola cá do burgo, tem que haver sempre uma pedrinha no sapato para entreter a rapaziada. A mais recente é esta, por isso nada como pisar e repisar este assunto.

Ninguém terá duvidas: as linhas tecnológicas que avaliam foras de jogo têm sido, nas últimas semanas, a última Coca-Cola no deserto. A última bolacha do pacote. A arma de arremesso perfeita para que todos se divirtam a fazer o habitual: apontar o dedo ao demérito do adversário, evidenciar tremendos prejuízos desportivos e, claro, reforçar - assim de surra - a suposta má-fé de quem comanda a coisa, na sala dos videoárbitros.

A linha de pensamento e a forma de estar é a mesma há anos. Muda o tom e o conteúdo, mudam também os atores. What else is new?

Já aqui vos recordei daquela imagem muito distante (mentirinha, é da época passada, mas achei que o sarcasmo reforçava o teor da mensagem) em que todos brigavam, barafustavam e gritavam, por não haver linhas de fora de jogo ao dispor do VAR, na Cidade do Futebol.

Na altura, os lances eram avaliados a "olho nu" e isso gerou refilanços, suspeitas e guerrilha que todos bem dispensávamos. Lembram-se?

Por muito que se dissesse que essa lacuna devia-se a fatores externos - falta de sistema credenciado e várias falhas técnicas e operacionais, relativa aos estádios e até às câmaras de TV - a verdade é que o mundo preferia a negação da razão e a valorização da emoção.

Dá mais jeito a quem lidera e afaga o coração do adepto que sofre.

A FPF ouviu e investiu (mais uma vez) e lá trouxe para o país uma linha absolutamente fidedigna. Leiam bem esta parte: a mesma que ainda hoje é usada pela UEFA e FIFA nas grandes competições internacionais. Percebido?

Dave Thompson - EMPICS

Pensou-se que as polémicas relativas à análise de offsides desapareceriam, mas o suposto ponto final não passou, claro está, de um novo ponto de partida.

A linha mais moderna que existe é, de facto, tecnológica, mas continua a depender de mão humana nas suas premissas mais importantes:

- o ponto exato em que começa o toque na bola para o último passe e a fixação daqueles que correspondem à última parte do corpo de defesa e atacante em causa.

Essa indicação é dada pelo VAR ao seu Técnico de Imagem, em função da perceção mais honesta que tem sobre esses limites. É falível? Sim. Claro que é. E é porque o tal "olho nu" não tem a acuidade microscópica de frames televisivos, a que podem corresponder diferenças de vários centímetros.

Mas é falível em todos os jogos, de todas as equipas, em todos os momentos. E falível na liga portuguesa, inglesa, italiana, espanhola ou alemã. E é esta verdade incontornável que as baboseiras comunicacionais e a cegueira clubista impedem de ver.

Se antes a perceção visual de um nariz adiantado era um fora de jogo escandaloso que entregava títulos, hoje a mesma indicação ou é um atentado ao futebol (porque o jogo não se deve medir ao milímetro) ou resulta de clara má-fé de um VAR que está ali só para fazer um frete ao clube Y ou X.

Honestamente... há quem entenda tamanha bipolaridade?

Dito isto, há uma verdade incontornável: se o futebol é hoje uma indústria de milhões e um golo marcado/sofrido pode alterar substancialmente as regras desse mercado, quanto mais credíveis e objetivas forem as regras, mais transparentes serão os resultados finais. Certo. De acordo.

Para falar disto a sério, sem as calimerices habituais que causam náuseas, a questão deve centrar-se na busca pelo ideal:

- será possível encontrarmos uma tecnologia de fora de jogo semelhante à que se usa, por exemplo, na linha de golo (como o Hawk-Eye)? Uma que não dependa de intervenção humana?

Será possível encontrarmos um sistema fidedigno que dê justiça total à Lei 11, sem que ela pese sobre os ombros de árbitros assistentes e VARs?

Estou convencido que sim.

Não há nada que não se consiga em termos informáticos e acho que estará para breve uma solução a este nível. A acontecer, ela nunca diminuirá o ruído estéril sobre "os adversários que são levados ao colo" ou "os árbitros que roubam sempre os mesmos".

Apenas obrigará a uma ginástica mental mais criativa, que transfira o choradinho estratégico para outras paragens.

O dinheiro que se investe a tentar melhorar o milímetro invisível que hoje gera tanta discussão devia vir, todinho, das multas que punissem exemplarmente condutas comunicacionais que semeiam a discórdia e arruinam o bom nome da indústria. São mal-intencionadas, ofensivas, condicionantes, profundamente parciais (estupidamente parciais) e semeiam o ódio, a confusão e a suspeição na opinião pública.

A única pergunta que cabe aqui fazer é: de que provas é que o futebol português precisa mais para travar de vez esta palhaçada?

Nota de rodapé - Há duas épocas (por aí) um jogador da Premier League postou uma foto no seu Instagram, com a seguinte legenda: "Ganhámos, mesmo contra 14". Foi multado com 50.000 libras (58.340€) e castigado uma série de jogos. O seu clube também condenou veemente a conduta. Argumento: colocou em causa a integridade da competição, contribuíndo para desvalorizar o produto que todos querem elevar. Acham que ele repetiu a graçola?

Haja coragem, meus senhores.