Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Opinião
Duarte Gomes

Duarte Gomes

Ex-árbitro de futebol

Sobre o clássico da Luz... vamos a factos? Artur Soares Dias é a figura com mais currículo de todas as que subirão ao relvado

Duarte Gomes escreve sobre Artur Soares Dias, o experiente árbitro escolhido para apitar o clássico entre Benfica e FC Porto, esta noite (18h30, BTV): "São dezassete anos consecutivos a dirigir jogos do maior escalão nacional. Não é uma opinião nem um ponto de vista. É um facto"

Duarte Gomes

JOSE COELHO

Partilhar

Artur Soares Dias, que dirigirá o clássico, é muito provavelmente a figura com mais currículo de todas as que subirão ao relvado. Não é uma opinião nem um ponto de vista. É um facto.

O portuense está na primeira categoria desde 2004, ou seja, há dezassete anos. São dezassete anos consecutivos a dirigir jogos do maior escalão nacional. Não é uma opinião nem um ponto de vista. É um facto.

Soares Dias subiu a internacional em 2010, ou seja, há onze épocas. Onze épocas seguidas a arbitrar competições além-fronteiras. Pertence atualmente ao grupo de elite, que é o mais alto de todos. O topo da hierarquia. Não é uma opinião nem um ponto de vista. É um facto.

Só nesta época, o juiz da AF Porto já arbitrou trinta e nove jogos, doze dos quais por indicação da UEFA ou FIFA: quatro da Liga dos Campeões, quatro da Liga Europa, dois da Liga das Nações, um de qualificação para o Mundial e outro da Superliga grega. Não é uma opinião nem um ponto de vista. É um facto.

Ao longo da sua carreira, dirigiu oito partidas entre SL Benfica e FC Porto (hoje fará a nona).

Quality Sport Images

Ao todo conta com dezanove clássicos no currículo, entre os quais seis dérbis da segunda circular. Com o jogo da Luz, passará a somar vinte clássicos entre os "três grandes". Não é uma opinião nem um ponto de vista. É um facto.

Lá fora, arbitrou jogos da Liga Europa, da Liga dos Campeões e de apuramento para europeus e mundiais (seleções nacionais).

Esteve presente como árbitro principal no Mundial de Sub/20 (na Nova Zelândia) e no Mundial de Sub/17 (na Índia).

Como VAR atuou na Taça das Confederações (em 2017), no Mundial de Clubes (em 2017), no Mundial da Rússia (em 2018) e no Mundial de Sub/20 da Polónia (em 2019).

No próximo verão, representará a arbitragem portuguesa no Campeonato da Europa e nos Jogos Olímpicos de Tóquio (ambos como árbitro).

Em Portugal, já dirigiu várias finais (Taças de Portugal, Supertaças e Taças da Liga), soma prémios de imprensa e vários primeiros lugares no ranking dos árbitros. Não é uma opinião nem um ponto de vista. É um facto.

Um longo CV mas... vai errar

Este currículo é aqui elencado por uma única razão: para demonstrar que o profissional que estará no SL Benfica-FC Porto é, de longe, o melhor. Tem experiência, qualidade e categoria reconhecidas, há vários anos, pelas instâncias nacionais e internacionais.

Não é um novato na matéria nem alguém cuja competência ou integridade se possa colocar em causa. Não é um menino de coro nem um jovem a dar os primeiros passos na carreira. É um árbitro feito, um árbitro a sério.

O Artur, que conhece esta dinâmica (a dos balneários, apitos e cartões) desde o dia em que nasceu, é a pessoa certa no lugar certo e é muito importante que ninguém duvide disso.

Isso não significa que não vá errar. Pelo contrário. Vai errar sim. Vai errar mas também vai acertar. E vai acertar muito. Isso também é factual, certo e garantido.

A qualidade da sua arbitragem dependerá muito dos restantes intervenientes no jogo. Dependerá da atitude, profissionalismo e caráter que terão dentro e fora das quatro linhas.

Desses espera-se entrega, luta pela vitória, garra, compromisso... e respeito. Respeito pelas decisões.

Não se trata de gostar ou não gostar, de concordar ou discordar, de elogiar ou criticar. Trata-se de respeitar, porque no desporto e na vida o respeito é o sentimento mais nobre que as pessoas podem ter umas pelas outras.

Já quem está cá fora, a torcer pelos seus e à espera da vitória sobre o adversário, deve perceber que tudo não passa de um jogo de futebol.

Num contexto tão adverso e desafiante como aquele que vivemos hoje, é importante que tenham esse distanciamento e lucidez.

Importância ao que é importante e há coisas muito mais importantes na vida.