Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Opinião

O processo Amorim

Rúben Amorim caminha para ser o melhor de sempre na história do Sporting, escreve Pedro Boucherie Mendes sobre quem, no fundo, ainda é um enigma pelo que fala, como fala e o que diz com "o ar bem dispostão de mosqueteiro de quem esperamos a qualquer momento que meta o chapéu com as plumas na cabeça". Porque só Rúben Amorim conhece o seu plano

Pedro Boucherie Mendes

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

Quem for dado a pensar nestas coisas pode embater numa conjetura que fica como uma bola saltitona de infinita potência: o lisboeta Rúben Amorim é bem capaz de vir a ser o melhor treinador na história do futebol do Sporting.

Lançada a provocação, lembremos que os sportinguistas andam a vida toda às cavalitas de craques que jogam, não de treinadores. Recuando três ou quatro décadas, lembremos Jordão, Oliveira, Futre, Balakov, Figo, Ronaldo, Nani, Bruno Fernandes, os guarda-redes Schmeichel e Meszaros ou agora Coates.

Destes, muitos nunca foram campeões, porque há 70 anos que o clube não é dominador e esses e outros craques nunca conseguiram contagiar companheiros, torná-los melhores e imunes à sportinguite que impede a reprodução das vitórias. Até que aconteceu Rúben Amorim e, miraculosamente, pela primeira vez em muito, muito tempo, o Sporting não perde jogos que aparentam ser fáceis e vence outros, que se afiguravam complicados. Pela primeira vez desde que me lembro, o sportinguista consegue ver a equipa sem medo do descalabro habitual.

Antes de Amorim, e mesmo nas nossas melhores fases, o Guimarães de sábado passado haveria de ter marcado um golo do empate, mas não, o Sporting ganhou 1-0. Porque antes de Amorim, era como se cada bom resultado implicasse uma contrariedade de descompressão, como bónus aos deuses. Nada disso, em outubro o Sporting venceu os seis jogos que disputou.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler