Tribuna Expresso

Perfil

  • Senna, o tetra é teu

    Futebol nacional

    No primeiro dos artigos que vamos publicar ao longo desta semana sobre que memórias têm os jornalistas da Tribuna do primeiro jogo de futebol de que se lembram, Lídia Paralta Gomes recorda a final do Mundial de 1994, entre o Brasil e a Itália, realizado no dia 17 de julho nos Estados Unidos, no estádio Rose Bowl, em Pasadena

  • Mad Max ou como Verstappen deu mais piada à F1

    Fórmula 1

    Tão talentoso quanto irreverente, Max Verstappen vai somando recordes mas também inimigos no Mundial. "É um fora de série", diz Tiago Monteiro sobre o holandês de 19 anos, o mais jovem de sempre a vencer um Grande Prémio e o rei das irritações no paddock

  • Esteve sete vezes morto e voltou para ganhar o ouro

    Jogos Paralímpicos

    É uma história de superação incrível – há exatamente 15 anos, o então piloto da CART Alex Zanardi sofria um acidente terrível que o deixaria com apenas um litro de sangue no corpo e com um prognóstico assustador. Ambas as pernas foram amputadas ao campeão, que em nenhuma altura pensou desistir do desporto: “Sabia que continuava a ser o mesmo atleta que era antes de perder as pernas”. Quinze anos passados, foi buscar uma medalha de ouro aos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, terra do ídolo Ayrton Senna e de assuntos mal resolvidos – faltava-lhe ganhar qualquer coisa naquele lugar onde costumava competir. Ele não acha que mereça ser considerado especial: “A minha vida é um privilégio sem fim. Até o meu acidente se tornou a maior oportunidade da minha vida”