Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio Conceição e o 1.º golo: "Era para o Óliver chutar de primeira. Na altura quando ele não chutou ainda lhe chamei uns nomes no banco"

Técnico do FC Porto bem-disposto na hora de analisar a jogada que deu origem ao 1.º golo do FC Porto, marcado por Éder Militão. Em declarações à TVI, Conceição mostrou-se muito satisfeito com a exibição da equipa, principalmente na 2.ª parte e elogiou o processo ofensivo dos dragões

Tribuna Expresso

Octavio Passos/Getty

Partilhar

O jogo

"Na 1.ª parte criámos duas ou três situações. Não me lembro de uma ocasião do adversário e penso que não foi justo irmos para o intervalo empatados. Ao intervalo retificámos. Os jogadores perceberam exatamente o que era preciso fazer para criar ainda mais dificuldades aos adversário. Fizemos dois golos, podíamos ter feito mais. Do nada surgiu um penálti, que por vezes até pode condicionar e, como se costuma dizer, abanar a equipa, mas não foi isso que aconteceu. Há confiança nos adeptos e confiança cada um em si e cada um no seu colega e isso sente-se no campo. Fizemos uma 2.ª parte de grande nível e estamos muito satisfeitos pelo apuramento"

As soluções e as ausências

"Gostava de contar com toda a gente e de ter toda a gente disponível. Eram mais soluções e tinha mais boas dores de cabeça para resolver. Mas temos uma diversidade grande no nosso processo ofensivo, na mobilidade. Conseguimos dar uma resposta muito positiva. Temos um processo rico, passamos rapidamente de um 4-3-3 para um 4-4-2. Sabemos interpretar isso como ninguém porque trabalhamos essas situações. A nossa diversidade permite colmatar as ausências, mas obviamente que gostava de contar com o Aboubakar e com o Soares"

Jogada estudada no 1.º golo

"Os esquemas táticos também fazem parte da nossa diversidade no ataque. Mas era para o Óliver chutar de primeira. Ele perdeu o timing, cruzou, na altura quando ele não chutou ainda lhe chamei uns nomes no banco, mas depois aplaudi porque quando há golo não há nada a dizer"