Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

O melhor central de Portugal regressou

Para sempre marcado pelos segundos que o cérebro lhe parou e os pontapés com que agrediu um adversário, há mais de 10 anos, Pepe está de volta ao FC Porto e a Portugal, que volta a ter entre fronteiras o melhor central português em atividade e convocável para a seleção

Diogo Pombo

Quality Sport Images

Partilhar

O passe entra rasteiro e direito aos pés, é fácil. André-Pierre Gignac sortudo é, porque está perto da quina da pequena área, verdade que de costas para a baliza e com um adversário colado, mas, com a bola a chegar-lhe assim, está do lado vantajoso de várias dúvidas. Pepe, não: para que direção fugirá Gignac? Fá-lo-á com uma receção orientada, ou ao segundo toque? Que pé vai usar? Será que há alguém a dar cobertura e há tempo para ajuda se for ultrapassado?

Dentro da sua calva cabeça terá havido uma centrifugadora a repensar estas e outras deliberações, em questão de dois segundos, ou menos, já com o prolongamento a acabar na final de um Campeonato da Europa, em França, encostado à própria baliza e pressionado pelas circunstâncias a agir, em vez de reagir. Pepe atuou duas vezes, por engano.

Iludiu-se a adivinhar que Gignac controlaria a bola para dentro. O francês fê-lo para fora. E apressou-se a cerrar-lhe o espaço, com a perna esquerda, virando-se contra o corpo do avançado, urgido pelo alerta de que, ali, ele só poderia rematar. O francês deu outro toque com o pé direito, dobrando o corpo como quem iria procurar a baliza, mentindo com todos os músculos que tem para simular, tocar mais duas vezes e, engodo feito, rematar o que iria contra o poste.

Pepe ficou desamparado, a ver, os joelhos e as palmas das mãos na relva, a cara espantada, o corpo exposto, batido, enganado e desmontado por um avançado bom, mas vulgar, por momentos capaz de um gesto incrível.

Matthew Ashton - AMA

A ideia que ficou de Képler Laveran Lima Ferreira não se reduz ao momento menos fotogénico que teve, em parte, porque Portugal ganhou, mas serve para mostrar que houve uma exceção, mesmo que tardia, para atestar uma regra: ele foi o melhor jogador da final, provavelmente o melhor português do Europeu, por certo o melhor defesa central que o país tinha para escolher e a central iminência defensiva que acabou o jogo de rastos, a vomitar.

É possível que, antes, Pepe se tenha enganado, precipitado, reagido tarde, posto o pé onde não devia ou distraído do sítio por onde andava o adversário direto.

Só que as últimas impressões são bichos papões de todas as anteriores e tenho a impressão que errar, como errou forçado por Gignac, não terá errado durante o Europeu. Erro aparecido quase ao fim de 120 minutos de final e de uma semana em que apenas treinou na véspera. “Isso e a tensão fizeram-me vomitar. Nunca me tinha acontecido. Acho que foi do desgaste, estava no limite”, diria ao Expresso, dias depois.

O conceito de exaustão até podia concentrar as duas faces da imagem de Pepe, se não para ele, pelo menos para grande parte da gente que o vê a jogar: há quem exausto esteja do central duro, em tempos e muitas vezes agressivo, propenso a perder o tino na cabeça; depois, há quem se canse de tentar arranjar argumentos contra o facto de técnica, morfológica e fisicamente, ele ter sido, quase em simultâneo, um dos melhores centrais do futebol na última década.

Quando a irritação, a frustração e outras coisas más acabadas em “ão” lhe pararam o cérebro, naquele 21 de abril de 2009, tudo rimou para Pepe se tornar um vilão, apto para ser criticado por qualquer pessoa. Ele terá achado uma afronta Casquero, do Getafe, ter caído na área do Real Madrid, tombado por um leve empurrão, a uma mão, nas costas.

Se é que há explicação possível para os espasmos violentos, irados de fúria, que o tiraram do campo por 10 jogos e expulsaram, por tempo incontável, do gosto comum dos adeptos.

Não ajudou, também, ter sido quem mais deixaria o pé após um corte feito; quem menos mudava a abordagem à bola, chegasse ou não atrasado; quem mais abria os braços no ar onde queria chegar com a cabeça. Quem pisões deu em Messi, agressões fingiu e teatralizações forçou durante os anos em que José Mourinho empurrou a relação entre o Real Madrid e o Barcelona para a lama, os trivotes, as críticas públicas e os jogadores que eram amigos a não se falarem.

John Walton - EMPICS

No campo, o central Pepe ficou como a ponta afiada da lança da batalha em que se tornou o clássico espanhol, e sê-lo-ia depois, mesmo com Mourinho e Guardiola desaparecidos há muito, mesmo com mais de 300 jogos pelo Real Madrid e titular em três conquistas de Ligas dos Campeões, no clube que mais as leva para casa. “Procuro defender meu clube e meu posto. Para isso, dou o melhor de mim”, comentaria, há sete anos, sobre a fama de ser violento.

A outra face, portanto, é a que menos luz natural recebe nas fotografias que lhe tiram.

Do central com as doses certas de rapidez, força e potência dentro do corpo magro, com membros inferiores compridos e ágeis. As pernas que pontapearam Casquero, sem justificação, sempre foram morada de uma técnica de desarme e ataque à bola, no um para um, tão invulgar quanto excelente - usa a perna que mais perto está do adversário e, sendo um jogador destro, coloca os apoios para que essa perna seja a esquerda num número anormal de vezes (como em Paris, contra Gignac).

Tem um timing de entrada à bola, quando há um duelo claro e formado com um adversário, que o faz acertar mais do que errar. O que pode explicar o quão raro é ver Pepe, um central, a desarmar jogadores ou a intercetá-los pela relva, em carrinho. Tem altura e impulsão para dominar pelo ar. Força os avançados a fugirem às linhas para tocarem em passes. Com 35 anos, mantém as coisas técnicas para compensar as físicas que estão em inevitável decadência.

Retorna ao FC Porto, onde a impressão e a perceção, embora muito longe das que deixou em Madrid, talvez ainda o vejam, também, um pouco pelo lado duro e agressivo de defender uma baliza. Mas Pepe lá chegou, em 2004, a uma equipa em cacos e a ressacar da euforia com Mourinho e ganharia dois campeonatos, até 2007, com Bruno Alves ao lado e erguido numa dupla em que até nem era ele o lado mais bravo entre os centrais.

Ele ainda é o central mais capaz e rentável em rendimento que Portugal tem. O que é necessariamente por culpa do próprio, como também se deve à evitável falta de opções para a posição (seja por não caírem em abundância das árvores, ou por falta de aposta a um nível alto, nos seniores), que tenham a mesma qualidade de Pepe.

E o país volta a ter dentro de fronteiras o melhor defesa central português em atividade e convocável para a seleção desde, talvez, Ricardo Carvalho, no ano em que por um triz não se conquistou o Europeu que só viria em Paris, depois de vermos um (então) careca ser ultrapassado. Por mais raro que isso pudesse parecer.