Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Conceição: "Um bom maestro faz a orquestra funcionar bem. O maestro é o árbitro e a música não se ouve com qualidade se está sempre a parar"

O FC Porto joga sexta-feira em Chaves (19h, SportTV1), frente ao último classificado da Liga, na 18ª jornada, e Sérgio Conceição aproveitou a conferência de imprensa de antevisão para falar de alguns problemas do futebol português, no entendimento do treinador portista

Tribuna Expresso

Partilhar

O Chaves

"Esperamos um jogo difícil com uma equipa que precisa de pontuar para subir na tabela classificativa. É um jogo tipicamente difícil, contra uma equipa que mudou um bocadinho desde a chegadao do novo treinador, até com jogadores um bocadinho diferentes também."

Falta de tempo para preparar os jogos

"Já falei várias vezes sobre o calendário e vou voltar a repetir, e falei também na reunião de treinadores na Cidade do Futebol: espero que haja mais consciência sobre o calendário de dezembro e janeiro, que é completamente sobrecarregado. Já estávamos a contar com isso. Quando a densidade competitiva é a que é, não há que fugir, há algumas lesões [Maxi Pereira e Danilo Pereira]. Temos de nos preparar da melhor forma que pudermos, mesmo sem o tempo que consideramos ideal. Mas temos, nós e o departamento médico, todos os meios para recuperarmos. Não estamos numa situação ótima, mas estamos num bom nível para dar resposta amanhã".

Jogo mais fácil por ser contra o último classificado?

"Não, não esperamos de forma nenhuma um jogo mais fácil, porque estamos perante uma equipa que precisa de pontos para sair da posição desconfortável em que está. A motivação para jogar contra o campeão nacional é grande, as equipas muitas vezes até mudam a forma de jogar contra nós, nas peças ou nas zonas do campo que ocupam mais tempo. Mas temos de ser nós a dar a volta a isso."

Depois de uma exibição menos vistosa das "segundas linhas" frente ao Leixões, o FC Porto precisa de reforços?

"Essa conclusão a que chega é a sua maneira ver as coisas, tenho uma opinião completamente diferente. Começando pelos laterais, o João Pedro há 3 semanas que não está a treinar, saiu magoado da equipa B, não posso utilizá-lo. Em relação ao Militão sobre a direita, são situações que são trabalhadas e os jogadores têm essa mais-valia, fazem mais do que uma posição com qualidade. Realmente há jogadores que têm sido mais utilizados do que outros, mas não considero que sejam uma segunda linha, nem contra o Leixões: Corona não é segunda linha, Pepe não é, Alex Telles não é, Fernando não é. Mesmo o Adrián López tem sido utilizado bastantes vezes. Vocês falam para isto ir sempre dar ao mesmo: "Então e o mercado? Não é preciso jogadores? O plantel não é curto?" Nós estamos sempre em comunicação, eu e a direção, mas acho que não é muito importante estar a falar disso agora. Acho que era melhor falar de situações que fazem com que o espetáculo não seja o melhor. Contra o Leixões, acho que a primeira parte foi de bom nível, não foi espetacular, mas nós jogámos num campo cheio de areia, os jogadores tinham de dar sempre dois ou três toques na bola para poder jogar. Depois em dez minutos já um exagero de 15 faltas... Não tenho nada contra o Hugo Miguel, contra o Capela, contra quem for. Um bom maestro faz a orquestra funcionar bem. O maestro é o árbitro, os jogadores são a orquestra e a música não se ouve com qualidade se está sempre a parar. Mesmo contra o Sporting foi um exagero de faltas. E depois é o VAR... Estou a levar isto para aquilo que acho que é importante falar. Depois da Taça, ficou reforçado que o VAR é fundamental, porque poderíamos ter sido eliminados de uma competição em que tínhamos feito um golo que não foi validado. O Hugo Miguel ir apitar o Vitória-Benfica e o Capela ir apitar o Leixões-FC Porto.. Não estou a dizer que não são bons árbitros, mas há que pensar. Devia haver bom senso, pensar um bocadinho naquelo que são as nomeações. Os árbitros também deviam ser avaliados pelo espetáculo. O FC Porto quer um ritmo alto, intensidade, mas se somos parados de 15 em 15 segundos, seja a favor ou contra... Acho que temos é de pensar nisto, porque o mercado logo se vê. Peço desculpa por me alongar um bocadinho e pelo desabafo."

Falta de utilização de Sérgio Oliveira

"Não quero individualizar as coisas. Já tive oportunidade de falar sobre o Sérgio. Não estava da forma que eu queria e a forma que eu quero tem a ver com vários parâmetros. Acho que é mais importante falar do Chaves e daquilo que é a equipa com Tiago Fernandes. Há dúvidas se jogará com dois homens na frente ou não, vamos ver. Há uma ou outra situação diferente mas estamos preparados para essas situações, sabendo que somos nós que temos de assumir o jogo."

Sérgio Conceição faz a antevisão do jogo marcado para amanhã em Chaves. 

Balanço da primeira volta

"Espero fazer sinceramente uma segunda volta melhor do que a primeira. Acho que o nosso início não foi tão bom como eu esperava. Depois de sete, oito jornadas começámos realmente a estar um bocadinho melhor em algumas situações de jogo em que no início tivemos algumas dificuldades e em que tal não era habitual na equipa do ano passado. Não querendo ser cópia do ano passado, tínhamos uma base com várias coisas do ano passado e fomos melhorando com o decorrer do campeonato, e espero sinceramente fazer uma segunda volta melhor do que a primeira."

Desgaste dos jogadores no prolongamento contra o Leixões

"Preferia não fazer o prolongamento, podiam ter validado o golo que fizemos antes. Foi um adversário que nos criou dificuldades, menos mal conseguimos, dentro do prolongamento, o objetivo. É inútil estar aqui a repetir que a recuparação vai ser feita para que eles estejam a um nível aceitavel. Jogar de três em três dias é bom sinal, sinal de que estamos em todas as competições, obviamente que o calendário podia ser diferente, mas já falámos sobre isso."

Brahimi está condicionado

"O Brahimi estava condicionado e continua assim, treinou integrado mas condicionado. Até à hora do jogo vamos ver a sua utilização, às vezes um dia faz toda a diferença para uma lesão."

Militão ou Corona a lateral direito?

"Nós analisamos tudo. O estado físico, anímico, técnico, tudo aquilo que é a preparação para o jogo, o que um e outro pode dar ao jogo... Obviamente que hoje não vou dizer muito mais porque isso faz parte da estratégia para amanhã, como compreende."