Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Soares roda as Chaves três vezes no triunfo do FC Porto

No regresso de Pepe ao campeonato português, Tiquinho Soares roubou o protagonismo ao internacional português com um hat-trick que garantiu os três pontos (4-1)

Tiago Oliveira

Partilhar

Não são seguramente os maiores primores técnicos nem jogadores que respirem classe a cada receção de bola ou ação atacante. Mas são o clássico caso de avançados em que a soma das partes vale mais que a individualidade. Assim são Marega e Soares, o que um não tem o outro dá e não é por acaso que enquanto dupla dão trabalho como poucos na Primeira Liga. E também não é por acaso que mais uma vez foram decisivos, com Tiquinho a fazer um hat-trick e Marega a bisar nas assistências na vitória do Futebol Clube do Porto em Chaves por 4-1.

Os dragões fizeram-se a caminho de Trás-os-Montes à procura de voltar às vitórias no campeonato depois de o empate em Alvalade ter interrompido a série de 17 triunfos consecutivos em todas as competições. À sua espera uma deslocação sempre difícil com muito frio à mistura e uma equipa a tentar cimentar uma retoma que a tire do fundo da tabela.

O Chaves de Tiago Fernandes tinha registado na jornada passada a primeira vitória com o treinador ao leme mas o mercado de Inverno levou duas peças fundamentais durante a semana. Eustáquio e Marcão partiram para outras paragens e obrigaram a alterações no onze escalado pelo técnico.

Já o FC Porto promoveu a (nova) estreia de Pepe, com o central a estrear-se a titular para o campeonato na sua segunda passagem pelos azuis e brancos. O que obrigou Militão a deslocar-se para a lateral direita, com Óliver a substituir o lesionado Danilo no meio-campo e o resto da equipa habitual no esquema habitual a manter-se.

Éder Militão

Éder Militão

Anadolu Agency

Talvez com o frio a afetar as articulações, o início de jogo foi morno com os dragões a não demonstrarem nem grande engenho nem grande pressa para ultrapassar o bloco baixo do Chaves. A defesa impôs-se facilmente face aos fogachos flavienses, enquanto do lado dos azuis e brancos, as maiores ameaças saíam dos pés de Corona e, sobretudo, Óliver Torres, com o seu habitual futebol de regra e esquadro.

E o jogo lá foi decorrendo neste timbre pardacento (não tem de quê, Rui Veloso) até que foi desbloqueado por uma das armas mais clássicas do arsenal da equipa de Sérgio Conceição, vulgo, as bolas paradas. Foi o que aconteceu aos 24 minutos, quando ao pé esquerdo de Alex Telles respondeu Marega com um desvio que encontrou Soares ao segundo poste para confirmar o primeiro golo do encontro.

Em vantagem, o FC Porto passou a controlar o desafio com mais confiança, se bem que Luther Singh (o mais agitador do lado dos flavienses) ainda obrigou Casillas a uma estirada difícil com um perigoso remate de longe aos 38 minutos. Só que sem forçar muito, os dragões ampliaram a vantagem volvidos quatro minutos. Com os mesmos portagonistas: cruzamento de Marega e finalização de Soares para o 2-0.

Estreia e quase uma estreia

O golo a terminar a primeira parte trouxe outro conforto aos azuis e brancos que, como é seu apanágio, tentaram congelar o jogo nos segundos 45 minutos, com um ritmo inicial mais lento perante um Chaves mais descrente. Até que mais uma vez surgiu Tiquinho Soares a corresponder a um bom cruzamento de Corona e a fazer o seu primeiro hat-trick pelo FC Porto aos 68 minutos. E, por incrível que pareça, o jogo animou.

Os flavienses partiram em busca do tento de honra, enquanto do lado contrário surgiram mais oportunidades para os azuis e brancos. Soares e Fernando Andrade desperdiçaram enquanto do lado contrário o maior ímpeto do Chaves foi recompensado quanto Nuno Almeida entendeu que Pepe fez falta dentro da grande aérea. Penálti que Gallo converteu aos 76 minutos para dar ainda alguma esperança à turma da casa.

Que durou 11 minutos, altura em que o FC Porto repôs a distância em três golos. Lançamento longo de Éder Militão, que também mostrou serviço na direita, com Fernando Andrade a picar a bola por cima do guarda-redes e Nuno André Coelho a impedir que o avançado oriundo do Santa Clara pudesse marcar o primeiro golo com a camisola dos dragões.

No final, vitória que mantém o FC Porto firme no primeiro lugar da Liga e a começar a segunda volta da melhor forma. Com a harmoniosa sociedade Soares-Marega em destaque. Segue-se o Benfica na Taça da Liga.