Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio Conceição: "Depois do Clássico ficam a faltar 30 pontos. Mas é um jogo importante, porque vale seis pontos"

Numa conferência em que tentou até adivinhar o onze do Benfica para o Clássico de sábado, o treinador do FC Porto sublinha que o jogo não é decisivo, mas é muito importante

Tribuna Expresso

JOSÉ COELHO/LUSA

Partilhar

Expectativas

“Os resultados anteriores contam pouco e acho que todos os jogadores estão motivados para ganhar. Ainda por cima jogando em casa, no Dragão. Não tenho falado do Mar Azul, porque não é necessário, ele tem estados em todos os jogos. Acho que vai ser um jogo bem disputado. Espero que seja um bom espectáculo de futebol e é um jogo importante rumo ao nosso grande objetivo”

Menos experiência dos jogadores do Benfica

“Não vejo as coisas por aí. A minha forma de liderar não tem nada a ver com idades mas sim com a personalidade e competência de cada um. Todos têm a mesma responsabilidade e se um jogador é titular é porque tem qualidade. Diz-se que um jogador jovem tem irreverência, uma vontade grande de mostrar, mas um jogador com 30 anos também tem essa irreverência e vontade de jogar e ganhar. Eu olho para a equipa como o seu todo, para a valia do adversário e para aquilo que nós podemos fazer no jogo”

Estratégias

“Por aquilo que vejo do Benfica e da minha equipa, aqui não há calculismos: as duas equipas vão jogar para ganhar. Tudo aquilo que se pinta antes do jogo, as estatísticas, as idades, o momento da equipa, há quanto tempo os treinadores estão nas equipas… a partir do apito do árbitro isso não interessa”

Controlos antidoping

“Acho absolutamente normal fazerem um controlo. Acho normal fazerem controlos ao coletivo, já um controlo individual não acho tão normal. Mas não há nada a referenciar sobre isso. As pessoas ficam pasmadas com certas recuperações e fazem um controlo”

Benfica de Lage

“Tem tido uma dinâmica interessante alicerçada em vitórias, que transmite alegria à equipa. Não quero falar do meu adversário, quero focar-me no FC Porto”

A importância da defesa

“Acho que é fundamental ter-se uma equipa coesa, que perceba que a base do sucesso também passa pela dimensão defensiva. Não é a questão de se jogar mais à frente ou mais atrás, é o que não podemos deixar o adversário fazer, onde o podemos condicionar. A base do sucesso tem muito a ver com a consistência defensiva”

Comparação com jogo da Taça da Liga

“Vai ser um jogo diferente. Pode haver jogos parecidos, mas iguais não. Depois deste jogo ficam a faltar 30 pontos, mas é um jogo importante, porque vale seis pontos. É por isso que estes confrontos diretos têm importância. Mas se ganharmos ao Benfica e depois perdemos contra o Feirense deixa de ser importante. Mas o campeonato é uma prova de regularidade”

O onze do Benfica

“Acho que o onze não será muito diferente daquilo que tem sido a equipa que tem jogado mais vezes. Na defesa André Almeida, Rúben Dias e Ferro ou Jardel, que pode recuperar, e Grimaldo. Samaris e Gabriel no sector intermédio. Rafa e Pizzi nas alas, a jogar mais por dentro ou por fora. Na frente, Félix e Seferovic. Penso que será esse o onze. Poderá haver uma ou outra mudança. Vamos ver. Acho que há 90% de hipóteses deste ser o ser este o onze”

Pressão

“Estamos a aproximar-nos do fim e todos os jogos são importantes e há uma carga grande de todas em equipas, para o título, para a Liga Europa, para a manutenção. Mas isso é o normal, estamos habituados a isso. Nesta casa estamos habituados de três em três dias a ter testes decisivos. Estamos a caminhar para o fim, temos um jogo com a Roma, que temos de ganhar e este jogo com o Benfica é um bocadinho diferente: é muito importante mas não é decisivo. O mais importante é sempre o próximo. É um chavão do futebol mas é verdade”

Eder Militão a central ou lateral

“Ah, o Tite disse isso [que prefere ver Militão a central do que a lateral]? Também eu prefiro ver o Neymar a jogar a avançado em vez de ala. Podem escrever isso. O Militão jogou a lateral direito no momento em que o Maxi se lesionou. Isso coincidiu com a vinda do Manafá e ele teve um espírito fantástico naquilo que foi interpretar da melhor forma uma posição em que não jogava já há alguns meses, mas que ele conhece bem. Isso também é demonstrativo de todos os Militões que existem no nosso plantel, porque sacrificam-se em prol da grupo e isso é fantástico"